Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Commodities nesta Semana: Medo de Recessão Derruba Petróleo; Ouro Segue Estável

Por Investing.com (Barani Krishnan/Investing.com)Commodities20.06.2022 09:56
br.investing.com/analysis/commodities-nesta-semana-medo-de-recessao-derruba-petroleo-ouro-segue-estavel-200450223
Commodities nesta Semana: Medo de Recessão Derruba Petróleo; Ouro Segue Estável
Por Investing.com (Barani Krishnan/Investing.com)   |  20.06.2022 09:56
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Rumores de uma recessão nos EUA e vendas técnicas podem manter o petróleo sob pressão até a perda do patamar de US$ 100 por barril nesta semana. Depois disso, podemos ver uma nova onda de compras, fazendo o produto recuperar a maior parte das suas perdas.

Petróleo diário
Petróleo diário

Desde que o Federal Reserve anunciou seu maior aumento de juros em 28 anos, com uma elevação de 75 pontos-base, na semana passada, os investidores se convenceram de que os Estados Unidos estão rumo a uma recessão, decorrente da combinação do enfraquecimento de dados macroeconômicos e de um grande aperto monetário para combater a pior inflação do país em 40 anos.

O presidente do Fed, Jerome Powell, retornará ao Congresso nesta semana para explicar as ações do banco central americano e por que elas poderiam resultar em um “pouso suave” na economia, e não em uma recessão. Poucos, entretanto, devem acreditar no que ele diz.

“Fala-se cada vez mais em recessão, por conta dos últimos dados econômicos e da ação dos preços em uma variedade de classes de ativos”, afirmou Jeffrey Halley, diretor de pesquisa para Ásia-Pacífico na plataforma de negociações online OANDA. Ele acrescentou:

“Até mesmo os preços do petróleo cederam sob o peso dos ruídos de uma recessão. Muito possivelmente por conta do clássico cenário de que a cura dos preços altos são preços ainda mais altos.”

A cotação do barril de petróleo afundou 9% na semana passada, sua maior desvalorização desde abril, após a produção industrial nos EUA cair pelo quinto mês seguido, com as empresas enfrentando gargalos na cadeia de suprimentos e aumentos de custos.

Na janela asiática de negociações desta segunda-feira, o petróleo repicava, ainda que de forma não muito convincente.

O barril de West Texas Intermediate, principal referência do petróleo nos EUA, registrava alta de 70 centavos, ou 0,7%, a US$ 108,69 durante a madrugada. O WTI se desvalorizou mais de US$ 11 na semana passada, seu maior declínio em oito semanas.

Já o barril de Brent, negociado em Londres e que serve de referência mundial para o petróleo, subia 69 centavos, ou 0,6%, a US$ 113,81. O Brent caiu quase US$ 9 na semana passada, seu maior recuo em dois meses.

Um pouco antes do tombo da semana passada, o WTI havia disparado até a máxima de três meses a US$ 123,18, seu nível mais alto desde o rali até quase US$ 130, após a invasão da Rússia na Ucrânia. O Brent alcançou US$ 125,16, após seu pico de março de quase US$ 140, nível mais alto em 14 anos.

Essa ação dos preços parecia respaldar o que Halley, da OANDA, declarou: preços mais altos podem ser a cura dos valores já bastante elevados do petróleo.

Antes da derrocada, os analistas técnicos alertavam que o WTI e o Brent estavam profundamente sobrecomprados, diante da sua valorização de US$ 20 ao longo de oito semanas.

O petróleo pode ser ainda mais pressionado nos próximos dias, defendeu o analista.

“A ação dos preços na última semana confirmou o padrão de ‘doji’ formado no WTI na semana passada”, explicou o analista técnico Sunil Kumar Dixit.

“Vimos uma profunda queda de US$ 15 no WTI, de US$ 123,66 para US$ 108,25", continuou Dixit, dizendo ainda que as leituras do estocástico de 54/65 no gráfico semanal e 8/30 no gráfico diário reforçavam a potencial volatilidade e o sentimento baixista no petróleo americano.

Ele disse que não se podia descartar um teste do suporte de US$ 100 no petróleo americano.

Segundo o analista, um fechamento do WTI abaixo da média móvel exponencial de 50 dias a US$ 109,83 era outro sinal de baixa.

Por outro lado, Dixit explicou que o petróleo americano poderia repicar a partir da metade da Banda de Bollinger a US$ 106 e se recuperar para os níveis de US$ 113, 116 e 119.

“Se isso acontecer, os vendedores podem novamente reativar outra pernada de baixa, com alvo na média móvel simples de 200 dias a US$ 101”, ressaltou Dixit.

O depoimento de Powell ao Congresso americano, na quarta e quinta-feira, será seguido de outros pronunciamentos de autoridades do Fed nesta semana. Cada um será acompanhado de perto pelos mercados, na tentativa de descobrir qual será o tamanho do próximo aumento de juros do Fed para a reunião de julho.

A expectativa é que Powell reitere o compromisso do Fed de conter a inflação, que se encontra em seu nível mais alto desde 1981 nos EUA. Na sexta-feira, o banco central americano declarou que está comprometido a combater a inflação de forma “incondicional".

Powell disse ainda que o Fed não pode controlar todos os fatores que contribuem para os aumentos dos preços, como a guerra na Ucrânia, que está promovendo a alta dos preços de energia.

Os participantes do mercado temem que uma elevação agressiva de juros pelo Fed possa acabar jogando a economia do país em uma recessão. Com sinais de desaceleração de crescimento e o S&P 500 já em tendência de baixa, Powell pode ser pressionado a dar mais detalhes sobre como o Fed pode reduzir a inflação sem causar muitos distúrbios na economia e nos mercados.

Após a invasão na Ucrânia e as subsequentes sanções do Ocidente à Rússia, grande exportadora de energia, a restrição de oferta global de petróleo acabou se exacerbando, fazendo com que o rali registrado pelo produto neste ano gerasse dificuldades financeiras para muitos países pobres consumidores, ressaltam analistas.

Nos Estados Unidos, o peso dessa disparada no orçamento das famílias pode ser sentido nas bombas de gasolina, cujos preços superaram a marca de US$ 5 por galão pela primeira vez desde a semana passada. Segundo a Associação Automotiva Americana, em determinadas partes dos EUA, como na Califórnia e outras áreas da Costa Oeste, o galão já estava sendo vendido a US$ 6. O diesel estava ainda mais alto na Califórnia, com o galão acima dos US$ 7.

Nesta semana, os dados sobre as vendas de casas existentes nos EUA, na terça-feira, podem mostrar uma desaceleração em maio, já que as taxas de financiamento não param de subir. Também está prevista a divulgação dos números de vendas de casas novas nos EUA, na sexta-feira, com os mercados de olho em sinais de repique, após o recuo de 16,6% em maio.

Dados sobre pedidos iniciais de seguro-desemprego serão divulgados na quinta-feira, com os números da semana passada apontando para certo arrefecimento do mercado de trabalho, embora ainda haja restrições de mão de obra. Dados preliminares sobre atividade industrial e serviços também serão apresentados na quinta-feira.

No caso do ouro, o contrato futuro para agosto em Nova York subia US$ 4,80, ou 0,3%, a US$ 1.845,40 por onça-troy nesta madrugada.

Na sexta-feira, o ouro futuro na Comex caiu 0,5% e, na semana, recuou 1,9%.

Ouro diário
Ouro diário

O analista técnico Dixit observou que a ação de preços durante a semana no ouro fez o metal amarelo atravessar o canal retangular ascendente de US$ 75 formado após a máxima de abril de US$ 1998, depois de falhar em romper a marca de US$ 2000.

“Esses canais ascendentes geralmente tendem a ser baixistas, com potencial para outra queda, se o suporte for decididamente rompido”, afirmou.

Dixit também ressaltou que o comportamento semanal dos preços indicava uma continuação da baixa, dado que o metal fechou abaixo da média móvel exponencial de 50 dias a US$ 1851 e da média móvel simples de 100 dias de US$ 1845.

“Um movimento sustentado acima de US$ 1830-1840 indica um potencial repique de curto prazo para US$ 1850-1860, região que deve ser superada para um teste da próxima resistência a US$ 1878”, afirmou Dixit.

Mas a rejeição de US$ 1850-1860 pode fazer com que o ouro reteste US$ 1830-1820, o que pode estender o suporte do canal a US$ 1805, explicou Dixit.

“Qualquer rompimento decisivo de US$ 1878 ou US$ 1805 permitirá um movimento maior de US$ 30-75 na direção do rompimento, seja direto ou um fases, dependendo do gatilho”, concluiu.

Aviso de isenção: Barani Krishnan utiliza diversas visões além da sua para dar diversidade às suas análises de mercado. A bem da neutralidade, ele por vezes apresenta visões e variáveis de mercado contrárias. O analista não possui posições nos ativos e commodities sobre os quais escreve.

 

Commodities nesta Semana: Medo de Recessão Derruba Petróleo; Ouro Segue Estável
 

Artigos Relacionados

Commodities nesta Semana: Medo de Recessão Derruba Petróleo; Ouro Segue Estável

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail