Últimas Notícias
0

Isentas de IR, debêntures de infraestrutura batem recorde com R$ 9,6 bi no ano

Ações12.07.2018 09:39
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters. Isentas de IR, debêntures de infraestrutura batem recorde com R$ 9,6 bi no ano

Arena do Pavini - As debêntures de infraestrutura, regidas pela Lei 12.431 e cujo rendimento é isento de imposto de renda para pessoas físicas, bateram recorde de emissões desde a criação, em 2011, somando R$ 9,6 bilhões no primeiro semestre deste ano, 357% mais que no mesmo período do ano passado, informou hoje a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). De acordo com a associação, foram 16 operações com um valor quase quatro vezes maior do que o registrado entre janeiro e junho de 2017, quando também foram realizadas 16 operações, porém com volumes menores. No primeiro semestre do ano passado, essas debêntures movimentaram R$ 2,1 bilhões.

Os papéis isentos ajudaram no crescimento total das emissões de debêntures, que cresceram 109% no primeiro semestre sobre o mesmo período de 2017.

Captação total atingiu R$ 144,5 bi, 18% mais que em 2017

Apesar do recorde, a captação via debêntures de infraestrutura é pequena em relação à captação total das companhias brasileiras via mercado de capitais, que atingiu R$ 144,5 bilhões no semestre, volume que supera a média do período nos últimos sete anos, de R$ 122,5 bilhões. Supera também as emissões no mesmo período de 2017, em 18%, diz a Anbima. Mas o número de operações diminuiu: passou de 341, entre janeiro e junho do ano passado, para 306 em 2018.

Do total captado até junho, R$ 98,7 bilhões foram movimentados por instrumentos domésticos de renda fixa e híbridos, a partir de 285 emissões.

Debêntures: emissões dobram

As debêntures foram o principal papel escolhido pelas companhias: as operações somaram R$ 60,5 bilhões, valor que inclui os R$ 9,6 bilhões das debêntures de infraestrutura. Em relação aos R$ 29 bilhões do mesmo período do ano passado, o crescimento foi de 109%. Foram 96 emissões sem incentivos e 16 com, ante 85 e 16 no ano anterior.

Estrangeiros passam a comprar mais debêntures incentivadas

Apesar do crescimento das emissões incentivadas, os maiores compradores dessas debêntures foram os investidores estrangeiros, com 47,2% do total, para zero no primeiro semestre do ano passado. Já as pessoas físicas passaram de 29,2% para 15,2%, acompanhando parcialmente o crescimento de R$ 2,1 bilhões para R$ 9,6 bilhões do ano passado para cá. Ou seja, as pessoas físicas aumentaram as compras, mas os estrangeiros ficaram com a maior parte da oferta adicional.

Menos CRA

Se a oferta de debêntures isentas aumentou este ano, a de Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA) caiu, de R$ 5,2 bilhões para R$ 2 bilhões, enquanto a de Imobiliários (CRI) subi de R$ 2,3 bilhões para R$ 2,4 bilhões. Ambos os papéis também têm rendimentos isentos para pessoas físicas. Já os fundos de recebíveis, os Fidcs, caíram de R$ 8,9 bilhões no primeiro semestre de 2017 para R$ 4 bilhões neste ano.

As pessoas físicas, porem, continuam atrás dos CRIs e CRAs. Elas são maioria entre os compradores de CRA, com 71% do total, e dos CRIs, com 58,3%. A fatia de pessoas físicas em CRA, porém, caiu em relação aos 85,8% do mesmo semestre ano ano passado, mas cresceu no CRI, que tinha 52,9% em 2017.

Ofertas de fundos imobiliários dobram

Outra opção isenta para pessoas físicas, os fundos imobiliários praticamente dobraram as emissões este ano, de R$ 4,4 bilhões para R$ 8,5 bilhões no primeiro semestre. As pessoas físicas lideram, ficando com 61,5% do valor emitido, um pouco menos que os 66,5% do mesmo período do ano passado.

Houve ainda crescimento no volume de ofertas públicas de notas promissórias (R$ 17,4 bilhões) e letras financeiras (R$ 4,1 bilhões). “Mesmo com a volatilidade do mercado nos últimos meses, as operações locais em renda fixa seguem funcionando muito bem, com alta demanda das empresas por novas emissões e apetite dos investidores por bons papeis”, afirma José Eduardo Laloni, diretor da Anbima.

Emissões de ações caíram 51%

Na renda variável, as emissões chegaram a R$ 6,9 bilhões em 2018, contra R$ 14,1 bilhões nos primeiros seis meses do ano passado, uma queda de 51%.

Já no mercado externo, as captações das empresas brasileiras acumularam R$ 38,9 bilhões, contra os R$ 51,3 bilhões alcançados no mesmo período de 2017. Essas emissões foram realizadas exclusivamente por ativos de renda fixa.

Por Arena do Pavini

Isentas de IR, debêntures de infraestrutura batem recorde com R$ 9,6 bi no ano
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias ou ataques pessoais dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Registrar-se com Google
ou
Registrar-se com o e-mail