Garanta 40% de desconto
⚠ Alerta de Balanço! Quais ações estão prontas para disparar?
Veja as ações no nosso radar ProPicks. Essas estratégias subiram 19,7% desde o início do ano.
Não perca a lista completa

Ações do governo sobre Eletrobras destroem valor da companhia, dizem especialistas

Publicado 09.05.2023, 13:14
Atualizado 09.05.2023, 13:15
© Reuters. Logo da Eletrobras
9/04/2019
REUTERS/Brendan McDermid

Por Letícia Fucuchima e Rodrigo Viga Gaier

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - As ações e falas do governo de Luiz Inácio Lula da Silva contrárias à privatização da Eletrobras (BVMF:ELET3) vêm criando ruído e destruindo valor das ações da companhia, que já acumulam queda de 20% desde o início do ano, em um momento em que a nova administração da elétrica persegue uma virada dos negócios e maior eficiência, apontam especialistas do setor elétrico.

Mesmo que vejam o processo de privatização conduzido pelo governo passado como praticamente blindado das investidas atuais e não acreditem no sucesso de ações como a da Advocacia-Geral da União (AGU), eles apontam que a postura do governo no caso da Eletrobras representa um "tiro no pé" e joga contra seus próprios planos de atrair mais investimentos em energia no Brasil.

Lula tem sido bastante vocal contra a privatização da Eletrobras e desde que assumiu o governo em janeiro tem dito que tentaria reverter o processo. A AGU entrou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para elevar o poder de decisão da União na companhia, e em seguida Lula disse que ainda poderia apresentar novos questionamentos.

Desde o início do ano, as ações ordinárias da Eletrobras caíram 20,23%, a 33,38 reais, conforme o fechamento da véspera. O desempenho dos papéis da elétrica se mostra pior que o Ibovespa, que retraiu 3,36% no mesmo período, e contrasta com o do Índice de Energia Elétrica (IEE), composto pelos ativos mais negociados e mais representativos do setor, que subiu 4,02%.

Para a advogada e economista Elena Landau, o governo "forçou a barra e inventou" a tese de que a União deveria ter poder de voto proporcional à sua participação na Eletrobras, mesmo sabendo que a ação não teria condições de vingar no STF.

"Na minha avaliação é uma ação para agradar o cercadinho do Lula, acho que não vai dar em nada a não ser gerar enormes prejuízos para os acionistas da Eletrobras, em especial ao governo que vai perder dinheiro de patrimônio", afirmou Landau.

Claudio Sales, presidente do Instituto Acende Brasil, afirma que o governo vem se beneficiando com a privatização da Eletrobras à medida que o processo previu recursos bilionários para modicidade tarifária e fundos regionais.

Ele também apontou que o processo de capitalização ampliou a capacidade de investimentos da Eletrobras, que vinha perdendo competitividade ante outras companhias do setor elétrico, tendo inclusive seu valor de mercado chegado a representar apenas 18% de valor patrimonial entre 2012 e 2015.

"O governo é o maior acionista (da Eletrobras), ele devia... criar um ambiente para que não apenas a empresa, mas outras do setor pudessem valer mais, ao mesmo tempo em que fortalece a competição para que o consumidor possa ter energia ao menor custo possível."

O CEO da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, avaliou na semana passada que a desvalorização das ações da companhia neste ano reflete, em parte, a postura desfavorável do governo sobre a privatização.

"Sob o ponto de vista do desempenho, que é o que eu posso responder... Tem crescimento de receita e de Ebitda, teve redução de lucro quase que exclusivamente por compromissos da própria privatização ao governo, ou por eventos não correntes.. Então a perspectiva para a companhia, sob o ponto de vista operacional, é muito boa", disse, durante coletiva de imprensa.

Uma mudança do "status quo" da privatização, ainda que vista como remota, tem preocupado analistas, que alertam para riscos de que a insegurança jurídica afugente investimentos no país.

"A economia de nenhum país se beneficia de uma quebra de contrato. Que tipo de insegurança isso criaria para todos os outros investimentos", escreveu Antonio Junqueira, head de Research do Citi para a América Latina, em análise a clientes.

© Reuters. Logo da Eletrobras
9/04/2019
REUTERS/Brendan McDermid

Embora tenha aproximadamente 43% das ações ordinárias da Eletrobras, pelas regras da privatização a União ficou sujeita à proibição de que acionista ou grupo de acionistas exerçam votos em número superior a 10% --regra incluída para evitar movimentos de assunção do controle da empresa, que hoje tem capital pulverizado.

A remoção do limite de 10% dos votos, como quer o governo na ação no STF, daria à União maior poder para dar as cartas na Eletrobras, segundo analistas.

(Por Letícia Fucuchima e Rodrigo Viga Gaier; com reportagem adicional de Paula Arend Laier)

Últimos comentários

Urgente: Secretário de Haddad diz que governo não descarta a possibilidade de vender a totalidade das ações da Eletrobras e criar uma nova Empresa de Energia Elétrica
Agora façam o L e chorem com esse incompetente, vagabundo e etc. O PT está quarenta anos atrasado com propostas fora da realidade. Quebrará o Brasil
O Lula vai destruir o valor das ações para poder recomprar com 300 % de ágio e assumir a empresa novamente por 1/3 do valor de mercado .
Cabe na cabeça de algum investidor ter 40% das ações de uma empresa e só ter 10% de poder de decisão??? Agradeçam ao Paulo Guedes e Bolsonaro
Não tem direito pronto
MUUUUUUUUUUUUUUU
você é 💎💎💎💎💎
Destruição é que fez o Trio 3Gatunos Capital com a AMER3 e agora mandando na Eletrobrás.
eu fiz o L pra ver esse choro aqui mesmo AHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHA
E só colocar uma bomba embaixo do carro do 9 dedos e barato ...
O "Rei do Nilo" voltou em edição mais luxuosa com sua princesa e seus protegidos da corte. Para eles tudo, para os outros, quanto mais desgraça melhor. Continuam nadando de braçada lá no topo e ferrando os pobres aqui em baixo.
É a quadrilha, jogando contra o patrimônio.
qual quadrilha a que privatizou a eletrobras? o governo continua com 47% das ações e só tem 9% dis votos? você aceitaria se tivesse 47% e só 9 % dis votos?
 Se sou Governo, que usa as tetas para dar de mamar aos políticos, carrapatos, sanguessugas e outros incompetentes, sim. Minha esperança é a Janja, em um surto psicótico, derrube esse desgoverno e alegue que sonhou que estava dormindo com sapo barbudo.
eficiência, menos pendurado na teta, você deve ser funcionário público,
Ações dos "cupins" privados destroem a economia do pais. Com energia elétrica cara é impossível industrializar o pais.
Os super salários dos três poderes e carga tributária extorsiva que destrói a competitividade do Brasil.
Muda pra Venezuela gasolina a 0,01..
Os aloprados do PT e seu chefe da quadrilha.
O Ladr@o gafanh0to destruir alguma coisa? Tá de brincadeira. Ele é o maior fabricante de pic@nha vegana virtual que existe.
E os investidores da Elet Petistas, estão gostando?? Seguem fazendo o tal do L?? Eu acredito hein, segue firme, a tora só começou a entrar... Espero que vocês estejam festejando, pois, eu estou kkkkk
Uma empresa pública jamais produzirá como uma privada, fale o que quiser, aparelherar para dar cargos a politicos nós não precisamos.
O que um petista tem na cabeça? Pensamento atrasado mais de 40 anos. Ladrao seu lugar é na prisão!
 vai se informar sobre esse modelo e depois a gente discute
 para incentivar a pulverização das ações da companhia, com mecanismos para impedir que um único acionista, ou grupo de acionistas, exerça controle sobre a empresa. Isso aumenta a concorrência. Esse modelo é atualmente adotado no mundo todo
 para incentivar a pulverização das ações da companhia, com mecanismos para impedir que um único acionista, ou grupo de acionistas, exerça controle sobre a empresa. Isso aumenta a concorrência. Esse modelo é atualmente adotado no mundo todo
Aproveitando o gado. Descobriram mais uma roubalheira do Carluxo. O ex presidiário Valdemar Costa Neto já falou que o partido dos ladrões está de braços abertos para receber mais um ladrão! Até Lula já vai mudar para o PL!
Lula devia ser responsabilizado pelo estrago nas estatais..!
Ações da Google atacando o PL das Fake News destrói valores morais da nossa cidadania e sociedade.
Ue. Faz o L cambada de furingo. Kkkkk agora aguenta.
Tantos assuntos prioritarios pra serem discutidos e tratados e esse energumeno focado em quebra de contrato pra beneficiar seus aliados e destruir o patrimônio da empresa!
O gado voltou!!!!
O que o atual governo constrói? até agora só está destruindo o país e aumentando os gastos.
Se você não gastar, se paralisa, o país precisa de gastos para crescer, aqui não é a social-democrata Suécia.
O governo Lula está muito certo em seu empreendimento de retomar o controle da ex-estatal elétrica, os atuais controladores, inevitavelmente, verão numa situação semelhante à Light e outras elétricas privadas, só se sustentam se houver gorduchos lucros. Os resultados dos últimos balanços da Eletrobrás, é por si só, preocupante.
Como diram os oligofrênicos: “o amor venceu o ódio”. Faz o “L” de ladrão!!!
Ainda bem que ele saiu, mas será que devolveu todas as joias, ou há esquecidas?!?
A quadrilha nunca vai deixar de querer mamar na teta.Esse é o modo operante deles! Pra que vender e melhorar o serviço e baixar o custo…. PT corrupto
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.