Garanta 40% de desconto
🚀 6 ações que subiram +25% no 1º tri selecionadas pela nossa IA. Quais ações vão subir no 2º tri?Não perca a lista completa

Com Juros Baixos, Investidor Deve Escolher Entre Poupar ou Investir

Publicado 12.02.2021, 12:00
Atualizado 09.07.2023, 07:32

Por Gabriel Barbosa e Luiz Augusto F. Amaral

Quem entrou no mercado de trabalho depois do Plano Real não se lembra, mas o Brasil teve um histórico de inflação descontrolada e planos econômicos mirabolantes até 1994. Para se proteger desse cenário que corroía dramaticamente o poder de compra da população, o porto seguro do Brasileiro com capacidade de investimento e/ou poupança sempre foi adquirir um imóvel ou “aplicar” o dinheiro na poupança de um grande banco. O imóvel sempre funcionou como um hedge natural contra inflação, protegendo assim o capital investido.

O investidor médio brasileiro sempre teve um perfil rentista, baseado nas altas taxas de juros praticadas no Brasil, porém, o mundo como um todo vive hoje um novo contexto de juros muito baixos, em muitos casos chegando a ter juros reais negativos em função da inflação.

Aqui, a taxa básica da economia, SELIC, alcançou o menor patamar histórico de 2,00% a.a., deixando o investidor brasileiro órfão de sua aplicação de renda fixa, pois ainda que os juros referenciais da economia voltem a subir, não se tem expectativa que recupere um patamar acima de 7% ou 8% ao ano. Considerando uma inflação na faixa de 3,0% a 4,5% ao ano, o ganho real do rentista ficaria em torno de 2,5% a 5,0% ao ano, isso bruto, antes dos impostos.

Com a mudança da regra da poupança, passando a ser atrelada ao CDI quando este está abaixo de 8,5%, sendo 70% da taxa Selic mais a variação da TR, o investidor tradicional da poupança está perdendo para a inflação, ou seja, não consegue manter o poder de compra de seu capital. Isso sequer pode ser considerado um investimento, acaba sendo, como o próprio nome diz, apenas o ato de poupar, economizar.

Considerando o cenário de responsabilidade fiscal e inflação sob controle, o investidor, que sempre priorizou a renda fixa, vai se manter na busca por investimentos alternativos que possam efetivamente protegê-lo da inflação e se possível ainda proporcionar um ganho real.

Ainda assim, segundo dados da Anbima, pode parecer um pouco contraditório, mas o volume de recursos alocados na poupança continua crescendo. Hoje existe mais de R$ 1 trilhão alocados nesse tipo de investimento, sendo que em meados de 2014 o valor era pouco mais da metade disso.

A indústria de fundos imobiliários se apresenta nesse contexto como uma excelente alternativa de diversificação dos investidores e contribui muito na busca pela preservação do poder de compra dos recursos do investidor e no ganho real, ou seja, acima da inflação. Esse tipo de investimento, além de proporcionar uma renda recorrente mensal com o benefício da isenção fiscal, está no meio do caminho entre uma aplicação de renda fixa conservadora, que não existe mais com os retornos de antigamente, e o mercado de capitais, em especial o mercado de ações que costuma trazer ganhos potenciais maiores, porém com muito mais volatilidade.

Não à toa o número de investidores nesse tipo de fundo vem crescendo de maneira significativa nos últimos anos. Em dezembro de 2018 esse mercado contava com pouco mais de 200 mil investidores. O ano de 2020 fechou com quase 1,2 milhões de investidores, divididos em pouco mais de 300 fundos listados, com valor de mercado total em torno de R$ 120 bilhões. Ainda muito pouco se comparado ao R$ 1 trilhão alocados na poupança.

Boa parte desses recursos alocados em FIIs são de investidores enquadrados como clientes Private e de alta renda, enquanto o investidor de varejo ainda representa quase 85% do volume depositado na poupança. Existe um potencial latente e enorme de migração de parte desses recursos da poupança para o segmento de FIIs. A liquidez desse tipo de ativo também vem crescendo de maneira significativa, onde a média diária de negociação subiu de R$ 45 milhões em 2018 para R$ 216 milhões em 2020. Ainda muito pouco se comparado com o mercado acionário que movimenta em média R$ 30 bilhões por dia, considerando apenas as empresas que fazem parte do Ibovespa.

O mercado de FIIs está amadurecendo, ganhando corpo, escala e cada vez maior profissionalismo. Os gestores estão cada vez mais preparados para atender ao grande público de varejo. Nos EUA, segundo dados do site reit.com, existem mais de 145 milhões de pessoas físicas investindo em REITs, veículo de investimento comparado aos FIIs brasileiros. Esse movimento de crescimento do número de investidores está acontecendo de maneira gradativa no Brasil, mas o ambiente de juros baixo e incertezas inflacionárias está potencializado esse processo.

Ainda segundo dados da Anbima, os investimentos dos brasileiros totalizaram R$ 3,7 trilhões em dezembro de 2020 e os Fundos Imobiliários tinham a parcela de R$ 52 bilhões desse total. É nítido o potencial de migração dos investidores pessoa física para essa classe de ativos e não vemos motivos para que o número de cotistas não continue crescendo exponencialmente nos próximos anos.

O crescimento deve impulsionar novos produtos, novas gestoras e a consolidação de empresas que já atuam no segmento há anos. O mercado como um todo ganha com isso e os investidores passam a contar cada vez mais com uma estrutura profissional para investir em ativos imobiliários, sem precisar ser proprietário diretamente de um imóvel. Isso significa maior potencial de rentabilidade e mais facilidade para se fazer liquidez parcial ou total em caso de necessidade. O momento é oportuno para novos investimentos, pois com a manutenção do cenário atual, a tendência é de valorização das cotas ao longo dos próximos anos, independente de ajustes na política monetária atual.

Gabriel Barbosa é responsável pela Estruturação, Distribuição e Relação com Investidores dos Fundos da TRX.

Luiz Augusto F. Amaral é sócio-fundador e CEO da TRX.

Últimos comentários

Caraca!!!! É o Gabigol???!!!!
qual investimento hj q não perde para a inflação real, não essa fraude chamada IPCA?
Concordo plenamente. O IPCA está MUITO maquiado. Tudo dobrando de preços e o IPCA acumulado em 12 meses abaixo de 5%.
E ai, qual administradora de FIIs que patrocinou essa materia?????
deve ter tido a intenção de dizer " depois do plano real" porque antes que estava no mercado se lembra.
Quem entrou no mercado de trabalho antes do Plano Real não se lembra, mas o Brasil teve um histórico de inflação descontrolada e planos econômicos mirabolantes até 1994. Não é bem assim Gabriel a gente lembra muito bem, greve todo ano para repor a inflação, freezer para estocar comida, corta três zeros da moeda, cruzeiro cruzado, comprar no longo prazo só consórcio, dólar só no câmbio negro, confisco e os planos mirabolantes e etc...
FII não é renda fixa, nem local para rentabilizar reserva de emergência. Se quiser arriscar sua reserva, coloque um pequeno percentual.
Juros baixos tudo proposital para que a sardinhada caia na armadilha dos tubarões, investe tudo na bolsa para os tubarões comerem tudo de uma só vez. O conservador sempre está atento a esses dialetos de que a bolsa se ganha dinheiro fácil.
Ninguém falou em dinheiro fácil amigo
William, se acredita que a B3 é cassino e que somente os tubarões ganham dinheiro, faz o seguinte: continua "investindo" em renda fixa (com rentabilidades negativas frente à inflação MAQUIADA) enquanto quem estuda e investe a longo prazo em ações de boas empresas ganhará dinheiro. Bolsa é longo prazo, mas ainda tem gente que acha que ela foi feita para ficar rico do dia para noite (e são esses que ficam pobres do dia para noite).
Resumo: invista em FII
Muito bom Gabriel, apenas uma correção de "antes" para "depois" na questão do plano real.
🤞
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.