Libere dados premium: até 50% de desconto InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

Não estava confortável em largar o guidance, diz Galípolo sobre voto na última reunião do Copom

Publicado 27.05.2024, 19:57
© Ministério da Fazenda

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) -O diretor de Política Monetária do Banco Central, Gabriel Galípolo, afirmou nesta segunda-feira que não ficou confortável em abandonar o "guidance" do Copom que apontava para mais um corte de 0,50 ponto percentual na taxa Selic na reunião deste mês, mas reafirmou o compromisso com a meta de inflação, ressaltando que não há "tergiversação" em torno da obrigação da autoridade monetária de cumprir o objetivo.

"O BC vai conseguir dirimir e afastar dúvidas que eventualmente possam ter sido levantadas, dado que a gente vai estar sempre reforçando e reafirmando e demonstrando o compromisso que a gente tem com o que é nossa missão institucional, que é a perseguição da meta de inflação através da taxa de juros no patamar restritivo necessário pelo tempo que for necessário", disse Galípolo ao participar de um evento universitário.

O Comitê de Política Monetária do BC (Copom) reduziu neste mês o ritmo de afrouxamento monetário, cortando a Selic em 0,25 ponto percentual, a 10,50% ao ano, após seis reduções consecutivas de 0,50 ponto percentual. Galípolo e outros três diretores também nomeados no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva foram votos vencidos pelo corte de 0,50 p.p.

A decisão do colegiado significou o abandono da orientação futura dada na reunião anterior do Copom, que previa um corte de 0,50 ponto este mês.

Em evento promovido pela Liga de Mercado Financeiro da Universidade Federal de Itajubá (MG), Galípolo disse que reduzir a magnitude do corte na taxa básica implicaria justificar que tinha acontecido uma mudança substancial no cenário que justificava não cumprir o guidance, o que em sua opinião não era o caso.

"Obviamente a ideia de uma mudança substancial é subjetiva, para cada um dos membros", afirmou.

Ele ponderou que já vinha frisando a importância de ter serenidade nas reações à volatilidade do mercado e que não há relação mecânica entre os juros internacionais e a política monetária brasileira.

Em relação aos impactos do anúncio de mudança da meta fiscal do país, o diretor apontou que pesquisas já mostravam que o mercado previa essa alteração, o que amenizava o impacto da decisão.

Galípolo disse, ainda, que apesar de o Copom ver um mercado de trabalho dinâmico, não era possível extrair correlação clara com uma pressão de salários que estivesse gerando pressão inflacionária.

"Ao você ter evidências que se revelam muito mais do ponto de incerteza do que uma mudança em um ponto específico, que você consiga mensurar e apontar, poderia passar uma função de reação ao mercado que para mim não estava confortável, de largar o guidance como uma função de reação nesse sentido", disse Galípolo.

O diretor apontou, ainda, que a desancoragem das expectativas de inflação é o principal "desconforto" do Copom atualmente, e que o papel do colegiado não é explicar essa desancoragem, mas reagir a ela.

(Reportagem de Isabel VersianiEdição de Pedro Fonseca)

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.