Garanta 40% de desconto
⚠ Alerta de Balanço! Quais ações estão prontas para disparar?
Veja as ações no nosso radar ProPicks. Essas estratégias subiram 19,7% desde o início do ano.
Não perca a lista completa

Entrar ou passar longe? Setores preferidos e deixados de lado por gestores em 2023

Publicado 19.01.2023, 16:18
Atualizado 20.01.2023, 08:13
© Reuters.

Por Jessica Bahia Melo e Leandro Manzoni

Investing.com – Em um cenário macroeconômico brasileiro e global ainda desafiador, os gestores têm se posicionado um tanto mais cautelosos diante de teses de crescimento e apostado em setores que seriam considerados de valor ou resilientes, conforme especialistas consultados pelo Investing.com. Acrescenta-se às incertezas um novo governo no Brasil com uma visão econômica diferente de seus antecessores.

"Não teve transição, e o [novo] governo assume com mudança em vários aspectos [de política econômica] após 6 anos", avalia Alexandre Silvério, CEO da Tenax Capital, apontando a inversão da pauta econômica liberal dos governos de Michel Temer e Jair Bolsonaro para uma agenda de maior gasto sob a administração do recém-empossado presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"O governo ainda não começou, o segundo escalão ainda não foi nomeado", prossegue o gestor, que ressalta ainda ser cedo para elaborar um cenário assertivo do que vai ser a economia doméstica. "A expectativa é grande em pontos que ainda não foram adicionados pela equipe econômica, como a nova âncora fiscal", analisa Silvério, ao mencionar que o governo Lula ainda não estabeleceu expectativa alguma do que vai ser a política econômica.

"Houve alguns sinais de retrocesso, depois desmentidos, o que assusta os agentes econômicos" afirma o CEO da Tenax, ao citar discussões em pauta, como a reoneração dos tributos federais sobre os combustíveis, antirreforma da Previdência, nova política de preço dos combustíveis, o marco do saneamento básico e a reversão da privatização da Eletrobras (BVMF:ELET3). "Mercado não gosta de incerteza", completa.

Setores com oportunidades

Werner Roger, CIO da Trígono Capital, afirma que as empresas de maior concentração devido aos fundamentos são voltadas ao setor industrial, com foco na indústria automotiva pesada, como veículos leves, caminhões e máquinas de linha amarela, além de tratores agrícolas. Na visão do gestor, o governo eleito tem um apreço especial ao setor automobilístico, levando em consideração que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva é ex-metalúrgico. Os períodos anteriores de gestão de Lula foram positivos para este segmento, segundo Roger. Além disso, o novo ministro da Indústria e Comércio Geraldo Alckmin já indicou que o país precisaria passar por um processo de reindustrialização.

Entre as empresas que vêm apresentando bom desempenho, na visão da Trígono, estão a Tupy (BVMF:TUPY3), Schulz (BVMF:SHUL4) e Metal Leve (BVMF:LEVE3). Com receitas no mercado externo por volta de 70% do total da Tupy, investir na companhia é uma forma de optar por uma empresa com foco na economia global, principalmente nos Estados Unidos. “Para nós, a grande cereja do bolo, a MWM [adquirida pela Tupy] desenvolveu uma tecnologia para fazer motores alimentados por biometano, gás de resíduos de lixo urbano e do agronegócio”, destaca. A Trígono espera resultados “excelentes em 2023”, com dividendos robustos, que não foram pagos nos últimos anos devido a aquisições da Tupy.

A Schulz também atende a indústria automobilística pesada, mas não compete com a Tupy, segundo Roger. “A companhia exporta cerca de 40%, está construindo duas fábricas novas, com produtos extraordinários e conta com uma demanda muito forte”, avalia. Em relação à Metal Leve, que fornece outras peças de reposição para montadoras, a expectativa é de um dividend yield em torno de 20%, com geração de caixa forte para remunerar os acionistas.

Frederico Nobre, líder da área de análise da Warren, que também atua como gestora, elenca os setores de maior otimismo para 2023: commodities, energia elétrica e bancos. Nobre avalia que, olhando para o cenário doméstico, ainda há muitas incertezas, principalmente relacionadas aos ciclos de juros e inflação. “Quando a gente olha para o setor de utilidades públicas, são empresas que conseguem repassar essa inflação. Em relação às commodities, há a perspectiva de reabertura da China, que deve continuar impactando os preços, já tivemos uma alta no preço do minério de ferro, principalmente, no aço, nas commodities metálicas. Estamos vendo também uma recuperação do petróleo”.

Nobre lembra que os rendimentos são dolarizados e indica a perspectiva de que a moeda americana permaneça em patamar elevado por mais tempo, o que traria uma proteção para os ativos. “A gente prefere ser um pouco mais conservador na nossa alocação de carteiras, porque ainda tem algum nível de incerteza. Entendemos que essas empresas devem pagar bons dividendos, olhando para esse ano”.

Em relação ao setor financeiro, a Warren acredita que os bancos conseguem ser resilientes em qualquer cenário e apresentam bom valuation atualmente. Empresas como Bradesco (BVMF:BBDC4) e Itaú (BVMF:ITUB4) estariam descontadas.

Silvério, da Tenax, não foge da visão dos outros gestores quanto ao olhar com atenção em oportunidades ligadas à commodities. "Preponderam [grandes probabilidades de ganhos em setores] como papel e celulose, mineração e commodities agrícolas". diz o gestor, que está de olho no processo de reabertura da economia chinesa combinado com uma desaceleração econômica nos EUA - neste caso, enfraquecendo o dólar e favorecendo o preço das commodities.

Investidores devem correr de alguns setores

A Warren prefere ficar longe de empresas cíclicas neste ano, com foco em alto crescimento e dependentes da economia doméstica, como setores de varejo e ramo imobiliário.

“No caso do varejo, nós preferimos empresas do consumo básico e não discricionário, mas temos recomendações em Arezzo (BVMF:ARZZ3) e Grupo Soma (BVMF:SOMA3), que são os nossos preferidos porque atendem a classe AB, são menos suscetíveis à inflação, e à perda do poder de compra”, aponta Nobre.

A Trígono Capital deve manter distância das varejistas. Com a taxa Selic em patamares elevados, em 13,75%, empresas que estejam dependentes do consumo devem continuar a ser pressionadas. “Os juros aumentam o endividamento das famílias, que está em nível recorde, não há recursos para fazer novas aquisições de consumo em geral, roupa nova, eletrônico, celular”, completa Roger, que enxerga que em um cenário de cautela sobre o risco fiscal, o Banco Central não deve iniciar o ciclo de afrouxamento monetário tão cedo.

A Tenax Capital compartilha da avaliação das outras gestoras em relação ao investimento em ações de empresas ligadas à economia doméstica, devido ao grau elevado de incerteza econômica. E acrescenta mais um grupo de empresas para os investidores não aportarem seu dinheiro.

"Ficaria longe de empresas com alavancagem financeira e com dificuldade de repasse de preços", indica Silvério, citando que a taxa Selic alta vai continuar por muito tempo, o que deve elevar o custo de refinanciamento de empresas, elevando as despesas financeira e revertendo o lucro.

Ainda não sabe no que investir em 2023? Confira o podcast do Investing.com Brasil Estratégia de Carteira. Caso não apareça o player, ouça pelo Anchor, Spotify, Google ou Apple Podcasts.

Últimos comentários

Será que ainda estão recomendando ficar longe do setor imobiliário? Índice IMOB com alta de quase 50% em 2023.
Carro popular( lixooooo) por 80k! Kkkkk e o cara vem falar de poder de compra e entrar no ativo! BBDC3 tenho e sempre que sobra algum compro mais…
O pessoal não está lendo direito a matéria e está dizendo para ir na contra mão, totalmente errado. São GESTORAS de fundos, não corretoras, e o direcionamento da análise é coerente com a macroeconomia atual. As gestoras protegem o patrimônio dos investidores, exatamente porque seu lucro depende disso, ao contrário das corretoras, que ganham por indicação de produtos, como os bancos.
Quando falam pra correr de alguns setores... Entrem pesado que dá bom. Experiência
Acho que você não entendeu a relação dos envolvidos na entrevista. Os envolvidos são de GESTORAS de fundos, não de corretoras. As gestoras são as mais interessadas em proteger o patrimônio do investidor, porque seu lucro é diretamente relacionado ao lucro do investidor cliente. Conheço de perto o trabalho da Trígono, por exemplo, e concordo com a análise deles, até porque eles fazem um trabalho espetacular junto aos portfólios.
Fundos de Investimento são tudo furada.
são como todo investimento, se você fizer o dever de casa e estudar bem, eles são uma ferramenta espetacular de investimento e de proteção.
Análise sintética, precisa e abrangente. As informações são sempre úteis para as decisões pessoais.
Leia a biblia
ou seja, corra do setor automobílistico e entre no setor de varejo. Se qualquer corretora diz pra ir em X lugar, vá para Y
exato
Acho que você não entendeu. Os envolvidos são de GESTORAS de fundos, não de corretoras. As gestoras são as mais interessadas em proteger o patrimônio do investidor, porque seu lucro é diretamente relacionado ao lucro do investidor cliente. Conheço de perto o trabalho da Trígono, por exemplo, e concordo com a análise deles, até porque eles fazem um trabalho espetacular junto aos portfólios.
Corra sempre do que as corretoras, gestores e analistas de mercado. O pulo do gato ninguém fala.
Passar longe de brasil afinal e o pt quem governa ne sao politicos em todos locais prinordiais e politicos nao sao bons
Se esses gestores soubessem de algo estariam ricos ne e nao trabalhando em corretoras
Falou tudo
Nitidamente não sabe o que está falando. Eles NÃO trabalham em corretoras, e sim em gestoras. Estude.
Ótima matéria.Precisamos de mais desse tipo e largar um pouco(ou muito) as fofoquinhas partidárias.
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.