Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Últimas Notícias

Magalu reporta resultados nesta 5ª-feira, após o fechamento; veja prévia

Argentina tem 9º default soberano em meio a intensificação de negociações sobre dívida

Economia22.05.2020 19:30
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters. (Blank Headline Received)

Por Cassandra Garrison e Adam Jourdan e Hugh Bronstein

BUENOS AIRES (Reuters) - A Argentina deixou de fazer ​​nesta sexta-feira pagamentos de cerca de 500 milhões de dólares em cupons de bônus já atrasados, disseram credores e uma agência de classificação de risco, marcando o nono default soberano do país em meio a negociações de reestruturação com credores.

A inadimplência em três títulos ocorreu no momento em que as negociações para dar nova cara a cerca de 65 bilhões de dólares em dívida externa se intensificaram, com o ministro da Economia, Martín Guzmán, dizendo que as negociações estavam em um curso positivo, apesar da "distância importante" até um acordo.

Uma fonte próxima às negociações e familiarizada com o pensamento do governo disse à Reuters que os dois lados estavam fazendo progressos substanciais e que um acordo abrangente era possível em "questão de dias, não meses".

A Argentina e seus credores, que negociaram propostas no último mês, indicaram que estavam ansiosos para evitar um default conturbado que poderia desencadear anos de litígio e bloquear o acesso ao mercado global de capitais ao país, importante produtor de grãos.

A Argentina adiou o prazo para um acordo até 2 de junho, em meio a sinais de que os dois lados podem estar mais perto de um consenso.

O default, no entanto, pode complicar as coisas.

"A Argentina hoje falhou no pagamento de 503 milhões de dólares em juros originalmente previsto para 22 de abril", disse em comunicado Gabriel Torres, um dos vice-presidentes da Moody's, acrescentando que isso é consistente com a atual avaliação de crédito soberano da agência para o país.

Os pagamentos dos títulos tiveram um período de carência de 30 dias.

"Esperamos que o caminho a seguir para a reestruturação da dívida na Argentina provavelmente se torne mais problemático", acrescentou Torres.

O embaixador da Argentina nos Estados Unidos havia escrito anteriormente em uma carta obtida pela Reuters que o país deixaria de fazer os pagamentos desta sexta-feira, dada a "perspectiva de chegar a um acordo com seus credores sobre novos termos para seus títulos".

Guzmán disse em comunicado que o pagamento de juros faz parte de uma discussão mais ampla sobre reestruturação "e esperamos que isso seja tratado no acordo mais abrangente que estamos buscando".

O ministro disse à Reuters na quinta-feira que o governo planeja alterar sua oferta aos credores com base em negociações nos próximos dias.

"Esses são tempos críticos. O que é alcançado agora afetará as vidas de milhões de pessoas e provavelmente terá efeitos em toda uma classe de ativos", disse ele.

"AÇÕES FALAM MAIS ALTO QUE PALAVRAS"

Os credores também têm mostrado sinais de flexibilidade e indicaram que não devem tomar medidas imediatas contra a Argentina por causa de qualquer default, desde que as negociações estejam no caminho certo.

Um grande grupo de credores, que detém cerca de 16,7 bilhões de dólares em bônus internacionais da Argentina, disse nesta sexta-feira que, embora o não cumprimento de pagamento provoque default em vários títulos, a Argentina está buscando um acordo abrangente.

O Ad Hoc Bondholder Group, incluindo nomes como Ashmore, BlackRock e AllianceBernstein, alertou que deseja mais compromisso da parte da Argentina, o que, para o grupo, ainda está faltando.

"O grupo saúda a expressão argentina de uma intenção de trabalhar com credores, mas as ações falam mais alto que as palavras", afirmou. "No último mês, a Argentina não teve praticamente nenhum compromisso substancial com seus credores."

O Comitê de Credores da Argentina, outro dos principais grupos, disse que se opôs à decisão do país de deixar de pagar seus títulos internacionais, embora continue comprometido a buscar um bem-sucedido acordo de reestruturação.

"Esse último default, se não for prontamente resolvido, impedirá o acesso ao mercado de capitais internacional necessário para a recuperação da economia argentina e, portanto, será prejudicial para o povo argentino."

A diretora regional da Economist Intelligence Unit para a América Latina e o Caribe, Fiona Mackie, disse em nota que um default tornaria o acordo ainda mais crucial para a economia argentina, que já está em recessão há dois anos.

"Sem ele, a Argentina enfrenta uma perspectiva perturbadora não apenas neste ano, mas nos próximos anos", escreveu ela, acrescentando que o medo de perder o acesso aos mercados de crédito estimularia o governo a fechar um acordo.

"A alternativa é sombria e inclui o risco crescente de uma espiral hiperinflacionária, enquanto a atividade econômica permanece contida por restrições de financiamento", disse ela.

Argentina tem 9º default soberano em meio a intensificação de negociações sobre dívida
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (2)
Edy Tonel
Edy Tonel 23.05.2020 14:56
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Nenhum país socialista consegue gerar riquezas suficientes para pagar dívidas, pelo contrário, incham o Estado com seus simpatizantes, os líderes vivem embebecidos na corrupção para se manterem no poder.
André Baptista
André Baptista 23.05.2020 11:17
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
viva o socialismo!O resultado não pode ser outro, mas ainda há inocentes que acreditam nisso. E isso não é só mérito dos hermanos, no Brasil o que mais se vê é pessoas sem a mínima noção apoiar ideia de um estado grande, quando se fala em privatizações só se vê pessoas falando que estão vendendo o que é nosso. Nunca ganhei nada com a Petrobras sendo estatal e detendo o monopólio, pelo contrário, só pago mais caro para manter uma grande empresa que foi saqueado pelos bandidos petistas por anos, mas sempre haverá os que defendam! É a verdadeira síndrome do vira latas...
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail