⌛ Perdeu a alta de 13% da ProPicks em maio? Assine agora e receba mais cedo as ações de Junho.Desbloquear ações

Ao atacar Israel, Hamas também visou realinhamento da segurança no Oriente Médio

Publicado 08.10.2023, 13:43
Atualizado 08.10.2023, 13:45
© Reuters. REUTERS/Ahmed Saad
TASI
-
ARQ
-
ADIB
-
ADRI
-
2222
-

Por Samia Nakhoul e Nidal al-Mughrabi e Matt Spetalnick e Laila Bassam

DUBAI/GAZA/WASHINGTON (Reuters) - Quando o grupo islâmico Hamas atacou Israel no sábado, ele também mirou contra os esforços para novos alinhamentos de segurança regional, que poderiam ameaçar as aspirações palestinas de um Estado e as ambições do principal apoiador do grupo, o Irã.

O ataque de sábado, a maior incursão contra Israel em décadas, coincide com medidas apoiadas pelos Estados Unidos para pressionar a Arábia Saudita nas discussões de paz com Israel, em troca de um acordo de defesa entre Washington e Riad, uma medida que frearia a recente reaproximação do reino com Teerã.

Autoridades palestinas e uma fonte local afirmaram que os homens armados que invadiram cidades israelenses, matando mais de 250 israelenses e fazendo reféns, também transmitiram a mensagem de que os palestinos não poderiam ser ignorados caso o desejo de Israel seja a segurança e que qualquer acordo saudita prejudicará a redução da tensão com o Irã. Mais de 250 habitantes de Gaza foram mortos na resposta de Israel.

“Todos os acordos de paz que vocês (os Estados árabes) assinaram (com Israel) não acabarão com este conflito”, disse Ismail Haniyeh, líder do Hamas que governa Gaza, à televisão Al Jazeera.

Uma fonte local, familiarizada com o pensamento do Irã e do grupo libanês Hezbollah, apoiado pelo Irã, acrescentou: “Esta é uma mensagem para a Arábia Saudita e para os norte-americanos, que apoiam a paz e Israel. Não haverá segurança em toda a região enquanto os palestinos forem deixados de fora da equação."

“O que aconteceu está além de qualquer expectativa”, disse a fonte. "Foi um ponto de virada no conflito."

O ataque do Hamas lançado a partir de Gaza segue uma onda crescente de violência que já dura meses na Cisjordânia cada vez mais ocupada por Israel, com intensos ataques de Israel e colonos judeus a palestinos e suas aldeias. As condições para os palestinos só pioraram sob o governo de extrema direita do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu. A pacificação está paralisada há anos. 

Entretanto, tanto a Arábia Saudita quanto Israel sinalizaram a aproximação para um acordo de paz. Porém, segundo fontes revelaram anteriormente à Reuters, a determinação do reino em garantir um pacto de defesa com os EUA significaria a não sustentação de um acordo para obter concessões substanciais para os palestinos.

Laura Blumenfeld, analista do Médio Oriente na Escola Johns Hopkins de Estudos Internacionais Avançados, em Washington, disse que o ataque do Hamas pode ter ocorrido devido à sensação de irrelevância, à medida que os esforços avançavam no sentido de relações árabes-israelenses mais amplas.

“Enquanto o Hamas observava os israelenses e os sauditas se aproximarem de um acordo, eles decidiram: Não temos lugar à mesa? Então vamos envenenar a refeição”, disse ela.

 

SINCRONIZAÇÃO DO ATAQUE

Osama Hamdan, líder do Hamas no Líbano, disse à Reuters que a operação de sábado deveria fazer os Estados árabes perceberem que aceitar as exigências de segurança israelenses não traria a paz.

“Para aqueles que querem estabilidade e paz na região, o ponto de partida deve ser acabar com a ocupação israelense”, disse ele. "Alguns (Estados árabes) infelizmente começaram a imaginar que Israel poderia ser a porta de entrada para a América (EUA) defender a sua segurança."

Netanyahu prometeu “poderosa vingança pelo dia negro” após o ataque de sábado, que ocorreu após quase 50 anos do início da Guerra do Yom Kippur, em 1973, quando Israel foi atacada por forças egípcias e sírias e lutou pela sua sobrevivência.

Sobre o ataque de sábado, Ali Baraka, oficial do Hamas, fez uma relação com a guerra de 1973: "Era necessário que a liderança da resistência tomasse uma decisão no momento apropriado, quando o inimigo estivesse distraído com as suas festas."

De acordo com ele, os ataques aéreos, terrestres e marítimos foram "um choque para o inimigo e provou que a inteligência militar israelense não conseguiu descobrir esta operação".

"Embora não seja provavelmente o principal motor dos ataques, as ações do Hamas enviam um claro lembrete aos sauditas de que a questão palestina não deve ser tratada como apenas mais um subtópico nas negociações de paz", escreveu Richard LeBaron, ex-diplomata dos EUA para o Oriente Médio e que agora integra um grupo de reflexão do Conselho do Atlântico.

 

ALCANCE DO IRÃ

Um funcionário de alto escalão do presidente dos EUA, Joe Biden, informou à imprensa que era “realmente prematuro especular” sobre o efeito que o conflito Israel-Hamas poderia ter nos esforços para a normalização saudita-israelense.

"Eu diria que, para certos grupos terroristas como o Hamas, ele não irá inviabilizar tal resultado. Mas esse processo ainda tem um longo caminho a percorrer", acrescentou a fonte.

Netanyahu já havia dito que os palestinos não deveriam poder vetar quaisquer novos acordos de paz israelenses com Estados árabes.

Na sua resposta aos ataques de sábado, a Arábia Saudita apelou à “cessação imediata da violência” entre ambos os lados.

O Irã, entretanto, não escondeu o seu apoio ao Hamas. Teerã classificou o ataque de sábado como um ato de autodefesa dos palestinos.

Yahya Rahim Safavi, conselheiro do líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, disse que Teerã apoiará os combatentes palestinos “até a libertação da Palestina e de Jerusalém”.

Uma autoridade palestina, próxima de grupos extremistas islâmicos, disse depois que o ataque do Hamas começou com milhares de misseis disparados de Gaza “o Irã tem mãos, e não apenas uma, em cada míssil que é disparado contra Israel”.

"Isso não significa que eles ordenaram o ataque (de sábado), mas não é segredo que é graças ao Irã, (que) o Hamas e a Jihad Islâmica conseguiram atualizar seu arsenal", disse o funcionário, falando sob condição do anonimato.

© Reuters. REUTERS/Ahmed Saad

O apoio do Irã aos grupos palestinos faz parte de uma rede mais ampla de milícias e grupos armados que suporta em todo o Médio Oriente, dando a Teerã uma presença poderosa no Líbano, na Síria, no Iraque e no Iémen, bem como em Gaza.

Analistas disseram que o Irã já parecia ter enviado um sinal na semana passada de que um acordo saudita afetaria a distensão de Riad com Teerã, quando o grupo Houthi, do Iêmen, apoiado pelo Irã, matou quatro soldados do Bahrein em um ataque transfronteiriço perto da fronteira entre a Arábia Saudita e o Iêmen. Esse ataque colocou em risco as conversações de paz para pôr fim ao conflito de oito anos no Iémen.

Dennis Ross, um ex-negociador para o Oriente Médio que agora trabalha no Instituto de Política para o Oriente Próximo, em Washington, acrescentou: “Tudo isto tem a ver com impedir o avanço EUA-Saudita-Israel.”

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.