📖 Guia da Temporada de Balanços: Saiba as melhores ações escolhidas por IA e lucre no pós-balançoLeia mais

Possível fim de incentivo fiscal: veja o impacto para as varejistas

Publicado 05.04.2023, 16:20
Atualizado 09.07.2023, 07:32
ARZZ3
-
HYPE3
-
LREN3
-
MGLU3
-
NTCO3
-
GUAR3
-
BHIA3
-
CRFB3
-
VIVA3
-
SOMA3
-
PETZ3
-
PGMN3
-
GMAT3
-

Recentemente, o governo causou um enorme barulho com a tributação das exportações de petróleo e, desta vez, quem está na mira são as varejistas.

As ações do varejo passaram o início desta semana sob pressão por um temor do mercado de que o governo acabe com os incentivos de ICMS dados pelos estados às empresas.

Embora o setor de varejo não seja o único afetado, é o mais exposto aos benefícios fiscais.

Impacto fiscal

Em entrevista à GloboNews, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que uma das ideias é mexer no incentivo de ICMS, já que a União perde R$ 90 bilhões de arrecadação por ano com a exclusão do ICMS da base de cálculo.

Mas vale ressaltar que uma coisa é desejar retirar o incentivo e outra coisa é conseguir a maioria necessária no Congresso para aprovar tal medida.

Uma matéria como essa atinge o varejo significativamente, que é um grande empregador no país, e seria percebida como um aumento de carga.

De acordo com a Arko Advice, “a recepção tende a ser difícil no Congresso, o governo precisaria gastar um enorme capital político para conseguir avançar com isso”.

Segundo a XP (BVMF:XPBR31), a exposição das varejistas a todos os benefícios fiscais (incentivos do ICMS, Sudene, Zona Franca de Manaus, Lei do Bem etc.) é de 31% do lucro líquido.

No ano passado, os benefícios fiscais responderam por 44% do lucro líquido do Grupo Soma (BVMF:SOMA3), 36% do lucro da Arezzo (BVMF:ARZZ3) e 39% do lucro da Vivara (BVMF:VIVA3). Na Renner (BVMF:LREN3), essa exposição é de 30%, e na Guararapes (BVMF:GUAR3) de 25%. Outras varejistas com alta exposição são a Pague Menos (BVMF:PGMN3) (51%), Via (BVMF:VIIA3)(41%), Natura (BVMF:NTCO3) (44%) e Grupo Mateus (BVMF:GMAT3) (33%).

O JP Morgan também apontou as empresas que os incentivos fiscais mais contribuem para o valor justo dos ativos, a Soma (SOMA3) encabeçou a lista com 50%, seguida por Vivara (VIVA3), com 44%, e Arezzo (ARZZ3), com 27%.

Petz (BVMF:PETZ3), Natura&Co (BVMF:NTCO3), Magazine Luiza (BVMF:MGLU3) e Carrefour (BVMF:CRFB3) possuem contribuição zero ou insignificante desses incentivos para o valor justo das ações.

No setor de saúde, Hypera (BVMF:HYPE3) e Viveo (BVMF:VVEO3) têm 30% e 23% do valor justo provenientes de incentivos fiscais, sendo os dois únicos da cobertura do banco no setor que possuem exposição direta relevante a incentivos fiscais.

Mudanças sendo desenhadas

Não foi a primeira vez que ouvimos que o governo quer aumentar a carga tributária de algum setor e certamente não será a última.

Já foram as petroleiras, hoje são as varejistas, amanhã podem ser os bancos, as locadoras ou qualquer outro setor. Sites de apostas online e as varejistas digitais internacionais (como a Shein) são alguns outros setores que também estão na mira.

O fato é que após a divulgação do novo arcabouço fiscal, ficou evidente que o governo pretende aumentar a carga tributária. Sem aumentar consideravelmente a arrecadação, as projeções das contas públicas apresentadas simplesmente não fecham.

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, afirmou na última terça-feira, 4, que a proposta de novo arcabouço fiscal deverá ser encaminhada ao Congresso depois da Páscoa.

Por ora, nos resta esperar. Apenas quando essas pautas começarem a ser votadas no Congresso saberemos qual é de fato o risco e qual é o potencial impacto nas empresas afetadas.

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.