🔮 Melhor do que Buffett? Nosso Preço-Justo achou essa joia com +42% 5 meses antes deleLibere o preço-justo

Ata da reunião de maio do Fed mostrará visão menos otimista dos membros

Publicado 20.05.2024, 13:09
© Reuters
BAC
-
MS
-
US10YT=X
-
DXY
-

Investing.com -- O tom mais duro provavelmente será a tônica da ata da reunião do Federal Reserve, prevista para a quarta-feira, 22, com destaque para o debate sobre o nível ideal das taxas de juros entre os membros do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), responsável pela política monetária americana.

"A ata da reunião de maio do Fomc deve soar mais ‘hawkish’ [dura] na margem do que a coletiva de imprensa do presidente Powell", afirmou o BofA (NYSE:BAC) em uma nota na sexta-feira, 17.

LEIA TAMBÉM: Bostic, do Fed, diz que "levará algum tempo" para termos confiança na inflação

Na reunião de maio do Comitê Federal de Mercado Aberto, os membros do Fed votaram para manter as taxas inalteradas, e Powell, na coletiva de imprensa que se seguiu à decisão, sugeriu que é improvável que o próximo passo seja um aumento das taxas.

"Acho pouco provável que a próxima mudança na taxa de juros seja um aumento. Eu diria que é improvável", disse Powell na coletiva de imprensa do Fomc em 1º de maio.

Entretanto, na esteira das preocupações de que a desinflação poderia estar estagnada, outros membros do comitê estavam "mais preocupados em saber se a política estava fazendo o suficiente", acrescentou o BofA. "Portanto, o tom da ata pode parecer um pouco mais hawkish".

Mas os dados recentes - incluindo os dados de inflação ao consumidor de abril, que mostram uma desaceleração mais rápida do que o esperado nas pressões sobre os preços, e as vendas no varejo de abril, que foram mais suaves do que o esperado - indicam que "a barra para aumentos é alta, embora os cortes ainda estejam longe".

CONFIRA: Barr, do Fed, diz que dados de inflação são "decepcionantes" e que política restritiva precisa de mais tempo

Cerca de 50% dos traders esperam que o Fed corte as taxas em setembro, de acordo com o Monitor de Juros do Fed, do Investing.com.

Embora os sinais de desaceleração da inflação tenham sido bem recebidos, a inflação dos serviços ainda está muito alta, mas isso não só aponta para sinais de demanda "robusta", diz o BofA, como também derruba algumas preocupações de que a estagflação possa estar ressurgindo.

"Rejeitamos essa narrativa da estagflação", acrescentou o BofA, e vemos sinais de que a inflação de serviços está sendo impulsionada por uma demanda robusta.

Nas semanas que se seguiram à reunião de 30 de abril e 1º de maio, os membros do Fed têm sido inflexíveis quanto ao fato de que as taxas terão de permanecer mais altas por mais tempo para garantir que a inflação esteja em um caminho sustentável para a desaceleração rumo à meta de 2%, enquanto outros não descartaram um possível aumento.

A dirigente do Fed, Bowman, disse na sexta-feira que estaria disposta a apoiar um aumento se a desinflação estagnasse ou se revertesse, acrescentando que estava monitorando os dados para avaliar se a política estava suficientemente restritiva.

"Embora a postura atual da política monetária pareça estar em um nível restritivo, continuo disposta a elevar a faixa da meta para a taxa dos fundos federais [juros] em uma reunião futura, caso os dados recebidos indiquem que o progresso da inflação estagnou ou se reverteu", disse Bowman.

Outros, no entanto, embora menos vocais em relação ao potencial de aumento, concordaram com a atual abordagem de esperar para ver do Fed para avaliar se a desaceleração da inflação no relatório de abril continuará nos próximos meses.

Embora reconheça que o Fed ainda não atingiu sua meta de reduzir a inflação para 2%, o presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, disse na quinta-feira que sua perspectiva atual é de uma queda contínua da inflação, o que tornaria apropriado cortar as taxas no final do ano, mas advertiu que nada está garantido.

"Precisamos monitorar mais os dados que estão chegando", disse Bostic na quinta-feira.

Acesse dados de nível institucional e use ferramentas de IA avançadas para selecionar as melhores ações. Insira o cupom OFERTAPRO para os planos de 1 ou 2 anos do Pro e Pro+ e ganhe um desconto adicional!

Mercado ainda subestima cortes de juros nos EUA este ano, diz Morgan Stanley (NYSE:MS)

Os economistas do Morgan Stanley analisaram os dados econômicos recentes e suas implicações para potenciais cortes nas taxas de juros do Federal Reserve.

Apesar de a precificação do mercado agora favorecer dois cortes nas taxas este ano, o Morgan Stanley comentou em uma nota aos clientes na sexta-feira que "o mercado ainda está subestimando o número de movimentos este ano". No entanto, o banco ressaltou que mais evidências seriam necessárias para que o Fed iniciasse a redução das taxas.

A mudança nas expectativas segue uma série de relatórios econômicos, incluindo os números de empregos de abril e os dados de vendas no varejo, que indicaram uma transição das surpresas positivas anteriores para surpresas negativas.

Os dados do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de abril não ficaram significativamente abaixo das expectativas, mas se alinharam a elas, proporcionando alívio aos mercados financeiros.

O Morgan havia previsto essa mudança de tendência, esperando a retomada da desinflação, mas projetando que o Fed manteria as taxas até setembro devido à volatilidade dos dados.

Os números da inflação parecem estar em uma trajetória descendente com base nos dados de abril. O núcleo da inflação das Despesas de Consumo Pessoal (PCE), que havia subido para uma taxa anualizada de 4,4% em março, de 1,6% em dezembro de 2023, deve desacelerar, com o núcleo da PCE de abril registrando 0,26% em relação ao mês anterior, comparado a 0,32% em março.

O banco prevê que o ritmo anualizado de três meses cairá para 2,7% até junho.

Embora um corte nas taxas em julho possa ser prematuro, três cortes ao longo do ano poderiam ser apropriados, concluíram os economistas.

***

Quer alavancar suas estratégias com ações em qualquer cenário de juros nos EUA?

Então venha para o InvestingPro! Ao se tornar membro do InvestingPro, você tem acesso a recursos como:

  • ProPicks: Portfólios de ações gerenciados por IA, com resultados comprovados.

  • ProTips: Dicas rápidas e diretas para descomplicar informações financeiras complexas.

  • Filtro avançado de ações: Encontre as ações que melhor atendem às suas expectativas com base em centenas de métricas financeiras.

  • Navegação turbo: as páginas do Investing.com carregam muito mais rápido, sem qualquer anúncio.

  • Dados financeiros de nível institucional para milhares de ações: Ideal para investidores que desejam fazer suas próprias avaliações em detalhe.

  • Além de muitos outros serviços que serão incorporados em breve!

Aproveite tudo isso com um desconto a mais nos planos de 1 ou 2 anos do Pro e Pro+. Insira o código OFERTAPRO e aproveite!

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.