🔮 Melhor do que Buffett? Nosso Preço-Justo achou essa joia com +42% 5 meses antes deleLibere o preço-justo

Setor do cimento espera alta nas vendas em 2024 após 2ª queda consecutiva em 2023

Publicado 09.01.2024, 17:52
Atualizado 09.01.2024, 17:55
© Reuters. Prédio em construção
19/07/2023
REUTERS/Kai Pfaffenbach

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO, 9 Jan (Reuters) - A indústria do cimento no Brasil estimou nesta terça-feira crescimento de cerca de 2% nas vendas do insumo neste ano, uma recuperação da queda de 1,7% sofrida no ano passado que contribuiu para um aumento do nível de ociosidade do setor.

A previsão decorre da expectativa de andamento mais firme do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, reformulado ano passado após anos de paralisação; aceleração de obras vinculadas a grandes leilões de saneamento realizados desde 2021; e a retomada de obras de infraestrutura, segundo avaliação do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (Snic).

Os cerca de 2% de crescimento de vendas estimados para este ano representam apenas 1,1 milhão de toneladas adicionais sobre o volume vendido em 2023, mas podem marcar uma interrupção na tendência de baixa do setor após duas quedas seguidas, disse o presidente do Snic, Paulo Camillo Penna.

"Imaginamos que entramos neste ano em um ciclo de crescimento, com reorganização dos programas de habitação, de saneamento e PAC", disse o executivo. "O ambiente está mais positivo", acrescentou, citando ainda a queda nos juros.

Apesar disso, o endividamento elevado das famílias, que prejudica o consumo de cimento voltado a reformas e pequenas obras, seguirá pressionando para baixo a demanda pelo insumo, avaliou o executivo. Chamado de "autoconstrução", o segmento representa cerca de 30% a 40% do consumo de cimento no Brasil.

Segundo Penna, o setor encerrou 2023 com uma capacidade ociosa de 34,1%, ante 32,9% em 2022. As vendas do ano passado somaram 62 milhões de toneladas, com dezembro ficando praticamente estável ante o desempenho de um ano antes.

"Perdemos mais de 3 milhões de toneladas em vendas nos últimos dois anos", disse o presidente do Snic, citando que o volume vendido em 2023 marca um retorno ao desempenho de 2011.

CARBONO

O setor tem investido em redução de emissões de carbono, principalmente por meio de coprocessamento de resíduos nos fornos de produção de cimento, e aguarda com ansiedade a regulamentação do mercado de carbono. A previsão de investimento na área é de 3,5 bilhões de reais até 2030.

A Câmara dos Deputados aprovou no final de dezembro o projeto de lei que regulamenta o mercado de carbono no Brasil, instituindo um sistema de comércio de emissões de gases do efeito estufa com base em limites de emissão a empresas do chamado mercado regulado. O projeto aguarda apreciação do Senado.

O coprocessamento, atividade responsável pela transição energética substituindo o combustível fóssil por resíduo industrial, comercial, doméstico e biomassas, alcançou 30% de participação na matriz energética do setor, antecipando a meta do setor prevista para 2025.

Penna comentou que a média mundial de emissões da indústria cimenteira é de 610 quilos de CO2 por tonelada produzida de cimento, enquanto no Brasil ela é de 560 quilos. A expectativa do setor, disse o presidente do Snic, é finalizar em novembro deste ano um plano de neutralização de emissões até 2050.

DEZEMBRO

© Reuters. Prédio em construção
19/07/2023
REUTERS/Kai Pfaffenbach

A indústria de cimento no Brasil teve vendas de 4,5 milhões de toneladas do produto no mês passado, oscilação positiva de 0,3% sobre o mesmo mês de 2022. Por dia útil, a venda cresceu 7,5% no período.

No acumulado do ano todas as regiões do país, com exceção do Nordeste, tiveram queda de vendas, em um desempenho influenciado ainda pelas mudanças climáticas que causaram fortes chuvas no Sul e Sudeste, enquanto no Norte houve seca dos rios que prejudicou a distribuição.

"Esperamos um primeiro semestre mais seco este ano", disse Penna.

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.