Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Alta do PIB afasta colapso na dívida

Indicadores Econômicos16.06.2021 13:11
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters. Alta do PIB afasta colapso na dívida

As projeções iniciais eram catastróficas. Tanto para 2020 quanto para 2021, estimativas indicavam que a dívida bruta brasileira chegaria a 100% do Produto Interno Bruto (PIB). Conforme as previsões, esse nível de endividamento seria decorrência da queda de arrecadação provocada pela crise e do aumento dos gastos públicos feitos para amenizar os efeitos da pandemia de covid-19. O cenário mudou, e bancos e casas de análise, nas últimas semanas, passaram a rever para baixo o nível de endividamento do País - que, agora, está mais perto de 80% do PIB.

No ano passado, o endividamento já havia surpreendido não só porque o PIB brasileiro recuou menos do que o esperado (-4,1%, ante estimativas que chegaram a -9,1%) como também porque a economia internacional não sofreu tanto quanto se imaginava, sobretudo a chinesa, que importou em larga escala. O resultado disso - aliado a uma taxa de juros relativamente baixa - foi que a dívida do Brasil terminou 2020 em 89,3% - longe dos 102,3% que chegou a prever o Fundo Monetário Internacional (FMI), mas, ainda assim, registrando uma alta de 15 pontos porcentuais na comparação com 2019.

Agora, a tendência é de que se repita o ocorrido no ano passado, com o endividamento surpreendendo positivamente. O Itaú Unibanco (SA:ITUB4), por exemplo, foi um dos bancos que mudaram sua projeção recentemente, de 84,1% do PIB para 81,9% neste ano e de 84,5% para 81,6% em 2022. No Bradesco (SA:BBDC4), a revisão para 2021 foi de 89,7% para 84,6% e, no Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da FGV, de 86,1% para 84%.

Uma parte dessas revisões foi feita porque o crescimento de 1,2% do PIB no primeiro trimestre foi superior ao estimado inicialmente pelos economistas. Um PIB mais elevado significa tanto uma arrecadação do governo maior quanto uma proporção dívida/PIB menor (mantendo a dívida constante).

Outro fator que fez os economistas reduzirem as projeções de endividamento foi o aumento da arrecadação do governo em um ritmo bastante superior ao do crescimento do PIB. "A arrecadação ligada ao lucro das empresas está muito forte. Está subindo mais de 40% ano contra ano", diz o economista Pedro Schneider, do Itaú.

Segundo Schneider, entre as explicações para esse incremento está o fato de algumas empresas terem parado de recolher impostos no começo da pandemia por terem tido prejuízo e o atraso no pagamento das alíquotas devido a dificuldades de caixa. Agora, com a economia se recuperando, as companhias estão regularizando a situação.

Ainda de acordo com o economista, a receita total do governo (incluindo arrecadação com impostos, royalties, dividendos e concessões) em 2021 deve ser R$ 70 bilhões superior ao valor projetado inicialmente. No total, deverá alcançar R$ 1,759 trilhão - 4,2% a mais do que se esperava.

O economista-chefe do Bradesco, Fernando Honorato, lembra também que a alta na arrecadação pode estar relacionada à melhora no mercado de trabalho formal. Nos quatro primeiros meses do ano, o saldo no número de vagas foi de 957,9 mil. O economista destaca que uma arrecadação avançando a um ritmo maior do que o do PIB é uma situação típica em saídas de crise. "Nos processos recessivos, o lucro contrai. A empresa tem prejuízo fiscal. Quando a economia volta, o lucro contábil cresce rápido (e, consequentemente, o pagamento de impostos)."

Futuro

A prorrogação do auxílio emergencial por mais três meses não deve alterar o endividamento de forma significativa, na avaliação do economista Matheus Rosa Ribeiro, do Ibre/FGV. Isso porque o gasto atual do governo com a ajuda financeira tem ficado abaixo do esperado. Há, portanto, uma sobra orçamentária. A ela, deve ser adicionado um gasto de R$ 11 bilhões, que muda o cenário apenas "marginalmente".

Na avaliação do economista Braulio Borges, da consultoria LCA, as condições para manter a sustentabilidade da dívida nos próximos anos são favoráveis. Apesar de o endividamento ser elevado, um crescimento da economia ao redor de 2,5% ao ano e uma taxa básica de juros em torno de 6,0% podem ajudar a garantir a solvência do País.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Alta do PIB afasta colapso na dívida
 

Artigos Relacionados

Preço da cesta básica sobe em 15 capitais do país
Preço da cesta básica sobe em 15 capitais do país Por Agência Brasil - 05.08.2021

Agência Brasil - O preço da cesta básica subiu em 15 das 17 capitais pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) na comparação...

Endividamento das famílias bate novo recorde em julho
Endividamento das famílias bate novo recorde em julho Por Agência Brasil - 05.08.2021

Agência Brasil - O percentual de famílias que relataram ter dívidas no mês de julho chegou a 71,4%, o maior patamar da série histórica, iniciada em 2010. A alta é de 1,7 ponto...

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (9)
Cicero Andrade
Cicero Andrade 16.06.2021 15:42
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
E isso ainda com a pandemia em curso. Imagina quando arrefecer e realmente a ecomia melhorar!
Sheike Saba
Sheike Saba 16.06.2021 15:18
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
parece que houve uma "despiora" na economia. kkkk
zeni moura
zeni moura 16.06.2021 15:17
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Brasil nao quebrou com PT.. que vale por umas 10 pandemias... vai quebrar agora
Leonardo Pires
Leonardo Pires 16.06.2021 15:04
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
o amigo aqui falou infelizmente uma boa notícia queria entender o infelizmente 🤔
Luciano Machado
Luciano Machado 16.06.2021 14:45
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Parabéns Estadão deixa política de lado vamos torcer e divulgar coisas boas do nosso país nosso povo precisa de renda e emprego e resaltando notícias negativas afasta investimentos e portanto empregos.
Marcos Vicente
Marcos Vicente 16.06.2021 14:45
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Parabéns
Claudio rocha
Claudio rocha 16.06.2021 14:27
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
tem uma turma aqui que parece que só fica torcendo contra o Brasil, quando sai uma notícia assim some todo mundo
Julio de Castro
Julio de Castro 16.06.2021 14:24
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Infelizmente um boa notícia!!
Mostrar respostas anteriores (1)
Leonardo Pires
Leonardo Pires 16.06.2021 14:24
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
pq infelizmente?
Leonardo Pires
Leonardo Pires 16.06.2021 14:24
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
por quê nfelizmente?
Leonardo Pires
Leonardo Pires 16.06.2021 14:24
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
infelizmente*
Leonardo Pires
Leonardo Pires 16.06.2021 14:24
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
infelizmente*
Vivan BM
Vivan BM 16.06.2021 14:24
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
INFELIZMENTE?
Ivan Pires Xavier Filho
Ivan Pires Xavier Filho 16.06.2021 14:13
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Credo! O Brasil está “despiorando”
Fernando Borelli
Fernando Borelli 16.06.2021 14:10
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O Brasil dando certo com Bolsonaro! E " o choro é livre " não é Maju?
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail