Últimas Notícias
0

Itaú: Dólar pode ir de R$ 2,75 a R$ 5,25 a depender de déficit

Ações26.06.2018 15:18
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters. Itaú: disponibilidade de recursos para financiar déficit definirá nível do câmbio

Investing.com - Saber o futuro da taxa de câmbio é fundamental não só para investidores, mas também para as empresas que precisam traçar seus cenários para o futuro e também para o governo. Em relatório divulgado nesta terça-feira, o Itaú (SA:ITUB4) destaca que a taxa de câmbio é determinada pela quantidade de recursos disponíveis para financiar o déficit em conta corrente de um país. A depender do cenário, a moeda americana pode se estabilizar entre R$ 2,75 e R$ 5,25.

Dessa forma, nos momentos em que há uma redução da disponibilidade de financiamento externo, seja por motivos internacionais ou domésticos, o déficit em conta corrente precisa ser reduzido, ou até mesmo virar um superávit. Para que isso seja possível, o banco destaca que a taxa de cambio se deprecia de forma a gerar o resultado em conta corrente consistente com as novas condições de financiamento externo.

Levando em consideração o cenário atual, com o real perdendo força diante do dólar nos últimos meses, os sinais dão conta que pode haver menos recursos disponíveis para financiar o déficit em conta corrente no Brasil do que já existiu no passado.

Entre 1947 e 2017, o déficit em conta corrente médio no país foi de aproximadamente 2% do PIB. No entanto, lembra o banco, a média histórica esconde dois regimes distintos de financiamento: um sem disponibilidade de financiamento, com superávits em conta corrente entre 0% e 1% do PIB (como no fim da década de 80 e início dos anos 2000) e outro com maior disponibilidade de financiamento externo, isto é, com déficits em conta corrente entre 3% e 4% do PIB (fim da década de 90 e pós-crise de 2008).

Analisando os dados dos últimos 70 anos, o Itaú conclui que os regimes sem disponibilidade de financiamento ocorreram em períodos de políticas macroeconômicas ruins e ausência de amortecedores. O crescimento do PIB no período, por si só, parece importar menos. O que mais importa é que as condições macroeconômicas sejam adequadas, ou seja, políticas que visem ao crescimento sustentável, à estabilidade monetária e ao equilíbrio fiscal e externo.

Avaliando o cenário externo, a liquidez apertada é relevante, mas não um fator decisivo. Vale notar, no entanto, que é em momentos de piora do ambiente internacional que as fragilidades domésticas costumam ser evidenciadas mais nitidamente e, por isso, episódios de restrição de liquidez global podem, mesmo que indiretamente, diminuir o fluxo de financiamento para o País.

No documento do Itaú, os analistas destacam que o cenário internacional tem se mostrado desafiador. A normalização da inflação americana em direção à meta de 2% deve fazer com que o Fed eleve as taxas de juros ao longo próximos anos. O BCE também anunciou recentemente a redução no ritmo de compra de ativos a partir de setembro deste ano.

Com isso, o banco avalia que a liquidez global deve ficar menor ao longo dos próximos anos, assim como o fluxo de capitais para emergentes. Para determinar o financiamento externo disponível nos próximos anos, o mais importante será acompanhar a evolução da política macroeconômica doméstica.

Porém, as incertezas elevadas acerca da aprovação das reformas, especialmente daquelas que podem influenciar a dinâmica da dívida pública ao longo dos próximos anos. Desta forma, a equipe do banco acredita que este será o fator-chave para definir se estamos migrando para um regime com ou sem financiamento externo.

A existência de amortecedores é atenuante importante. Porém, enquanto a incerteza fiscal prevalecer, é plausível esperar a migração para um regime com menor disponibilidade de financiamento externo, ainda que seja difícil antecipar com precisão o timing de tal movimento e se ele pode ser revertido caso as reformas fiscais avancem.

Para o Itaú, se nos próximos anos voltarmos para um regime de ampla disponibilidade de financiamento externo (comportando déficits em conta corrente de 3% a 4% do PIB), o câmbio pode voltar para o intervalo de R$ 2,75 a R$ 3,50 por dólar (a preços de hoje). Por outro lado, se o regime for de indisponibilidade de financiamento, o saldo em conta corrente precisará ser positivo (superávit de 1% do PIB) e a taxa de câmbio deve se equilibrar em torno de R$ 4,75 por dólar (a preços de hoje).

Para o banco, ao longo dos próximos anos o cenário internacional deve se mostrar desafiador, com redução da liquidez global. Apesar disso, a aprovação das reformas, especialmente daquelas que geram uma dinâmica fiscal mais sustentável, será o ponto-chave para determinar se o País vai migrar para um regime de muito, pouco ou até nenhum financiamento externo.

Dessa forma, se as reformas forem aprovadas, possivelmente o fluxo de capitais estrangeiros aumentará e o real se estabilizará em patamar mais apreciado do que hoje e possivelmente abaixo de R$ 3,50 por dólar. Por outro lado, na ausência de reformas ou no caso de uma guinada para um governo populista (sem preocupações com equilíbrio fiscal) a moeda muito provavelmente perderá força, podendo se estabilizar num patamar acima de R$ 4,50 por dólar.

Itaú: Dólar pode ir de R$ 2,75 a R$ 5,25 a depender de déficit
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias ou ataques pessoais dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários
L. Mangini
L. Mangini 27.06.2018 8:05
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Ou Seja, se conseguirem colocar o deficit no rabo do povo o dólar se mantem estável e o lucro dos bancos continua numa boa, se não, o dólar sobe, o povo paga a conta e o lucro dos bancos continua numa boa.
Responder
0 0
Pedro Hurwicz
Pedro Hurwicz 26.06.2018 17:28
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Se o BC para de dar lucro aos especuladores que estão comprando os SWAPS pois sabem que vão ganhar muito o dólar sobe ao patamar devido
Responder
0 0
Francis Rebouças
Goldman777 26.06.2018 17:28
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Uns 4,30 pra mais.....
Responder
0 0
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Registrar-se com Google
ou
Registrar-se com o e-mail