x
Últimas Notícias
0

Mercado de olho na reforma da Previdência, IGP-10, PNAD, varejo e serviços

Ações e Financeiro13.11.2017 06:48
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters. Mercado de olho na reforma da Previdência, IGP-10, PNAD, resultados do varejo e do setor de serviços

Arena do Pavini - Nesta semana encurtada pelo feriado nacional da Proclamação da República na quarta-feira, com a B3 (SA:BVMF3) e os bancos fechados, as atenções do mercado devem continuar voltadas para as tentativas de retomar as discussões políticas acerca da reforma da Previdência, para a qual o governo procura votar um relatório alternativo.

Na economia, os destaques são a divulgação, pelo IBGE, do desempenho das vendas no varejo (terça-feira) e da pesquisa mensal de serviços (sexta-feira) relativos a setembro. Além disso, a Fundação Getúlio Vargas anuncia na quinta-feira o IGP-10 de novembro, prévia do IGP-M e do IGP-DI, e, na sexta-feira, saem os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, trazendo o cenário do mercado de trabalho no terceiro trimestre.

No exterior, a preocupação será com a reforma tributária nos EUA, que pode cortar impostos sobre empresas e pessoas. Duas propostas estão em discussão, na Câmara e no Senado, e é possível que tenham de ser conciliadas antes de serem enviadas do presidente Donald Trump. Uma das propostas prevê adiar a entrada do desconto de imposto sobre empresas por um ano, para 2019.

Reforma da Previdência: prazo curto

No cenário político, destaca análise do Banco ABC Brasil (SA:ABCB4), fica clara a maior dificuldade do governo de colocar em pauta e aprovar a reforma da Previdência ainda este ano. Isso porque ela deve ser apresentada nesta semana e, por conta do feriado do dia 15, não terá avanços na Câmara. Portanto, começará a ser discutida na semana do dia 20 de novembro. O banco lembra ainda que o governo tem duas dificuldades na Câmara: não possui os 308 votos necessários (admite ter hoje 250), e o prazo é curto, em razão de o recesso parlamentar iniciar em 15 de dezembro. Na prática, a reforma teria de ser aprovada na Câmara em quatro semanas.

Na última quinta-feira, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que a nova proposta de reforma da Previdência, que está sendo discutida entre o governo e lideranças políticas, “vai ajudar na aprovação” da matéria. Ele recebeu em sua casa no Lago Sul, em Brasília, o presidente Michel Temer, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e líderes de partidos da base governista para discutir estratégias de retomada da tramitação da proposta de alteração das regras de acesso à aposentadoria.

Racha no PSDB e eleições 2018

A análise do ABC Brasil menciona ainda os desdobramentos do racha interno do PSDB, com a destituição do presidente interno, senador Tasso Jereissati, e seus possíveis efeitos na eleição de 2018. A crise do partido coloca no centro do debate político a permanência dos tucanos no governo Temer. De um lado está Aécio Neves, que defende a aliança com o PMDB, e de outro Tasso, que é pela saída do partido. As eleições internas estão marcadas para 9 de dezembro, mas surgem especulações do nome do governador Geraldo Alckmin para sair candidato e pacificar o PSDB. Em evento em São Paulo hoje, domingo, na eleição do Diretório Estadual, Aécio foi vaiado enquanto Alckmin era ovacionado pelo público e recebia apoios para se candidatar ao comando do partido e à Presidência da República no ano que vem. O senador José Serra foi citado como candidato ao governo do Estado.

Efeitos sobre o câmbio

De olho no andamento das reformas e nos efeitos dos diferentes cenários políticos sobre a taxa de câmbio, os analistas do ABC Brasil afirmam que, em termos práticos, pode-se dividir o comportamento do câmbio em dois períodos.

No curto prazo, olhando para o desenrolar das “Reformas”, a da Previdência, por aqui, e a Tributária, nos EUA. Um andamento mais rápido do que o esperado, no caso da primeira, levaria o dólar abaixo dos R$ 3,20. Já no caso da segunda, acima de R$ 3,30. No cenário básico, de que nenhuma das duas saia ainda esse ano, uma oscilação dentro desse intervalo parece a “aposta” mais acertada. Já em prazos mais longos, aumenta a importância dos números de inflação nos EUA e do cenário eleitoral no Brasil, surgindo como única certeza que a volatilidade será bem maior ao longo de 2018.

Dois fatores importantes para a economia dos EUA preocupam os mercados, no Brasil e no resto do mundo. O presidente Trump vem fazendo mudanças na direção do Banco Central americano (Federal Reserve – Fed), o que pode trazer alterações na condução das taxas de juros americanas. O segundo fator é justamente a reforma tributária proposta pelo presidente, que gera questionamentos em relação aos efeitos que trará para a maior economia do mundo e seu entorno.

Efeitos sobre o mercado acionário

Analisando as possibilidades de recuperação do mercado acionário local, Alvaro Bandeira, economista-chefe da corretora Modalmais, também vê como um dos pontos centrais o andamento da reforma da Previdência. “Nossa expectativa é de que os dois fatores que mexeram com os mercados de risco no período precedente possam ter alguma solução: a reforma da Previdência, no Brasil, e a tributária, nos Estados Unidos.”

Na avaliação do economista, a reforma previdenciária deve ter cronograma melhor explicitado pelo presidente da Câmara e governo, assim como as mudanças que serão contempladas e votadas, como idade mínima, tempo de contribuição e eliminação de desigualdades entre setor público e privado, que seriam considerados avanços pelos investidores.

Quanto à reforma tributária americana, Bandeira acredita que congressistas e governo devem chegar a um acordo, que pode ser pela vigência ainda em 2018, como quer Donald Trump. “Isso não muda muito a expectativa de aumento de déficit em US$ 1,5 trilhão em 10 anos. Teremos as discussões sobre teto de endividamento, e como sempre ocorre, isso será definido no limite”, completa.

Varejo restrito: estimativas de alta interanual acima de 6%

Os analistas do banco suíço UBS estimam variação sobre o mesmo mês do ano anterior de 6,2% para as vendas de varejo restrito em setembro, e acreditam que a taxa pode mostrar uma expansão de 0,4% na variação mensal, uma pequena recuperação após resultado decepcionante de -0,5% na variação mensal anterior.

Já para a equipe da Rosemberg Associados, a Pesquisa Mensal do Comércio de setembro, apesar da continuidade do movimento de melhora do varejo na comparação interanual, projeta estabilidade para o varejo na comparação mensal, após dois meses de queda nesta base de comparação.

Os economistas do Banco Fator acreditam que o varejo deve fechar terceiro trimestre com alta interanual de 6%. Lembram que, de acordo com a pesquisa mensal do IBGE, o varejo continua frágil na comparação mensal, com a variação de 0,1% no volume de vendas no ampliado e contração de 0,54% no restrito em agosto.

Setor automobilístico deve puxar alta no varejo ampliado

“Estes números indicam que o varejo está em patamar mais elevado em comparação com 2016, porém, o crescimento na margem (mensal) não se mantém, de maneira semelhante aos demais setores de atividade”, destacam. “Nossa projeção para o resultado de setembro, porém, é de forte alta no mês, saindo de queda de 0,5% para alta de 2,6%, com alta de 4,4% no ano; para o varejo ampliado, estimamos forte alta no mês, de 1,3%, fruto de alta de 9,7% no ano, graças ao setor automobilístico”, completa a equipe do Fator.

Setor de serviços ainda mostra fragilidade

Os economistas do banco Fator destacam que o setor de serviços se contraiu na margem pelo segundo mês seguido (-1%) em agosto, porém manteve o padrão de alguma melhora em relação ao ano anterior (queda não tão intensa). A origem deste resultado negativo estaria no volume de serviços prestados à família, que registraram significativa queda de 4,4% no mês, enquanto o destaque positivo foi o setor de transportes. “Resta concluir que, apesar da fragilidade no andamento mensal, os serviços estão próximos de registrar valores positivos anualmente.”

Os analistas do Banco UBS estimam, para o Índice de Setor de Serviços de setembro, na comparação interanual, queda de 2,5%, e alta de 0,4% na comparação mensal.

IGP-10 de novembro deve ficar estável

Na quinta-feira, a Fundação Getúlio Vargas divulga o Índice Geral de Preços 10 (IGP-10) de novembro. O índice se assemelha aos demais IGPs, com exceção do período de coleta dos dados — a pesquisa é feita entre o dia 11 do mês anterior e o dia 10 do mês de referência. Serve como base para reajustes de tarifas públicas, contratos de aluguel e parte dos planos e seguros de saúde, geralmente os mais antigos.

O IGP-10 registrou o segundo mês inflacionário, após cinco de deflação, acelerando para 0,49% em outubro. Este movimento, ressalta o Banco Fator, se repete nos preços no atacado (IPA), que passa de 0,55% em setembro para 0,67%, com destaque nos preços agrícolas, que tiveram inflação mensal (0,88%) pela primeira vez em um ano. A deflação nos preços dos alimentos finalmente se aproximou de zero (-0,08%), o que garantiu a retomada nos preços ao consumidor (IPC) para 0,18% neste mês.

A exceção foi a abertura referente aos custos da construção (INCC), que desacelerou para 0,11%. “Na comparação interanual o índice desacelerou a deflação (1,29%) e esperamos que esta seja revertida ainda neste ano. Nossos números (previsões) são 0,0% no mês e -1,29% no ano para novembro”, estima o Fator. A previsão da LCA para a variação mensal de novembro é de 0,02%.

De olho no Focus

Nesta semana as expectativas do mercado para a inflação mantêm-se em 3,08%, para o final de 2017, e 4,02% em 2018, segundo analistas do Fator. O destaque fica para a segunda alta consecutiva no câmbio, para R$ 3,20. Mas as atenções se voltam para a Selic média de 2018, a algumas semanas abaixo de 7% ao ano.

Arrecadação Federal e receitas não recorrentes

A Receita Federal também deve publicar na semana os valores da arrecadação do governo de outubro. “Nossa estimativa é de R$ 118,726 bilhões que, se confirmada, representa uma queda nominal de 20% em relação à arrecadação federal de outubro do ano passado, com forte queda no imposto de renda; é possível, porém, que receitas não recorrentes sejam responsáveis por número superior”, prevê o Fator.

A estimativa da Rosemberg Associados é um resultado de R$ 125,3 bilhões. “Se confirmada, será uma continuidade de sinais pouco mais animadores, que apontam para melhora do desempenho nos impostos relacionados à atividade econômica”, afirma a equipe. A consultoria lembra que, no ano passado, a arrecadação da repatriação de recursos financeiros ficou concentrada em outubro, o que deve turvar a análise dos dados na comparação interanual, na medida em que este recurso não se repetiu em 2017. “Em termos reais, ela aponta queda de 18% ante outubro de 2016, e a variação acumulada em 12 meses tem queda de 0,4%.”

Nível de atividade nos EUA, Ásia e Zona do Euro

Na agenda internacional, os destaques são os dados de inflação e atividade nos Estados Unidos, que saem na quarta-feira e, na avaliação da Rosenberg Associados, ainda devem refletir a volatilidade adicionada pelos furacões dos últimos meses.

Na Europa, devem sair os números revisados do PIB do terceiro trimestre, produção industrial e de inflação da zona do euro. Na Ásia, foco no desempenho do PIB do terceiro trimestre do Japão. Na terça-feira serão divulgados dados de atividade da economia Chinesa.

Bancos centrais na Europa discutem políticas de comunicação

A equipe do Banco Fator destaca ainda que o Banco Central Europeu realizará uma conferência que vai discutir os desafios ligados à eficácia das políticas de comunicação. Participarão do painel voltado para oportunidades de comunicação de bancos centrais o governador do Banco da Inglaterra, Mark Carney, o presidente do Banco Cental Europeu, Mario Draghi, o presidente do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda e também Janet Yellen, do Federal Reserve.

EUA divulgam dados de inflação e produção industrial

Na manhã da quarta-feira, o Bureau of Labor Statistics (BLS) publicará os índices de preços para os consumidores e produtores referentes ao mês de outubro. O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) americano acelera levemente desde junho (1,6%), chegando a 2,20% em setembro; o seu núcleo, porém, está estável em 1,7% desde maio. Também serão divulgados os dados da indústria americana para o mês de outubro. A produção industrial e da manufatura, em setembro, de acordo com relatório do Fator, mostraram retrações de 0,3% e 0,1%, respectivamente.

Bolsa: investidor estrangeiro pode retornar ao mercado

O economista-chefe da Modalmais, Alvaro Bandeira, segue apostando na recuperação do mercado acionário local, apesar da volatilidade e das perdas ocorridas recentemente. “Se estivermos certos em nossos conceitos, os investidores estrangeiros devem começar a voltar ao mercado, até por conta da queda recente de preços e mercados mais calmos (atratividade)”, argumenta o economista.

Lembra, porém, que seria oportuno que a B3 tivesse força para superar o patamar de 75.100 pontos novamente, adquirindo maior consistência para buscar patamares mais elevados. “O cenário se complica se perdermos o patamar de 72.200 pontos (e 71.800 pontos), situação em que o mercado poderia acelerar perdas”, completa.

Por Arena do Pavini

Mercado de olho na reforma da Previdência, IGP-10, PNAD, varejo e serviços
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material  relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias ou ataques pessoais dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de registro no futuro, a critério Investing.com.

 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Escreva o que você pensa aqui
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
Postar
Postar também no :
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
Postar 1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Registrar-se com Google
ou
Registrar-se com o e-mail