😎 Promoção de meio de ano - Até 50% de desconto em ações selecionadas por IA no InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

China abre investigação antidumping contra a carne suína europeia

Publicado 17.06.2024, 12:59
© Reuters. Leitão em granja na Polônian10/04/2014nREUTERS/Kacper Pempel

Por Joe Cash

PEQUIM (Reuters) - A China abriu uma investigação antidumping sobre a carne suína importada e seus subprodutos da União Europeia, uma medida que parece ter como alvo principal a Espanha, a Holanda e a Dinamarca, em resposta às restrições às suas exportações de veículos elétricos.

A investigação anunciada pelo Ministério do Comércio da China nesta segunda-feira vai se concentrar em cortes inteiros de carne suína in natura, resfriada e congelada, bem como alguns míudos (intestinos, bexigas e estômagos). A investigação terá início em 17 de junho.

Ela foi motivada por uma reclamação apresentada pela Associação de Criação de Animais da China em 6 de junho em nome do setor de carne suína nacional, informou o ministério.

Após o anúncio da Comissão Europeia, em 12 de junho, de que imporia tarifas antissubsídios de até 38,1% sobre os carros chineses importados a partir de julho, as empresas globais de alimentos ficaram em alerta máximo para as tarifas retaliatórias da China.

A Espanha é o principal fornecedor de carne suína para a China e o grupo de produtores de carne suína Interporc disse que cooperaria totalmente com a investigação das autoridades chinesas.

"A UE e a China têm muito tempo para chegar a acordos", disse a Interporc em um comunicado.

Os produtores europeus de carne suína devem poder continuar exportando para a China sem tarifas enquanto a investigação estiver em andamento, enquanto se aguarda uma decisão e um anúncio de tarifas pelo lado chinês.

O Ministério do Comércio da China afirmou que a investigação deve ser concluída até 17 de junho de 2025, mas pode ser prorrogada por mais seis meses, se necessário.

A associação Danish Agriculture& Food Council alertou na segunda-feira que o setor de carne suína da Dinamarca seria "incrivelmente atingido" por quaisquer restrições às vendas para a China.

Os fornecedores de carne suína da América do Sul, dos Estados Unidos e da Rússia podem estar entre os que ganharão participação no mercado se Pequim restringir as importações da União Europeia.

O jornal Global Times, apoiado pelo Estado chinês, informou pela primeira vez no final do mês passado que as empresas chinesas planejavam pedir às autoridades que abrissem uma investigação antidumping sobre alguns produtos suínos europeus, citando uma "fonte empresarial" não identificada.

Isso foi seguido por uma segunda reportagem do mesmo veículo em 8 de junho, solicitando que as autoridades analisassem as importações de laticínios europeus.

As autoridades chinesas já haviam sugerido anteriormente possíveis medidas de retaliação por meio de comentários na mídia estatal e entrevistas com figuras do setor.

Um porta-voz da Comissão Europeia disse que o bloco não estava preocupado com o fato de a China abrir sua investigação e disse aos repórteres que a UE interviria adequadamente para garantir que a investigação cumprisse todas as regras relevantes da Organização Mundial do Comércio.

A UE é responsável por mais da metade dos cerca de 6 bilhões de dólares em carne suína que a China importou em 2023, de acordo com dados da alfândega, cerca de um quarto dos quais foi proveniente apenas da Espanha.

Em segundo e terceiro lugar, a Holanda e a Dinamarca exportaram no ano passado para a China produtos suínos no valor de 620 milhões e 550 milhões de dólares, respectivamente.

No início deste mês, o ministro do Comércio da China, Wang Wentao, viajou para a Espanha para cortejar funcionários antes de a Comissão anunciar sua decisão sobre se os produtores chineses de veículos elétricos se beneficiam de subsídios estatais distorcidos.

"Não será a primeira vez que uma investigação anunciada em um setor é respondida em outro, portanto, em vista da investigação da UE sobre veículos elétricos, isso não é uma surpresa", disse Jens Eskelund, presidente da Câmara de Comércio da União Europeia na China.

"Mercados livres e abertos dependem de práticas comerciais baseadas em regras", acrescentou.

O alarme crescente sobre o excesso de capacidade industrial chinesa que está inundando a UE com produtos baratos, incluindo veículos elétricos. Isso abre uma nova frente na guerra comercial do Ocidente com Pequim, que começou com as tarifas de importação de Washington em 2018.

© Reuters. Leitão em granja na Polônia
10/04/2014
REUTERS/Kacper Pempel

A política comercial da UE está se tornando cada vez mais protetora em relação às ramificações globais do modelo de desenvolvimento da China.

Em geral, os governos aplicam tarifas antidumping sobre produtos importados quando suspeitam que o item em questão está sendo vendido por um preço inferior ao custo de produção, a fim de proteger as empresas nacionais.

(Reportagem adicional de Albee Zhang, Ella Cao, Emma Pinedo e Jacob Gronholt-Pedersen)

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.