Libere dados premium: até 50% de desconto InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

Selic: Economistas esperam manutenção dos juros em 13,75%

Publicado 23.10.2022, 06:00
© Jessica Bahia Melo
BVSP
-

 Por Jessica Bahia Melo

Investing.com - Após uma pausa (ou fim?) nos aumentos na taxa básica de juros da economia brasileira, o Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne novamente na semana que vem para definir os rumos da Selic. A expectativa é de manutenção em 13,75%, conforme cenário apresentado na última reunião. Os economistas anseiam por alguma indicação no comunicado a respeito de um possível início dos cortes no futuro, mas não esperam que isso possa, de fato, ocorrer.

Alguns especialistas não descartam totalmente um possível aumento residual, tendo em vista que, mesmo que a inflação tenha apresentado queda nos últimos meses, ainda está bem longe da meta estipulada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) de 3,5% com tolerância superior de 5%. O ciclo de aperto monetário teve início em março de 2021, quando o Copom subiu a Selic de 2% para 2,75%. Após os sucessivos aumentos, o Comitê realizou a última elevação após reunião finalizada em 3 de agosto. Em setembro, a Selic foi mantida no patamar atual.

A taxa anual do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caiu para 7,17% em setembro. Em agosto, era de 8,73%. Em julho, passava dos dois dígitos, em 10,07%.

LEIA MAIS: IPCA de setembro tem deflação menor do que a esperada; alimentação passa a recuar

Para Fábio Terra, professor de economia da Universidade Federal do ABC, tudo indica que a decisão pela manutenção deve se repetir. Com as deflações, as expectativas de inflação começaram a se reajustar de forma baixista. “Diante disso, acho que não há motivo para subir a taxa de juros, ainda que o que tenha causado a redução do IPCA tenha sido concentrado no transporte, por causa do combustível, o que é muito conjuntural, o comportamento dos demais fatores não implica que haja qualquer pressão muito urgente para que o Copom tenha que subir a taxa de juros novamente”, explica Terra.

Raone Costa, economista-chefe da Alphatree Capital, também espera a manutenção da taxa de juros em 13,75%, sem mudanças relevantes. Para Costa, o comunicado deve indicar que a taxa deve ficar constante por mais tempo e que, não necessariamente, o próximo movimento vai ser de queda nos juros e não de alta, tendo em vista que a decisão vai depender da evolução dos dados. “O cenário da última reunião para essa não evoluiu significativamente nem para um lado, nem para outro, de tal maneira que, sem notícias novas, eu não imagino que o Copom vai mudar o plano de voo deles, que é atualmente de sentar e esperar as próximas novidades. É um Copom que, se acontecer algo, será uma surpresa de fato”, avalia.

Helena Veronese, economista-chefe da B.Side Investimentos, concorda que a decisão não deve trazer grandes novidades, devido à sinalização da manutenção da taxa no último comunicado. “Acho que o mercado vai procurar a partir de agora sinais sobre quando o ciclo de cortes começa. Acredito que o certo a ser feito é não dar nenhum tipo de sinalização nesse sentido”. Para a economista, seria uma mudança muito grande em relação ao último comunicado, quando o Copom avisou que poderia voltar a subir juros conforme a necessidade. “Ainda existem alguns componentes na inflação que preocupam, como inflação de serviços, além da política fiscal que vai ao aposto da política monetária. Ela está extremamente expansionista e há risco de ficar ainda mais na reta final das eleições”, alerta Veronese, reforçando que o cenário ainda merece cautela.

Sobre a situação fiscal, Terra discorda que o “pacote de bondades” eleitoral possa implicar em aumentos da demanda suficientes para impactar de forma acentuada a inflação. “A economia brasileira vai crescer mais do que a gente esperava, mas diante de alto desemprego, então há capacidade de oferta. Com isso, os gastos do governo não estão gerando demanda suficiente para ultrapassar a oferta e causar inflação. O que poderia ter é uma desconfiança muito grande em relação às contas públicas e isso levar a um fluxo de capital, com taxa de câmbio desvalorizando, causando inflação”, detalha.

No entanto, esse não é o cenário que acredita ser o mais provável, pois pondera que o “capital estrangeiro está muito mais arisco sobre o que está acontecendo no resto do mundo do que o que ocorre no Brasil”. Além disso, Terra completa que a medidas eleitoreiras estão implicando altos custos, mas os agentes já incorporaram as ações nas expectativas, ou seja, não devem gerar grandes movimentos no câmbio.

Mas ainda há a possibilidade de um aumento residual na taxa de juros. É o que acredita Pedro Henrique Ricco, CEO da Delta Investor, que vê em um aumento na Selic em 0,25 ponto percentual, levando a taxa para 14%. “O Copom está passando por um momento de decisão de trade-off, em uma economia que vem diminuindo a sua constância de crescimento e entendo que estamos em uma fase de platô”. Para o economista, a pressão na inflação está nos preços administrados em um momento político eleitoreiro, com defasagem no preço de energia e combustíveis. Para Ricco, o momento internacional conturbado traz mais pressão inflacionária e risco de desconfiança com a economia brasileira, pois o mundo ainda passa por mudanças robustas nas taxas de juros.

A pausa no ciclo de aperto monetário é um dos motivos apontados por economistas para um cenário mais favorável para o Ibovespa a partir de agora. Confira detalhes no vídeo:

 

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.