Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Após quinta semana de ganhos, petróleo enfrenta resistência para chegar a U$90

Commodities23.01.2022 15:02
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters

Por Barani Krishnan

Investing.com--- No fim de semana passada, escrevi sobre o quanto a exuberância irracional indevida escalona os valores dos ativos, seguindo a cartilha do discurso dos anos 1990 da lenda do Federal Reserve, Alan Greenspan, para iluminar o mercado do petróleo, que acumulou ganhos de dois dígitos nas primeiras duas semanas do ano com base mais em entusiasmo que em fatos.

Desde então, as ações dos EUA despencaram a uma taxa que poderia fazer de janeiro o pior mês desde outubro de 2008, o auge da crise financeira. Os preços do petróleo inicialmente caíram 5% na sexta-feira em simpatia com Wall Street, mas se recuperaram para fechar o dia com queda de apenas 1%, registrando a quinta semana consecutiva de alta. Além de Greenspan, esta semana me recordou da sabedoria de John Maynard Keynes, que disse: "Os mercados podem se manter irracionais por mais tempo do que você consegue se manter solvente". Teremos que ver apenas quanto tempo dura a irracionalidade em relação ao petróleo.

Esta semana, vamos analisar as movimentações do ouro, que parecem um pouco racionais demais para o gosto dos longs no metal precioso. Para mim, isso é bom porque os ganhos construídos ao longo do tempo provavelmente são mais do que picos relâmpagos alcançados no auge da exuberância do mercado.

No que alguns já chamam de "o Ano da Grande Inflação", o ouro pode ser justamente o ativo para proteger os investidores das pressões dos maiores aumentos de preços em quatro décadas, além de conferir um pouco mais de brilho às carteiras de investimento.

Mas não espere que as suas movimentações sejam proporcionais à inflação.

Na verdade, o ouro em 2022 provavelmente registrará ganhos dando dois passos para a frente e um para trás, de forma bem parecida com o seu comportamento desde o início de janeiro.

Numa analogia com o cinema, pense mais em um clipe de câmera lenta em vez de um trailer de ação. Isso irá caraterizar os movimentos do ouro atualmente, em comparação com os anos recentes.

Qualquer um que compre o metal dourado como proteção contra a inflação e espera uma sequência do ritmo que o levou a alcançar máximas históricas dois anos atrás pode se decepcionar, para dizer o mínimo.

Desde o início de janeiro, o ouro ganhou apenas 13 dólares, ou 0,6%, em função da inflação.

Os movimentos do ouro em 2022 parecem quase banais quando comparados com o ritmo relâmpago com que ele caiu diversas vezes no ano passado, fechando com baixa de 3,6% em seu primeiro recuo anual em três anos, sua queda mais intensa desde 2015.

A diferença é ainda mais dramática quando comparada com 2020. Este foi o ano de maior glória do ouro numa década, quando passou de uma mínima em março de US$ 1.485 por onça para uma máxima de pouco mais de US$ 2.121 em agosto. Obviamente, ele devolveu parte desses ganhos mais tarde, com quedas impressionantes ao longo de três meses antes de outro empurrão de ganhos em dezembro.

O progresso do ouro pode parecer "pouco empolgante" agora, mas ele se destaca por uma coisa: a capacidade de se manter no terreno dos US$ 1.800, apesar da pressão das máximas de dois anos nos rendimentos do Tesouro dos EUA e o rali que às vezes veio acompanhando o dólar - ambos atuam como "gêmeos malvados" para o ouro.

O metal precioso tem exibido resiliência, apesar das expectativas de que o Federal Reserve dos EUA deva embarcar em uma série de aumentos de taxas de juros este ano, a fim de combater a inflação em seus maiores níveis em 40 anos, que cresceu 7% no ano até dezembro, de acordo com o índice de preços ao consumidor. Os aumentos dos juros geralmente são benéficos para o dólar e negativos para o ouro.

O ouro também atravessou a todo vapor a resistência crítica de US$ 1.830 esta semana, atingindo o nível mais alto em dois meses, acima dos US$ 1.848.

Nas seis semanas anteriores, desde o início de novembro, o nível de US$ 1.830 era quase uma fortaleza inexpugnável para touros de ouro.

Agora, parece haver apenas mais três pontos de resistência que os longs do ouro devem superar na sua busca do próximo patamar crítico de US$ 1.900 - um nível no qual o ouro não toca desde maio. Esses pontos de resistência são US$ 1.860, US$ 1.880 e US$ 1.899.

Será que ele atingirá esses pontos com mais rapidez ou continuará engatinhando em direção a eles?

Veremos.

Preço do ouro e perspectivas técnicas

O contrato mais ativo do futuro do ouro na Comex de Nova York, para fevereiro, fechou a sexta-feira em queda de US$ 10,80, ou 0,6%, aos US$ 1.831,80.

Na semana, ele teve um aumento de 0,8%.

O ouro também atingiu o maior nível em 2 meses, a US$ 1.848,50, na quinta-feira.

Sunil Kumar Dixit, estrategista técnico chefe do SKCharting.com, disse que o price action ao longo da semana mostrou uma forte dinâmica para que o ouro ultrapassasse o muro dos US$ 1.830 - US$ 1.835 para testar o nível de US$ 1.848, apoiado por sinais estocásticos bullish nos gráficos diário, semanal e mensal.

O índice de força relativa do ouro também estava posicionado do lado mais forte, disse ele.

Pelo lado negativo, a recuperação do dólar na sexta-feira limitou a ascensão do ouro, empurrando-o para um fechamento na semana de US$ 1.834 (queda de US$ 14 a partir de uma máxima de US$ 1.848), porém US$ 29 acima do mínimo na semana, de US$ 1.805.

"Na semana à frente, podemos esperar uma distribuição lateralizada da dinâmica com uma consolidação bearish, já que é possível ver um topo de reversão de queda no gráfico diário. Isso não vai mudar a tendência principal, mas pode iniciar uma correção a curto prazo para o nível de Fibonacci de 38,2%, de US$ 1.825, e a faixa intermediária diária da Banda de Bollinger, de US$ 1.816".

Acima de tudo, disse Dixit, um fechamento semanal acima dos US$ 1.825 é fundamental para que o ouro mantenha a tendência ascendente, pois o fracasso irá estender a correção para o nível de Fibonacci de 50%, no valor de US$ 1.797.

Atividade do mercado do petróleo

Os preços do petróleo conquistaram a quinta semana consecutiva de ganhos após uma queda inicial que foi aliviada antes do fechamento, com os longs comprando a baixa.

O recuo no início do dia foi desencadeado por receios quanto aos estoques de gasolina dos EUA acumulados ao longo das últimas três semanas e pela pior semana de Wall Street desde a pandemia do coronavírus. Para alguns, foi um sinal de que preços mais próximos a US$ 90 por barril podem, em última análise, criar obstáculos para o petróleo, embora a maioria dos longs do petróleo pareçam determinados a avançar com o rali.

O petróleo já está enfrentando resistências em seu caminho para os US$ 90, perdendo fôlego, como destacou Craig Elam, analista da plataforma de negociação online OANDA. "É uma grande barreira psicológica, já que uma vez que ela foz superada, as pessoas estarão apenas contando os dias até o barril de três dígitos", afirmou, referindo-se a previsões de US$ 100 por barril. "É muito importante".

Os estoques de gasolina dos EUA subiram quase 6 milhões de barris na semana passada e registraram crescimento de 24 milhões de barris em um período de três semanas, em meio a uma demanda sazonal fraca que contrasta com o rali nos preços globais do petróleo, como demonstraram os dados da Energy Information Administration na quinta-feira.

Os dados sugerem que a procura por gasolina, o principal produto combustível dos EUA, desmoronou desde o fim das viagens de fim de ano no final de 2021.

Os refinadores norte-americanos também parecem estar processando um excesso de petróleo em gasolina, enquanto a variante ômicron do coronavírus reduzia algumas das atividades regulares de direção, deslocamento ao trabalho e outras que demandavam combustíveis.

O próprio petróleo bruto dos EUA viu o primeiro aumento de estoques em oito semanas, subindo 515.000 barris na semana passada, após um recuo de 4,55 milhões na semana anterior. As reservas brutas apresentam queda de cerca de 6 milhões de barris nas últimas três semanas, o que explica apenas parcialmente o balanço atual da gasolina no mercado.

Os estoques americanos de destilados de petróleo, que são refinados em diesel para caminhões, ônibus, trens e navios, bem como combustível para jatos, caiu 1,431 milhão de barris na semana passada, após um aumento de 2,54 milhões na semana anterior.

Wall Street sofreu seu pior golpe esta semana desde o surto de Covid em março de 2020, quando os investidores tentaram reduzir o valor de ações de todos os setores, inflacionados durante os dois anos de pandemia. O selloff também foi desencadeado por receios do iminente primeiro aumento dos juros da era pandêmica por parte do Federal Reserve, que luta contra uma inflação nos maiores níveis em 40 anos.

Preço do petróleo e perspectivas técnicas

O petróleo WTI, negociado em Nova York e referência de preço nos EUA, fechou em queda de US$ 0,41, ou 0,5%, a US$ 85,14 por barril. No início do pregão de sexta-feira, o WTI caiu mais de US$ 4, ou 5%. Na quarta-feita, o WTI atingiu a maior cotação em sete anos, a US$ 87,91. Ele apresenta alta de mais de 1% na semana, acumulando ganhos de cerca de 20% nas últimas cinco semanas.

O Brent, cotado em Londres e referência mundial de preço, fechou em baixa de US$ 0,49, ou 0,6%, a US$ 87,89. O Brent manteve uma alta de 2% na semana, e registra ganhos também em torno de 20% nas últimas cinco semanas, após bater a máxima em sete anos de US$ 89,48 na quinta-feira.

Dixit, da SK Charting, destacou que o WTI quebrou a máxima plurianual de US$ 85,40 e testou os US$ 87, um pico não visto desde novembro de 2014, antes da realização de lucros dos investidores trazê-lo para um fechamento semanal de US$ 85,14.

"Entrando na próxima semana, podemos ver certa desaceleração na dinâmica aquecida e uma correção de preços em direção aos US$ 82, sendo que a correção estendida pode atingir as zonas de suporte horizontais de US$ 80 e US$ 78, e a faixa intermediária semanal da Banda de Bollinger de US$ 76,50", afirmou Dixit.

Caso contrário, a força e a consolidação continuadas acima dos US$ 85,50 poderão levar o WTI a testar novamente os US$ 87, estendendo os ganhos até os US$ 89 e à tão esperada resistência psicológica dos US$ 90, afirmou.

Isenção de responsabilidade: Barani Krishnan não possui posição nas commodities e valores mobiliários sobre as quais escreve.

 

Após quinta semana de ganhos, petróleo enfrenta resistência para chegar a U$90
 

Artigos Relacionados

Os Futuros de Ouro subiram durante a sessão asiática
Os Futuros de Ouro subiram durante a sessão asiática Por Investing.com - 27.05.2022

Investing.com - Os Futuros de Ouro subiram durante a sessão asiática na sexta-feira.Na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York, Os Futuros de Ouro em Junho foram negociados...

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail