Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Dólar acompanha exterior e sobe ante real; política monetária segue no radar após dados de inflação

Moedas24.09.2021 10:43
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
2/2 © Reuters. Cédulas de dólares REUTERS/Mohamed Abd El Ghany 2/2

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar avançava contra o real nesta sexta-feira, acompanhando a valorização internacional da divisa norte-americana, considerada segura, em meio a temores sobre a incorporadora chinesa Evergrande e expectativa de redução de estímulos pelo Federal Reserve em breve.

Enquanto isso, os investidores avaliavam as perspectivas para a política monetária brasileira à medida que digeriam dados de inflação mais fortes do que o esperado para setembro.

Às 10:22, o dólar avançava 0,63%, a 5,3428 reais na venda, após tocar 5,3540 no pico do dia (+0,84%), enquanto o dólar futuro negociado na B3 (SA:B3SA3) subia 0,68%, a 5,3485 reais.

Os mercados financeiros globais continuavam apreensivos com a imensa dívida da Evergrande (OTC:EGRNY), depois que o prazo de quinta-feira para o pagamento de 83,5 milhões de dólares em juros de um título denominado em dólares passou sem a empresa se pronunciar.

"Na China, não há ainda sinais de que o problema da Evergrande está perto de ser equacionado de maneira estrutural", alertou em blog Dan Kawa, CIO da TAG Investimentos. "Isso terá impacto não desprezível sobre o crescimento do país e do mundo, em algum momento. Quanto mais tempo levar para essa questão ser solucionada ou endereçada, maior o impacto."

Em meio ao posicionamento mais resguardado dos operadores, o índice do dólar contra uma cesta de seis moedas fortes subia 0,27% nesta manhã. Peso mexicano, rand sul-africano e lira turca, pares arriscados do real, caíam de 0,6% a 1,2% contra a divisa norte-americana.

Também no radar internacional, o chair do Federal Reserve, Jerome Powell, fará discurso nesta manhã em que pode oferecer mais detalhes sobre os planos do banco central de dar início à reversão de suas medidas de estímulo de combate à pandemia. Na quarta-feira, o Fed sinalizou que provavelmente começará a cortar suas compras de títulos em novembro.

Enquanto isso, no Brasil o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial, subiu 1,14% em setembro, sobre alta de 0,89% no mês anterior, informou o IBGE nesta sexta-feira. Pesquisa da Reuters com economistas estimava alta de 1,02% para o período.

No acumulado em 12 meses, a alta do IPCA-15 chegou aos dois dígitos pela primeira vez desde o início de 2016, a uma taxa de 10,05%.

À medida que os dados de inflação continuam a surpreender para cima, os mercados seguem atentos às perspectivas para a taxa básica de juros do Brasil, com muitos observando que o atual ritmo de aperto monetário do Banco Central pode não ser o suficiente para aliviar as intensas pressões sobre os preços.

"Se o BC mantém o ritmo atual (de elevação da taxa Selic), o mercado fica com a sensação de que, para conter a inflação, precisaria de alta mais forte", disse à Reuters Rafael Panonko, analista-chefe da Toro Investimentos.

Ainda assim, disse ele, é possível que a manutenção do ritmo recente de alta dos juros permita uma Selic terminal mais elevada, algo que talvez não pudesse se concretizar se o BC optasse por promover aumentos superiores a 1 ponto percentual na taxa ao longo das próximas reuniões de política monetária.

O Banco Central aumentou a taxa básica de juros em 1 ponto percentual pela segunda reunião de política monetária consecutiva na quarta-feira, a 6,25% ao ano, e indicou alta de igual magnitude em seu próximo encontro.

Várias instituições financeiras têm elevado suas projeções para a Selic ao fim do ciclo de aperto monetário do Banco Central, com algumas casas prevendo taxa terminal de até dois dígitos.

Custos mais altos dos empréstimos no Brasil tendem a elevar a atratividade do mercado de renda fixa local, intensificar o ingresso de dólares no país e, consequentemente, beneficiar o real.

Mas qualquer valorização da moeda brasileira depende, afirmou Panonko, das trajetórias de inflação e retomada econômica e da agenda fiscal do governo, com necessidade de passar a impressão de austeridade e comprometimento com o teto de gastos.

O dólar caminhava para encerrar a semana em alta de mais de 1% contra o real.

Na véspera, a moeda norte-americana subiu 0,12%, a 5,3094 reais.

Dólar acompanha exterior e sobe ante real; política monetária segue no radar após dados de inflação
 

Artigos Relacionados

Dólar sobe a R$ 5,70 com ruptura na equipe econômica
Dólar sobe a R$ 5,70 com ruptura na equipe econômica Por Estadão Conteúdo - 22.10.2021

O dólar opera em alta na manhã desta sexta-feira, 22, na contramão da queda predominante no exterior, após a saída de Bruno Funchal (secretário especial do Tesouro e Orçamento) e...

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (4)
Luciano Machado
Luciano Machado 24.09.2021 13:04
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
FMI elogia o Brasil quando veremos comentários sobre essa matéria.Ta na hora do mercado defender nossos ativos premiando matérias patrióticas buscando analisando pontos positivos.
Ricardo P Silveira
Ricardo P Silveira 24.09.2021 12:02
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
*** A conta pela incompetência do #Bolsocaro chegou *** Em 2018 a gasolina R$ 4,30... inflação 3,75%... dólar R$ 3,80... Selic 6,5% *** Hoje a Selic voltou para o mesmo patamar de 2018... mas a gasolina foi pra R$ 7... inflação 7%... dólar R$ 5,30 *** Bolsonaro tá çértú ; )
Altair Sanches Espanha Junior
Altair Sanches Espanha Junior 24.09.2021 10:59
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
ainda não escreveram que a culpa é do Bolsonaro???? seus LERDOS!!!!!
Thomaz Almondes
Thomaz Almondes 24.09.2021 10:51
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Sem reformas, e as que sugeriram são horríveis, um Presidente louco, instabilidade interna. Pode aumentar a Selic para 20% que o dólar vai continuar aumentando. Qual investidor que vai investir aqui com esse povo doido no governo?
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail