Últimas Notícias
Investing Pro 0
🚨 Nossos dados Pro revelam a melhor ação da temporada de balanços Acesse dados

Dólar sobe 0,71%, a R$ 5,2383, com exterior na véspera do payroll

Moedas 02.09.2022 05:00
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters Dólar sobe 0,71%, a R$ 5,2383, com exterior na véspera do payroll
 
USD/ZAR
+2,42%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
BAC
+0,83%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
GS
+0,13%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
USD/BRL
+2,02%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
Copper
-1,46%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
LCO
-2,86%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 

Apesar de o crescimento do PIB brasileiro no segundo trimestre ter vindo acima do esperado, o real não escapou da onda global de valorização da moeda americana na sessão desta quinta-feira, 1º de setembro, marcada por tombo das commodities e aumento das apostas em ajuste mais agressivo da política monetária dos Estados Unidos.

Afora uma baixa pontual pela manhã, quando desceu até a mínima de R$ 5,1480 (-1,03%), em meio a relatos de entrada de fluxo comercial, o dólar operou em alta firme no mercado doméstico de câmbio durante toda a sessão. As máximas vieram ao meio da tarde, quando a divisa chegou a romper o teto de R$ 5,25 e tocou R$ 5,2572 (+1,07%).

No fim do dia a moeda era cotada a R$ 5,2383, avanço 0,71%. Foi o terceiro pregão seguido de alta do dólar, período em que saiu do patamar de R$ 5,03 para superar R$ 5,23, acumulando uma valorização de 4,07%.

Uma vez mais, o principal indutor da depreciação do real foi o ambiente externo, embora haja um pano de fundo de cautela com o quadro fiscal doméstico a partir de 2023, dadas as promessas que tomam conta da corrida eleitoral. Dados do setor industrial americano acima do esperado reforçaram a perspectiva de que o Federal Reserve (Fed, Banco Central dos EUA), vai promover nova alta da taxa básica americana em 75 pontos-base neste mês.

O PMI industrial dos EUA medido pelo ISM ficou estável em 52,8 em agosto, contrariando expectativas de queda. Há também uma postura defensiva à espera da divulgação, na sexta-feira, 2, do relatório de empregos (payroll) nos EUA em agosto.

As taxas dos Treasuries subiram em bloco, com o retorno do título de 2 anos, mais ligado a perspectiva para o aperto monetário, superando 3,5%. O índice DXY - que mede o desempenho dólar frente a uma cesta de seis divisas fortes - voltou a trabalhar acima dos 109,000 pontos e se aproximou dos 110,000. O euro, que vinha ensaiando uma recuperação, nesta quinta perdeu quase 1% frente a divisas americana.

As commodities voltaram a apanhar. As cotações do petróleo caíram mais de 3,5%, com o contrato tipo Brent para novembro, referência para a Petrobras (BVMF:PETR4), aproximando do piso de US$ 90 o barril. Fechou nesta quinta em queda de 3,43, a US$ 92,36. O minério de ferro e o cobre recuaram novamente, em meio a preocupações com a economia chinesa, após notícia de novos surtos de covid. Não por acaso as divisas de países emergentes e de exportadores de commodities, com raras exceções, se enfraqueceram ante o dólar, com destaque para o peso colombiano, o rand sul-africano e o próprio real.

Para o analista de câmbio da corretora Ourominas, Elson Gusmão, o comportamento da taxa de câmbio está muito atrelado ao ambiente externo de fortalecimento do dólar, com fatores locais ficando em segundo plano. "De manhã, houve até uma queda do dólar com a divulgação dos dados bons do PIB, mas o mercado voltou logo a acompanhar o exterior ao longo da tarde", afirma Gusmão.

Na mesma linha, o operador Hideaki Iha, da Fair Corretora, observa que, com a redução do fluxo de entrada de recursos da manhã e a aceleração do dólar ante algumas divisas no exterior, a moeda passou a refletir mais precisamente o quadro e cautela com as incertezas do exterior.

O IBGE informou que o PIB brasileiro cresceu 1,2% no segundo trimestre (na margem), acima da mediana de Projeções Broadcast (0,9%). Na comparação anual, a alta foi de 3,2%, também superior à mediana das expectativas (+2,8%). A divulgação do resultado causou uma onda de revisões das expectativas do mercado para o PIB de 2022, incluindo as de instituições como Bank of America (NYSE:BAC) (2,5% para 3,25%), Goldman Sachs (NYSE:GS) (2,2% para 2,9%), Banco Original (2,3% para 2,6%), e Ativa Investimentos (1,0% para 2,0%).

O Banco MUFG Brasil avalia que o cenário se tornou negativo para divisas emergentes com o tom duro do Federal Reserve, a possibilidade de recessão em Estados Unidos e Europa, e crescimento abaixo do esperado na China, o que atinge os preços das commodities. Embora o diferencial entre juro externo e interno ainda beneficie operações de carry trade, o banco considera que o real deve se depreciar daqui para frente dado o ambiente externo desafiador.

"Adicionalmente, o BC brasileiro parece ter encerrado o aperto monetário. Então, novas altas pelo Fed vão reduzir rapidamente o diferencial de juros e, no curto prazo, isso pode afetar o ingresso de fluxo estrangeiro", afirma, em relatório, o economista-chefe Carlos Pedroso e o economista sênior Mauricio Nakahodo.

Eles observam que o ambiente político interno também representa um risco para o desempenho do real, uma vez que o mercado pode começar a precificar, especialmente após a eleição, o risco fiscal, dada a postura dos líderes na corrida presidencial. "Em suma, consideramos que o atual patamar do real não é sustentável. Mantemos nosso call de R$ 5,60 no fim do ano."

Dólar sobe 0,71%, a R$ 5,2383, com exterior na véspera do payroll
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (1)
Luciano Machado
Luciano Machado 02.09.2022 5:59
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Por favor falem mal falem de tudo menos que poderá existir do risco fiscal e a primissa mais especulativa que existe .A dívida em relação ao PIB da maioria dos países é acima de 130% o Brasil tá faixa dos 80%.Portanto por mais irresponsavel que seja a administração da dívida o Brasil tem espaço enorme para crescer.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail