📖 Guia da Temporada de Balanços: Saiba as melhores ações escolhidas por IA e lucre no pós-balançoLeia mais

Alckmin afirma que governo mira ajustes pelos lados da receita e da despesa

Publicado 13.06.2024, 11:15
© Reuters Alckmin afirma que governo mira ajustes pelos lados da receita e da despesa

O presidente da República em exercício e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, afirmou nesta quinta-feira, 13, que o governo tem mirado melhor eficiência no gasto público, que possibilite mais realizações com menos recursos. "O ministro (da Fazenda) Fernando Haddad tem feito um bom trabalho, e o governo é o governo do diálogo. Então, tenho certeza que vai ser um esforço para melhorar a arrecadação e, de outro lado, para buscar melhor eficiência no gasto público, ou seja, também trabalhar pelo lado da defesa", apontou. "Então, agir dos dois lados, pelo lado da receita e pelo lado da despesa", frisou.

Alckmin conversou com jornalistas após participar do evento do Future Investment Initiative (FII) Institute, organização sem fins lucrativos apoiada pelo fundo soberano da Arábia Saudita, o FIP, e 30 empresas globais, no hotel Copacabana Palace, na zona sul do Rio de Janeiro.

Questionado sobre se a turbulência nos mercados poderia influenciar a próxima reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central, Alckmin disse ter confiança na manutenção do ciclo de quedas na taxa básica de juros, a Selic. "A expectativa é que continue caindo (juros). Nós não podemos agir por questões transitórias, espasmódicas. É passageiro. Os fundamentos da economia brasileira são muito sólidos. E os compromissos também. A confiança é de que vai continuar a cair", afirmou.

Acrescentou que espera um ano de forte crescimento econômico no Brasil, mas com a inflação sob controle. Ele lembrou que risco-Brasil diminuiu, assim como o desemprego e a inflação. "Então, é fazer o crescimento brasileiro", defendeu.

O presidente em exercício argumentou que o Brasil é um grande polo de atração de investimentos, o que denota confiança. Ele lembrou que há perspectiva de crescimento da economia, acrescentando que o impulso advindo da reforma tributária "vai fazer diferença".

Alckmin mencionou ainda a visita que fez na semana passada à Arábia Saudita, que resultou na assinatura de acordo de cooperação na área de defesa. "Tenho certeza que nós vamos ter muito investimento, aliás, investimento recíproco. Lá levamos nove fundos de investimento, também para a Arábia Saudita. E o Brasil é o segundo receptor do mundo, o segundo, o terceiro, de investimento externo. Então, uma palavra de confiança", resumiu. O ministro destacou ainda a aprovação do Mover no Congresso, seguindo agora a sanção presidencial, com viabilização de R$ 130 bilhões de investimentos na indústria automotiva. "Então, você está dando um incentivo à descarbonização e à inovação", afirmou.

Alckmin aproveitou a oportunidade para destacar a assinatura, na quarta-feira, de um decreto como presidente em exercício, tirando o IPI na saída dos produtos para doação ao Rio Grande do Sul. "São R$ 140 milhões até 31 de dezembro. Então, foi retirado o IPI na saída dos produtos quando for doação para o Estado do Rio Grande do Sul."

Por fim, citou a promulgação de dois projetos de lei que tratam de violência contra as mulheres. "Total prioridade no atendimento à mulher vítima de violência e o segundo em igualdade de emergência, prioridade nas cirurgias reparadoras para as mulheres vítimas de violência", contou Alckmin.

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.