Últimas Notícias
0

Centro-sul deve produzir 10% menos açúcar em 18/19, aponta pesquisa

Commodities13.03.2018 17:31
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters. Trabalhador corta cana de açúcar em plantação em Campos dos Goytacazes, no estado do Rio de Janeiro, Brasil

Por José Roberto Gomes

SÃO PAULO (Reuters) - A produção de açúcar por usinas do centro-sul do Brasil deve cair 10 por cento na safra 2018/19, que se inicia oficialmente em 1º de abril, com o setor sucroenergético privilegiando o etanol, mais rentável, em meio a um cenário de estagnação na oferta de cana.

Conforme uma pesquisa da Reuters com consultorias e participantes do mercado, as unidades da principal região produtora do maior player global do segmento devem fabricar 31,69 milhões de toneladas de açúcar em 2018/19, bem abaixo dos 35,20 milhões esperados para o ciclo atual (2017/18).

Em sondagem anterior realizada pela Reuters, em dezembro, esperava-se uma produção de 32,98 milhões de toneladas.

O menor interesse pelo adoçante deve-se ao cenário de preços internacionais deprimidos dada a perspectiva de ampla oferta. Espera-se que a produção na Índia, segundo maior fabricante, salte para um recorde de 29,5 milhões de toneladas, levando o balanço de oferta mundial a um superávit considerável de mais de 5 milhões de toneladas.

Desde o início de 2018, a referência do açúcar bruto na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) já caiu mais de 15 por cento.

Mas esse não é o único fator a pesar contra a produção da commodity no centro-sul. A perspectiva favorável para o etanol, com preços fortalecidos e demanda firme, também deve fazer com que as unidades produtoras aloquem maior parcela de cana para o biocombustível na safra 2018/19.

Os participantes da pesquisa da Reuters estimam, em média, uma produção de 27 bilhões de litros, 9,3 por cento acima dos 24,7 bilhões considerados para o atual ciclo e superior também aos 26,15 bilhões estimados anteriormente.

"O consumo forte de etanol na entressafra é um indício de que devemos ter mais um ano de maior demanda pelo biocombustível, o que deve dar sustentação para um mix voltado para o hidratado. Isso, claro, se os preços do petróleo se mantiverem no patamar atual ou acima", comentou o analista João Paulo Botelho, da INTL FCStone.

Pelos dados mais recentes da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), as vendas de hidratado, concorrente direto da gasolina, saltaram 37,5 por cento em fevereiro e já acumulam alta de 6,1 por cento desde o início da safra 2017/18, em abril do ano passado.

A comercialização de álcool vem aquecida desde meados de 2017, após altas tributárias maiores para a gasolina e uma nova sistemática de formação de preços de combustíveis pela Petrobras (SA:PETR4).

Além disso, há no radar do setor o RenovaBio, a nova política nacional de biocombustíveis, que deve impulsionar o uso dessas fontes no país e cujo primeiro decreto, referente à sua governança, pode ser assinado pelo presidente Michel Temer em evento nesta semana em Ribeirão Preto para marcar a abertura da nova safra.

OFERTA DE CANA

Enquanto a produção de açúcar e etanol deve oscilar expressivamente entre uma safra e outra, a oferta de cana para processamento tende a permanecer perto da estabilidade no centro-sul, reflexo da falta de investimentos em renovação das plantações, disseram os especialistas ouvidos pela Reuters.

"Sem expansão da área plantada e com a renovação abaixo do necessário, a idade média do canavial vem aumentando, prejudicando a produtividade", afirmou à Reuters o presidente da Copersucar, Paulo Roberto de Souza.

De acordo com a pesquisa da Reuters, o centro-sul do Brasil deve moer 588,64 milhões de toneladas de cana em 2018/19, ligeiramente acima dos 585 milhões de toneladas previstos para a atual safra.

"O clima tem sido favorável. Março está tendo um pouco de chuvas mais pontuais, nenhum relato de chuvas generalizadas, mas também não temos notícias de que está faltando. O verão está satisfatório", comentou Eduardo Sia, analista da Sucden.

Já Fábio Meneghin, sócio-analista da Agroconsult, avalia que o volume de cana a ser moída e o nível de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) poderão variar um pouco para cima ou para baixo a depender do desenrolar climático.

"Estamos em período de La Niña, onde apesar da ocorrência de boas chuvas no centro-sul, o inverno poderá ser mais rigoroso", alertou.

A Agroconsult é uma das mais otimistas quanto à moagem de cana e à produção de açúcar, citando um certa melhora nos tratos culturais. A consultoria prevê fabricação de 32,90 milhões de toneladas de açúcar no ciclo.

Centro-sul deve produzir 10% menos açúcar em 18/19, aponta pesquisa
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias ou ataques pessoais dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Registrar-se com Google
ou
Registrar-se com o e-mail