Junte-se a +750 mil investidores que copiaram as ações das carteiras dos bilionáriosAssine grátis

Petróleo cai quase 2%, com dados fracos da China compensando cortes sauditas

Publicado 15.08.2023, 16:25
© Reuters.
LCO
-
CL
-
NYF
-

Investing.com - Os preços do petróleo caíram quase 2% na terça-feira, com a piora dos dados econômicos do maior importador de petróleo, a China, compensando parte do entusiasmo do mercado com os cortes na produção saudita.

Os dados da produção industrial e das vendas no varejo da China na terça-feira mostraram que a economia desacelerou ainda mais no mês passado, intensificando a pressão sobre o crescimento já vacilante e levando as autoridades a cortar as principais taxas de juros para impulsionar a atividade econômica.

Os últimos dados chineses aumentam o que já foi um péssimo mês de julho para a segunda maior economia do mundo. Os empréstimos bancários caíram para o menor nível em 14 anos no mês passado; os preços ao consumidor e ao produtor caíram e as exportações caíram mais desde fevereiro de 2020. A economia chinesa cambaleante e a falta de medidas de estímulo eficazes pressionaram o yuan em relação ao dólar, que se recuperou desde o início desta semana, acrescentando ao peso das commodities, principalmente do petróleo.

“Os preços do petróleo continuam recuando após os dois dados decepcionantes da produção industrial chinesa”, disse Ed Moya, analista da plataforma de negociação online OANDA, que também citou uma pesquisa alemã que mostrou maiores preocupações sobre o crescimento na principal economia da Europa.

“O mercado de petróleo pode permanecer apertado, mas a maioria das manchetes está se tornando pessimista para o lado da demanda”, acrescentou Moya. “A retração do petróleo pode precisar continuar um pouco mais antes que os compradores surjam.”

No pregão de terça-feira, o petróleo bruto West Texas Intermediate, ou WTI, negociado em Nova York, caiu US$ 1,52, ou 1,8%, a US$ 80,99 o barril, agarrando-se ao suporte de US$ 80 por barril. Na sessão anterior, perdeu 0,8%, levando a queda do WTI na semana para 2,6%.

Isso foi uma ruptura com um rali anterior de sete semanas inspirado pelo otimismo sobre os cortes na produção saudita, que deixou a referência de petróleo dos EUA em alta de 20% ao todo, com uma alta de 9 meses em US$ 84,89.

O petróleo Brent com sede em Londres caiu US$ 1,32, ou 1,5%, para US$ 84,89, somando-se ao declínio de 0,7% de segunda-feira. No acumulado da semana, o Brent caiu 2,2% após um rali de sete semanas que deu aos touros do petróleo um retorno de 18% e uma alta de sete meses de US$ 88,10.

Os participantes do mercado também estavam atentos na terça-feira aos dados semanais de estoque de petróleo dos EUA, devido após a liquidação do mercado pela API, ou pelo American Petroleum Institute.

A API divulgará aproximadamente às 17:30 um instantâneo dos saldos finais de petróleo, gasolina e destilados dos EUA para a semana encerrada em 11 de agosto. Os números servem como prévia para os dados da Administração de Informação de Energia dos EUA na quarta-feira.

Na semana passada, os analistas acompanhados pelo Investing.com esperavamm que o EIA relate uma queda de estoque de petróleo de 2,050 milhões de barris, contra o aumento de 5,851 milhões de barris relatado durante a semana até 4 de agosto.

Na frente estoque de gasolina, o consenso é para um empate de 1,6 milhões de barris em cima do declínio de 2,661 milhões de barris na semana anterior. A gasolina para combustível automotivo é o combustível nº 1 dos EUA.

Com estoques de destilados, a expectativa é de uma queda de 0,4 milhão de barris em relação ao déficit de 1,706 milhão da semana anterior. Os destilados são refinados em óleo de aquecimento, diesel para caminhões, ônibus, trens e navios e combustível para jatos.

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.