Garanta 40% de desconto
🚀 6 ações que subiram +25% no 1º tri selecionadas pela nossa IA. Quais ações vão subir no 2º tri?Não perca a lista completa

Governo discute reajuste de até 23% para funcionários públicos

Publicado 28.02.2024, 07:50
Atualizado 28.02.2024, 07:50
Governo discute reajuste de até 23% para funcionários públicos

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos já fechou 9 acordos de reajuste salarial para funcionários públicos. Desde o início do ano passado, o governo vem debatendo o tema por meio da Mesa Permanente de Negociação.

A 1ª reunião de 2024 sobre o tema será realizada nesta 4ª feira (28.fev.2024). No encontro, a contraproposta de reajuste salarial apresentada pelos representantes dos trabalhadores deve ser discutida.

O Fonacate (Fórum Nacional Permanente das Carreiras Típicas de Estado), as centrais sindicais e o Fonasefe (Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais) enviaram uma contraproposta única ao ministério, composta por 2 blocos:

  • reajuste de 34,32%: dividido em 3 parcelas iguais de 10,34%, em 2024, 2025 e 2026, para os funcionários públicos federais que, em 2015, firmaram acordos por 2016 e 2017; e
  • reajuste de 22,71%: dividido em 3 parcelas iguais de 7,06%, em 2024, 2025 e 2026, para os funcionários públicos que, em 2015, fecharam acordos salariais por 4 anos (2016 a 2019).

A proposta do governo estabelece um reajuste de 9%, dividido em duas parcelas de 4,5% em 2025 e 2026. Isso significa que no acumulado, quando considerados os 9% já concedidos em 2023, haverá um total acumulado de reajuste de 19,03%, acima da inflação de 16,5% prevista para o período (2023-2026), segundo a ministra da Gestão, Esther Dweck.

Em relação ao reajuste de salário dos funcionários do Banco Central, o governo federal propôs um aumento de até 23%, dividido em duas parcelas nos anos de 2025 e 2026. A categoria quer reajuste de 36% e uma reestruturação da carreira. A proposta inicial previa um reajuste de 13%, mas o governo aumentou o percentual depois dos representantes da categoria sinalizarem greve.

O governo também propôs um aumento dos auxílios (creche, saúde e alimentação) aos funcionários públicos. Segundo Dweck, ampliar o valor dos benefícios é uma forma que o ministério encontrou de beneficiar a todos de forma equânime.

O Orçamento estabelecia R$ 1,5 bilhão inicialmente para reajuste do salário dos funcionários públicos. O montante foi turbinado, passando para R$ 2,7 bilhões no final de 2023.

O debate sobre reajuste salarial para 2024 começou no 2º semestre do ano passado. Como parte desse processo, já foram abertas 22 mesas específicas e temporárias para tratar de algumas carreiras. Nas reuniões, representantes do ministério e dos funcionários públicos negociam pautas específicas e que possuam impacto orçamentário.

O debate é feito em um momento em o governo está apertando os gastos em busca da meta de déficit fiscal zero. O objetivo foi estabelecido na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) e contempla a nova regra fiscal.

Para equilibrar as contas públicas, o governo precisará obter R$ 168,5 bilhões em receitas extras. Os valores estão estimados no Orçamento. A expectativa de analistas de mercado, porém, é que o governo decida alterar a meta para evitar cortes de gastos.

Procurado pelo Poder360, o ministério não informou o tamanho do impacto que os reajustes devem provocar no Orçamento de 2025 e 2026. Em nota, o ministério disse que o cálculo do valor reservado no Orçamento é realizado em conjunto com os demais órgãos econômicos para realizar ajustes na execução orçamentária caso sobrevenham necessidades não previstas inicialmente ou caso haja mudança nas prioridades estabelecidas no ano anterior.

À jornalistas, a ministra Esther Dweck disse, em 23 de fevereiro, que o impacto orçamentário do reajuste está previsto nas estimativas de Orçamento para 2025 e 2026. Os valores não foram divulgados. “Ainda não foi aceita a proposta. Quando a gente tiver essa proposta, nós vamos passar essas informações para toda a imprensa”, disse. A declaração foi dada durante apresentação dos dados sobre o Concurso Público Nacional Unificado.

9 acordos

O Ministério da Gestão já fechou 9 acordos de reajuste salarial para funcionários públicos. Nem todos os percentuais de reajustes foram divulgados.

O 1º acordo fechado foi o reajuste linear de 9% para todos os funcionários públicos, inclusive para os da área do meio ambiente, além do aumento de 43,6% no auxílio alimentação.

Leia as carreiras que chegaram a um acordo até o momento:

  • auditor fiscal: a tratativa definiu o pagamento de um bônus progressivo a partir de 2024: começa com R$ 4.500 adicionais por mês e chega a R$ 11.500 em 2026. O valor máximo só será concedido se os critérios de produtividade previamente definidos forem alcançados;
  • carreiras da Funai (Fundação Nacional dos Povos Indígenas): a negociação estabeleceu a criação do Plano Especial de Cargos da Funai e da carreira indigenista. A estrutura remuneratória da Funai também foi reformulada por meio de uma nova tabela salarial, tomando como referência as carreiras do meio ambiente, o que implica uma atualização progressiva anual, a partir de janeiro de 2024, concluindo-se em janeiro de 2026. Ao final do período, os cargos de nível superior terão reajuste de até 64%. Já os cargos de nível intermediário e auxiliar, receberão cerca de 10%;
  • analistas técnicos de políticas sociais: reestruturação da remuneração desses cargos se dará em 3 parcelas: em janeiro de 2024, janeiro de 2025 e janeiro de 2026. A partir de janeiro de 2025, a carreira terá sua estrutura remuneratória transformada em subsídio;
  • ANM (Agência Nacional de Mineração): estabeleceu-se que a remuneração será equiparada a de funcionários das demais agências reguladoras, e se dá em 3 parcelas: janeiro de 2024, janeiro de 2025 e em janeiro de 2026. Além disso, as carreiras da ANM terão suas estruturas remuneratórias transformadas em subsídio na última parcela, a ser concedida em 2026. Já o Plano Especial de Cargos da agência permanecerá com a atual composição da estrutura remuneratória;
  • analistas de tecnologia de informação: reestruturação da remuneração desses cargos se dará em 3 parcelas: em janeiro de 2024, janeiro de 2025 e janeiro de 2026. A partir de janeiro de 2025, a carreira terá sua estrutura remuneratória transformada em subsídio;
  • Polícia Federal: o acordo estabeleceu reestruturações remuneratórias para as carreiras de Segurança Pública em agosto de 2024, maio de 2025 e em maio de 2026. Foram contempladas as seguintes carreiras: delegado da Polícia Federal e de perito criminal federal; de agente, escrivão e papiloscopista da Polícia Federal;
  • Polícia Rodoviária Federal: o acordo estabeleceu reestruturações remuneratórias para policiais rodoviários federais em agosto de 2024, maio de 2025 e em maio de 2026;
  • Polícia Penal Federal: a reestruturação da remuneração dos policiais penais federais se dará em 3 parcelas: em janeiro de 2024, janeiro de 2025 e janeiro de 2026. A partir de janeiro de 2025, a carreira terá sua estrutura remuneratória transformada em subsídio.

Leia mais em Poder360

Últimos comentários

não cagar dinheiro?
Saudades do aumento de 300% do Zema... Saudades do aumento de 50% do Tarcisio... Saudades do ladrão aumentando o proprio salario e de todos os parasitas amigos milicos em plena pandemia... Bons tempos do ladrão golpista.
A inflação vai acertar esses ajustes ! Cuidado com a renda fixa pre fixada de longo prazo !!
Acaba não mundão ...
É a inflação verdadeira do período!!
discutem e lá se vão 1 ano e meio e nada. Uma coisa não tem nada a ver com outra.
fazueli cambada... uma coisa não tem nada a ver com a outra...
E o controle dos gastos públicos como fica ? O setor público necessita de reajuste, no entanto, não pode vir em descompasso com o setor privado que sofre a anos com aumentos inferiores com a inflação real.
No setor privado o funcionário tem FGTS, no público não, está é a diferença no percentual de aumento.
os patrões e os governos liberais pensam do mesmo jeito, mas o que vemos com esse povo é a economia sempre com problemas, inflação em alta, péssimo atendimento público, concentração de riquezas não mão da elite, e entra ano e sai ano é o mesmo Bla blá-blá-blá. Esgoto a céu aberto, filas nos hospitais públicos, insegurança generalizada. ou seja, os trabalhadores sao as causas da incompetência dos governos liberais.
Esse é o processo de argentinizacao do nosso país.
Problema é ter perdido quase um terco do sanario nos anos doutados do Bolsonaro e ainda passar a proxima copa com reajuste real se 3%. Brincadeira..
É melhor você ir para mercado de verdade, esse sim tem correção. venha para a iniciativa privada.
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.