Últimas Notícias
0

2019: o Ano em que “Mudar Isso Daí” Vira Realidade (ou Não)

Por Terraço Econômico (Caio Augusto)Resumo do Mercado08.11.2018 12:10
br.investing.com/analysis/2019-o-ano-em-que-mudar-isso-dai-vira-realidade-ou-nao-200223632
2019: o Ano em que “Mudar Isso Daí” Vira Realidade (ou Não)
Por Terraço Econômico (Caio Augusto)   |  08.11.2018 12:10
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Após um período eleitoral sui generis, com direito a atentado, campanha sendo levada basicamente por redes sociais e ausência de debates no segundo turno, chegamos ao Presidente Bolsonaro, eleito com pouco menos de 58 milhões votos. A esperança de muitos, desconfiança de outros mais, a partir de primeiro de janeiro de 2019, presidência de todos.

Liderado pelo sentimento de mudança (e pelo antipetismo), Jair Bolsonaro conseguiu o impressionante feito de, sem um grande partido, sem tempo de TV, sem recursos enormes do fundo partidário, sem ter feito campanha ativa e sem ter anunciado um plano com profundidade, conseguir ser eleito presidente do Brasil.

Agora a questão não se dá mais sobre quem deveria ocupar o cargo mais alto do executivo e os porquês disso, mas sim sobre o que aquele que irá ocupá-lo fará em termos práticos.

A empolgação no curto prazo é notável: bolsa de valores superando recordes nominais, investimentos que aguardavam desde meados de 2014 começam a ser anunciados, expectativa de juros começa a diminuir na ponta futura. Tal animação advém do fato de que o PT, cujo plano era economicamente destrutivo (um verdadeiro emulador do primeiro mandato de Dilma, o que poderia ser chamado facilmente de Plano “Agora Vai”), não ter vencido o pleito. Isso já basta para o mercado respirar aliviado.

Esquece-se (seletivamente, talvez) que o plano elaborado pela equipe de Bolsonaro não é de uma riqueza de detalhes que chame a atenção. Não que isso seja novidade, já que a maioria dos programas de governo dos treze candidatos era razoavelmente vaga. Mas, de novo, para não nos perdermos: aqui falamos daquele que ganhou, que irá assumir o posto no primeiro dia de 2019.

Uma das expressões mais ditas - e até imitadas - do presidente eleito é “tem que mudar isso daí”. Tal fala enche de esperança muitos dos que decidiram depositar sua confiança por meio do voto nele. Se pararmos para pensar, realmente o Brasil tem muitas coisas que poderiam ser alteradas para que fosse possível termos vidas melhores: a burocracia poderia ser menor, o peso e a interferência do Estado, o retorno de nossos impostos poderia ser mais perceptível, a violência poderia ser muito menor, a educação melhor, etc. Nisso, estou de acordo com o Bolsonaro. Porém, o que será que significa em termos práticos esse “mudar isso daí?”.

O país vive uma grave crise fiscal que já dura mais da metade desta década. Se isso for mantido, a corda orçamentária logo arrebentará. Isso não é novidade para quem acompanha a economia brasileira e o drama de quem, como já ocorre em estados como MG, RJ ou RS, nos quais os servidores recebem até o salário parcelado porque não há recurso suficiente para o tamanho dos gastos. Este parece ser um dos pontos principais de mudança que devem ser enfrentados, uma vez que, com o orçamento público apertado, o poder de atuação do Estado acaba também se limitando - no caso, o orçamento está cada vez mais direcionado ao pagamento de aposentadorias e menos a todas as outras áreas.

Sim, ainda há muito a se anunciar e a transição entre Temer e Bolsonaro ainda precisa avançar bastante para que o plano de mudanças possa ser enfim encaminhado para a realidade. Porém, com anúncios hoje muito mais focados no objetivo do que nos aspectos que práticos de como isso ocorreria (como esse, de Paulo Guedes, afirmando que o Brasil sairá do déficit fiscal em apenas um ano, o que parece improvável), é preciso que se mantenha os pés no chão quando tratamos do futuro do país.

Não, não está tudo resolvido só porque o PT não foi eleito. A situação é muito complicada e demanda esforços reais muito maiores do que os empenhados em discursos inflamados e frases feitas. O corporativismo brasileiro (empresarial e político) ainda é forte demais para que pensemos que o liberalismo econômico terá passagem livre.

E, por mais que alguns possam discordar veementemente, há sim uma chance real de que “mudar isso daí” seja mais uma das soluções fáceis, rápidas e quase sempre ineficientes que o brasileiro tanto ama declarar apoio.

Acompanhemos os próximos capítulos, mas tenhamos certeza de que o ano que vem será um belo indicativo de tudo que ocorrerá nos próximos quatro anos - se será mais do mesmo (o que resultará em grande decepção) ou se veremos mudanças positivas que impactarão as próximas gerações, como todos nós esperamos.

2019: o Ano em que “Mudar Isso Daí” Vira Realidade (ou Não)
 

Artigos Relacionados

2019: o Ano em que “Mudar Isso Daí” Vira Realidade (ou Não)

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias ou ataques pessoais dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Registrar-se com Google
ou
Registrar-se com o e-mail