Garanta 40% de desconto
🚀 Ações escolhidas por IA em alta. PRFT com alta de +55% em 16 dias. Não perca as ações de junho!Acessar lista completa

Brasil negocia importar gás argentino e estudará rota via Paraguai

Publicado 18.04.2024, 13:52
© Reuters Brasil negocia importar gás argentino e estudará rota via Paraguai
PETR4
-

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, voltou a afirmar nesta 5ª feira (18.abr.2024) que o governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pretende importar gás natural da Argentina. As conversas já estão em andamento entre os 2 países e também envolvem Bolívia e Paraguai. Podem resultar em um contrato de importação de 3 milhões de m³/dia de gás de xisto do campo de Vaca Muerta.

A importação é um dos planos do governo para promover um “choque de oferta de gás” no país. Dentro do governo e da Petrobras (BVMF:PETR4), são consideradas duas possibilidades para trazer esse gás para o Brasil, segundo o ministro. A 1ª é por meio do Gasbol (Gasoduto Bolívia-Brasil). E a 2ª, que ainda será melhor estudada, é criar uma rota pelo Paraguai chegando no Mato Grosso do Sul.

“O Paraguai poderia ser uma rota através da região do Chaco. O gasoduto que vem da Argentina passa pela Bolívia. Então a proposta colocada pelo Paraguai é para que a gente estude os potenciais da produção de gás nessa região e a possibilidade de termos um desvio, tendo uma outra rota passando pelo Paraguai. É algo incipiente aqui”, disse em entrevista a jornalistas nesta 5ª feira (18.abr) durante o Gás Week, evento do setor realizado em Brasília.

O Gasbol é usado para trazer gás boliviano para o mercado brasileiro. O duto é interligado a outros gasodutos, incluindo um que leva gás para a Argentina. No entanto, o esgotamento gradual das reservas bolivianas têm reduzido as importações para os 2 países e há expectativa de que elas encerrem até o final da década, o que deixará a infraestrutura ociosa.

A utilização do Gasbol seria um modelo mais barato para importar o gás de Vaca Muerta, por se tratar de uma infraestrutura existente. No entanto, isso dependeria de um acordo entre os 3 países: Brasil, Argentina e Bolívia. O mesmo ocorrerá caso a opção seja passar pelo Paraguai.

Silveira já tinha mencionado a possibilidade de importação via Bolívia em 21 de março deste ano durante evento do setor nos Estados Unidos. Nesta semana, a ministra das Relações Exteriores da Argentina, Diana Mondino, se reuniu com o chanceler brasileiro, Mauro Vieira, para tratar do tema. Disse que há “alinhamento de interesses” com o Brasil.

GÁS DE XISTO

Vaca Muerta é considerada a 2ª maior reserva não convencional do mundo. É uma formação geológica rica em gás e óleo de xisto. O xisto é um tipo de rocha metamórfica que tem um aspecto folheado e pode abrigar gás e óleo em frestas. Para extrair gás desse tipo de local há um processo considerado muito danoso ao meio ambiente, porque é necessário quebrar o solo, num sistema conhecido em inglês como “fracking”, derivado de “hydraulic fracturing”.

Questionado sobre a importação desse tipo de gás da Argentina, que tem uma técnica de extração mais danosa ao meio ambiente, Alexandre Silveira afirmou que “o gás é o mesmo” e que não há nenhuma contradição com o debate sobre transição energética, uma vez que o gás poderá ajudar a descarbonizar alguns segmentos.

O ministro defendeu um debate sobre a exploração deste gás no Brasil. Segundo ele, a exploração nacional de gás de xisto tem um potencial de 32 milhões de m³/dia e é preciso ser feito um “amplo debate sobre o gás de xisto no Brasil, para que o país possa pesquisar as reservas e ter conhecimento das suas potencialidades”.

No fracking, é necessário fazer uma perfuração vertical no solo até uma determinada profundidade. Depois, a broca muda para a direção horizontal para ir fraturando o solo, inserindo água e produtos químicos e assim liberando gás e óleo que possa estar “preso” entre as rochas.

O gás de xisto é muito explorado nos Estados Unidos e foi fonte de energia barata nas últimas décadas para turbinar o crescimento econômico norte-americano. Mas há muitas preocupações com o efeito que isso causa ao meio ambiente.

Essa exploração não é regulamentada no Brasil e já foi objeto de decisões judiciais na Bahia e no Paraná que suspenderam as atividades de exploração por meio do fraturamento em áreas leiloadas pela ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

DUTO COM DINHEIRO BRASILEIRO

A possibilidade de importar gás argentino já vinha sendo cogitada pelo governo Lula. A ideia inicial, porém, era financiar com recursos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) uma extensão do Gasoduto Presidente Néstor Kirchner, inaugurado no ano passado pelo governo da Argentina.

O gasoduto leva o gás da Vaca Muerta, no oeste do país, até a província de Buenos Aires. Um 2º trecho deve ser construído para levá-lo até a província de Santa Fé, no norte do país, de onde seria possível construir ramais visando a importação para o Brasil e o Chile.

Lula chegou a prometer o financiamento do 2º trecho ao então presidente argentino, Alberto Fernández, em janeiro de 2023. Mesmo antes de o petista confirmar a decisão do Brasil, porém, o governo da Argentina já havia se antecipado em 2022, depois da eleição de Lula, dizendo que receberia dinheiro brasileiro para o gasoduto.

Em 26 de junho de 2023, Lula voltou a falar do projeto e disse que estava “muito satisfeito” com a perspectiva “positiva” de o BNDES financiar a obra. As conversas sobre o financiamento foram deixadas depois da posse do atual presidente da Argentina, Javier Milei. Desde então, o governo brasileiro busca outras alternativas para trazer o gás argentino.

Leia mais em Poder360

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.