Garanta 40% de desconto
⚠ Alerta de Balanço! Quais ações estão prontas para disparar?
Veja as ações no nosso radar ProPicks. Essas estratégias subiram 19,7% desde o início do ano.
Não perca a lista completa

Pacientes morrerão se não forem retirados de hospital destruído em Gaza, diz chefe da OMS

Publicado 03.04.2024, 14:51
Atualizado 03.04.2024, 14:55
© Reuters. Palestinos inspecionam danos no Hospital Al Shifa após retirada das forças israelenses, na Cidade de Gaza
01/04/2024
REUTERS/Dawoud Abu Alkas

GENEBRA (Reuters) - A destruição do Hospital Al Shifa, em Gaza, exigirá mais retiradas médicas e, em última análise, causará mais mortes caso as transferências não ocorram rapidamente, disse o chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quarta-feira.

As forças israelenses, que deixaram o hospital na Cidade de Gaza na segunda-feira após uma operação de duas semanas, detiveram centenas de suspeitos de serem militantes palestinos e deixaram um rastro de destruição por onde passaram.

"As pessoas que precisam de retirada médica aumentarão, e a retirada médica já está lenta", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

"Pessoas vão morrer porque não terão acesso aos serviços do Shifa ou devido à lentidão da retirada, porque não podem ser retiradas."

Israel disse ter matado centenas de combatentes do Hamas que haviam se instalado no local. O Hamas e a equipe médica negam a presença de combatentes.

"O processo de retirada tem que ser mais rápido", disse. "Caso contrário, perderemos muitas pessoas. Perderemos muitas vidas."

Richard Peeperkorn, representante da OMS para a Cisjordânia e Gaza, disse que a destruição do Hospital Al Shifa deixaria "milhares de pessoas sem assistência médica". Segundo ele, os pacientes teriam que ser transferidos, de alguma forma, para outras instalações de saúde no norte do enclave palestino devastado pela guerra, já em dificuldade para seguir funcionando.

"Temos que reconhecer que o atendimento médico é absolutamente insuficiente em Gaza", disse. "É um sistema de saúde de joelhos, como já dissemos tantas vezes... É insuficiente. Está incompleto."

Apenas 10 dos 36 hospitais de Gaza ainda são capazes de funcionar, mesmo que parcialmente, disse Tedros.

© Reuters. Palestinos inspecionam danos no Hospital Al Shifa após retirada das forças israelenses, na Cidade de Gaza
01/04/2024
REUTERS/Dawoud Abu Alkas

Ele afirmou que a OMS tenta visitar o local onde ficava o Al Shifa para conversar com a equipe e ver o que poderia ser salvo. Adiantou, no entanto, que a situação no local parece "desastrosa".

Maior hospital da Faixa de Gaza antes da guerra, com 750 leitos e muitas salas de cirurgia, o Al Shifa era uma das poucas instalações de saúde parcialmente operacionais no norte de Gaza antes do ataque.

(Reportagem de Gabrielle Tétrault-Farber)

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.