Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Europa: bolsas avançam com apetite de risco após Biden; covid pode voltar à tona

Ações09.11.2020 08:10
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters. Europa: bolsas avançam com apetite de risco após Biden; covid pode voltar à tona

As bolsas europeias iniciam a semana no azul, apoiadas na onda de apetite de risco que veio a reboque da vitória do democrata Joe Biden nas eleições dos Estados Unidos. O movimento de alta predomina, mas os mercados monitoram o risco de judicialização à medida que Donald Trump ainda não se convenceu da perda. Dissipadas as incertezas eleitorais nos EUA, a preocupação com a segunda onda de covid-19 deve prevalecer no radar dos investidores enquanto o mundo ultrapassou a marca de 50 milhões de casos da doença.

Por volta das 7h38 (de Brasília), o STOXX 600, que representa 90% das ações europeias, tinha valorização de 1,46%, aos 371,76 pontos. Com isso, retoma o patamar de cerca de um mês atrás.

"A incerteza em torno da eleição se dissipou e os investidores recuperaram o apetite pelo risco (...). Para os mercados, a vitória de Biden nas eleições é favorável, especialmente se os republicanos conseguirem salvar a maioria no Senado", diz o analista de mercados da australiana Axi, Milan Cutkovic.

No centro das atenções, agora, está o risco de judicialização das eleições. Se Trump não desistir da ameaça - sua família pede que aceite a derrota -, será a segunda vez que o resultado das urnas nos EUA vai à Suprema Corte - antes, a disputa entre George W. Bush e Al Gore, em 2000, teve tal destino. Enquanto isso, Biden segue com a agenda de transição e quer nomear um comitê para gerir a covid-19 já nesta segunda-feira.

O democrata também promete retomar o Acordo de Paris no primeiro dia de seu mandato e busca um novo pacote fiscal, de cerca de US$ 2 trilhões, priorizando uma "retomada verde". Com o Congresso dividido, pesos pesados de Wall Street como o Goldman Sachs esperam apenas metade disso. "Qualquer coisa aqui vai depender da habilidade de Biden negociar com republicanos e democratas, aliado à percepção de que a economia dos EUA está em estado crítico", avalia o fundador da casa de análise Omninvest, Roberto Attuch, baseado na Itália.

Com as eleições dos EUA - quase - resolvidas, a preocupação com a segunda onda de covid-19 tende a deixar de ser um ator coadjuvante nos mercados. O mundo ultrapassou no domingo (8) a marca de 50 milhões de casos, de acordo a universidade americana Johns Hopkins. EUA e Brasil seguem na liderança de vítimas fatais. A despeito do temor com a segunda onda, a expectativa de atuação dos bancos centrais pode dar algum alívio. Na Europa, mais estímulos são esperados para dezembro.

Holofotes também se voltam ao Reino Unido, com a lei do mercado interno, a Internal Market Bill, em debate na Câmara dos Lordes, e possíveis impactos no acordo de retirada do Brexit, como é chamada a separação de britânicos e europeus. Aqui, também a vitória de Biden nos EUA pode influenciar. Isso porque o ministro britânico Boris Johnson era próximo de Trump e pode repensar a estratégia de Downing Street daqui em diante - o próprio acordo comercial com os EUA pode estar mais distante agora.

No câmbio, investidores monitoram os desdobramentos na Turquia e os reflexos das eleições nas principais divisas globais. No último sábado, o presidente turco, Recep Erdogan, decidiu demitir o governador do Banco Central local, Murat Uysal, enquanto no domingo, foi a vez de o ministro do Tesouro e das Finanças do país, Berat Albayrak, renunciar ao cargo por motivos de saúde. Apesar do apetite de risco, o dólar tem uma manhã de alta. O euro opera com leve queda, cotado a US$ 1,1872, de US$ 1,1886 na tarde de sexta-feira, e libra, também em baixa, a US$ 1,314, de 1,3164.

No cenário corporativo, destaque para os papéis da construtora britânica Taylor Wimpey, com alta de mais de 11%, após o Credit Suisse (SIX:CSGN) ter elevado a recomendação para o preço-alvo das ações.

De volta às praças do Velho Continente, o índice FTSE 100, de Londres, tinha alta de 1,33%, e o CAC 40, de Paris, subia 1,57%. Em Frankfurt, o DAX registrava elevação de 1,87%. Por lá, as exportações da Alemanha continuaram se recuperando em setembro, embora em ritmo mais lento. Dados publicados hoje pela Destatis mostram alta de 2,3% em setembro ante agosto, em termos ajustados. Já as importações recuaram 0,1%. No mesmo horário, o FTSE MIB, de Mlião, subia 2,16%, o IBEX 35, de Madri, avançava 1,93%, e o PSI 20, em Lisboa, registrava valorização de 1,83%.

Europa: bolsas avançam com apetite de risco após Biden; covid pode voltar à tona
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail