Garanta 40% de desconto
⚠ Alerta de Balanço! Quais ações estão prontas para disparar?
Veja as ações no nosso radar ProPicks. Essas estratégias subiram 19,7% desde o início do ano.
Não perca a lista completa

Inflação sobe 0,3% em janeiro e pode retardar corte de juros nos EUA

Publicado 14.02.2024, 11:14
Atualizado 14.02.2024, 11:14
© Reuters.  Inflação sobe 0,3% em janeiro e pode retardar corte de juros nos EUA

Dados de inflação mais altos em janeiro, associados a um mercado de trabalho ainda bastante aquecido, empurraram as expectativas do mercado para o início do corte de juros nos Estados Unidos de maio para junho.

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos EUA avançou 0,3% em janeiro ante dezembro, informou ontem o Departamento do Trabalho. O desempenho superou a mediana das estimativas de analistas consultados pelo Projeções Broadcast, de alta de 0,2%.

Na comparação anual, o CPI subiu 3,1% em janeiro, desacelerando frente à alta de 3,3% de dezembro, mas ainda acima das expectativas, de 2,9%. Já o chamado núcleo do indicador - que exclui itens voláteis como alimentos e energia - subiu 0,4% em janeiro e 3,9%, no ano.

A surpresa com a inflação americana em janeiro esvaziou o apetite a risco nas Bolsas de Nova York, que fecharam o dia com quedas expressivas. O índice Dow Jones recuou 1,35%, enquanto o S&P 500 teve baixa de 1,37%. Já a Nasdaq, que reúne as empresas de tecnologia, desabou 1,8%. Por conta do carnaval, a Bolsa brasileira não funcionou ontem.

As chances de manutenção das taxas na próxima reunião do Fed, marcada para março, foram reforçadas e passaram a ser majoritárias também para o encontro de maio, mostra levantamento da plataforma CME Group. Assim, o mercado passou a apostar no primeiro corte nas taxas apenas em junho - probabilidade que chegou a 54,4% após o CPI de janeiro. "A aceleração [DA INFLAÇÃO](da inflação) será um fator que atrasará a decisão do Fed de começar a cortar as taxas para junho deste ano", diz o Morgan Stanley (NYSE:MS), em relatório a clientes.

De acordo com o estrategista-chefe da corretora Avenue, William Castro Alves, o índice de moradia continuou sendo o principal vilão em janeiro, subindo 0,6% e contribuindo com mais de dois terços da alta no mês. Alimentação também teve sua influência, enquanto energia atuou na contramão.

Para a consultoria britânica Capital Economics, o desempenho do núcleo do CPI serve de combustível para a narrativa de que "a última milha é a mais difícil" no combate à inflação. "Os dados do CPI são um lembrete de que o caminho de regresso a uma inflação de 2% ao ano - meta do Fed - provavelmente terá alguns buracos", reforçou o Wells Fargo (NYSE:WFC). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Últimos comentários

A inflação verdadeira é muito maior que a inflação oficial!!
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.