Garanta 40% de desconto
🚨 Os mercados estão em baixa. Descubra ações subvalorizadasDescubra ações agora mesmo

Como o Covid e o Conflito EUA-China Criaram Problemas na Cadeia de Semicondutores

Publicado 17.03.2021, 09:39
Atualizado 09.07.2023, 07:32

Esse é o meu primeiro artigo escrevendo para Investing.com. Aqui vou compartilhar muito conteúdo sobre macroeconomia e investimentos globais.

Tenho mais de 10 anos de experiência no mercado financeiro internacional e por muito tempo fiz gestão de portfólios bilionários no JPMorgan (NYSE:JPM) (SA:JPMC34) na Suíça. Portanto, os conteúdos de investimentos que compartilharei aqui com vocês seguirão a linha de visão global, mas que qualquer pessoa pode implementar.

Para esse primeiro artigo, pensei em falar sobre algo muito importante que está acontecendo, mas poucos no Brasil estão cientes: a crise de oferta dos semicondutores.

Os semicondutores (microchips feitos principalmente de silicone) estão por todos os lados: telefones celulares, computadores, aviões, televisões, carros, etc. Em 2020, a demanda global foi de cerca de US$ 440bi (alta de 6.5% versus 2019). E ela tende a aumentar no futuro, com o avanço de indústrias disruptivas (Inteligência Artificial, 5G, Blockchain, Internet das Coisas, computadores quânticos, etc).

Semicondutores são usados para processamento de informações em alta qualidade e velocidade. Portanto, ter acesso a bons semicondutores é do interesse nacional dos países, para se protegerem de qualquer ameaça externa.

Muito embora a indústria já exista desde o fim da Segunda Guerra Mundial, e sua demanda cresce ano após ano, o mundo se encontra atualmente em um cenário de grande falta de semicondutores. A indústria de automóveis, sozinha, está em falta de US$ 60 bilhões em semicondutores, segundo a empresa de consultoria AlixPartners, e esse cenário não deve mudar tão cedo. E um dos grandes culpados foi o coronavírus que desestabilizou as cadeias produtivas e criou uma explosão na demanda por aparelhos eletrônicos.

Anúncio de terceiros. Não é uma oferta ou recomendação do Investing.com. Leia as nossas diretrizes aqui ou remova os anúncios .

Então como tudo no mercado, sempre quando há um choque haverá vencedores e perdedores. Portanto, estar ciente de quem sai ganhando nesse desequilíbrio entre oferta e demanda é fundamental para fazer bons investimentos.

A INDÚSTRIA DE SEMICONDUTORES

Semicondutor é um aparelho muito pequeno (menor que um selo de carta, por exemplo) composto de bilhões de componentes, que armazenam, processam e transferem dados. É uma ferramenta poderosíssima e com enorme capacidade tecnológica dentro, fruto de anos de pesquisa e desenvolvimento.

Os semicondutores são utilizados nos mais diversos setores e são peças-chave nas indústrias (principalmente nas que estão revolucionando nosso modo de viver - 5G, IA, IoT, etc). Alguns veículos elétricos, por exemplo, chegam a ter mais de 3’500 semicondutores.

FONTE: US Congressional Research Service

ESTÁGIO ATUAL DA INDÚSTRIA

Da produção global total de cerca de US$ 440bi, os EUA vendem quase a metade (47%), seguido de Coreia do Sul, Japão, Europa, Taiwan e China (essa com somente 5% das vendas - guarde esse número, pois será útil na análise mais abaixo).

Embora os EUA vendem quase metade dos semicondutores mundiais, eles produzem somente 12% em seu território, tornando-os dependentes de fornecedores em outros países, principalmente da Taiwan Semiconductor Manufacturing (NYSE:TSM) (SA:TSMC34) (8a maior empresa do mundo em capitalização de mercado), a maior produtora mundial.

Isso é um problema, pois a China ameaça constantemente reanexar Taiwan, e caso isso acontecesse e a China dificultasse o acesso dos EUA, como os americanos iriam produzir seus aviões militares? Ou como a Apple (NASDAQ:AAPL) (SA:AAPL34) produziria seu poderoso chip A14 usado no iPhone 12? Ou seja, not good.

Anúncio de terceiros. Não é uma oferta ou recomendação do Investing.com. Leia as nossas diretrizes aqui ou remova os anúncios .

COVID-19 DESESTABILIZOU A CADEIA PRODUTIVA

Com o Covid-19, a indústria inteira foi chacoalhada. Primeiro, muita gente ficou em casa e a demanda por aparelhos eletrônicos tem subido muito. Segundo, alguns setores pararam a produção por completo e, agora que estão voltando, não encontram fornecedores de semicondutores.

Isso é o que tem acontecido na indústria automobilística, por exemplo. A General Motors (NYSE:GM) (SA:GMCO34) disse que somente em 2021 poderá deixar de lucrar até US$ 2 bi por conta da falta de semis. A Ford (NYSE:F) (SA:FDMO34) também estima nessa mesma magnitude.

Em 2020, com a forte ascensão do coronavírus, muitas montadoras se viram obrigadas a fechar suas linhas de produção durante meses. Montadoras normalmente trabalham com baixos estoques e seus fornecedores conseguem aumentar/reduzir os insumos em tempos relativamente baixos. Mas não é o caso para os fornecedores de semicondutores. Eles já têm demanda forte de várias indústrias. Então, quando as montadoras (que representam somente 12% da demanda agregada por semis) disseram que não iriam precisar mais dos insumos por muito tempo, os produtores de semis realocaram a produção para outras indústrias como eletrônicos e industriais.

FONTE: Semiconductor Industry Association

Então agora que a indústria automobilística reabriu a todo vapor (levada pela forte recuperação econômica americana), as montadoras estão com sérias dificuldades em produzir carros suficientes para atender a demanda. Segundo a IHS Markit, 672 mil carros deixarão de ser produzidos, somente no primeiro trimestre de 2021, por conta disso.

Embora os fornecedores estejam investindo para aumentar a capacidade de produção (TSMC investirá $28bi somente em 2021), a normalização poderá durar meses. Pois para produzir um chip pode durar até 26 semanas e as produtoras estão rodando com 95% da capacidade.

Anúncio de terceiros. Não é uma oferta ou recomendação do Investing.com. Leia as nossas diretrizes aqui ou remova os anúncios .

FONTE: Semiconductor Industry Association

TENSÃO GEOPOLÍTICA EUA x CHINA PIORA A SITUAÇÃO

O conflito comercial dos EUA com a China também ajudou a piorar a situação, principalmente quando a administração do presidente Trump proibiu a venda de semicondutores para empresas chinesas, como Huawei e ZTE. Essas empresas começaram a estocar semicondutores para a produção de celulares 5G, entre outros. Ao mesmo tempo, empresas americanas foram proibidas de comprar da empresa produtora chinesa, Semiconductor Manufacturing International (HK:0981) (SMIC).

A situação é tão preocupante (para todos os governos) que o presidente Joe Biden, em fevereiro, assinou uma ordem de urgência para que os EUA encontrem mecanismos para produzir semis em território americano.

A China, por outro, investirá US$1.4tri nos próximos 5 anos para que cerca de 70% da demanda chinesa seja produzida em território chinês, buscando sair da preocupante situação atual (somente 5% da venda mundial é chinesa).

QUEM SÃO OS VENCEDORES DISSO TUDO?

Simples, os fornecedores de semicondutores. Hoje a cadeia produtiva se divide em:

  • Produtores, também chamados de Foundries: TSMC (NYSE:TSM) (SA:TSMC34)

  • Designers, também chamados de Fabless: Qualcomm (NASDAQ:QCOM) (SA:QCOM34), Nvidia (NASDAQ:NVDA) (SA:NVDC34) e AMD (NASDAQ:AMD) (SA:A1MD34)

  • Produtores integrados (IDM), que fazem tanto a produção como design: Intel (NASDAQ:INTC) (SA:ITLC34), Samsung (LON:0593xq)

Nos últimos anos as empresas desse setor têm apresentado fortes retornos, dado a incrível demanda que cresce a cada ano por mais semicondutores de última geração.

No gráfico acima você vê a performance do S&P 500 (laranja) versus SOXX (ETF de semis, azul escuro), TSM (azul claro) e NVDA (amarelo). Impressionante!

Anúncio de terceiros. Não é uma oferta ou recomendação do Investing.com. Leia as nossas diretrizes aqui ou remova os anúncios .

Embora retornos passados não dão garantias de lucros futuros, os desequilíbrios da cadeia produtiva devem perdurar por meses, senão anos. Pois mesmo que o coronavírus seja amplamente controlado, a cultura de work from home veio pra ficar, e assim a demanda por eletrônicos deve permanecer aquecida. Enquanto que no lado da oferta, qualquer tentativa de construção de novas fábricas deve demorar entre 3 a 5 anos para ver a oferta aumentar significativamente.

Últimos comentários

e com isso o Brasil tá lascado
Excelente matéria! Só uma pequena correção, semicondutores são feitos de silício, não de silicone.
Excelente informação!
Excelente informação!
Excelente informação!
ja passou da hora de invadirmos a venezuela. precisamos de dolares
Muito bom!
Muito boa matéria.
Excelente! Oportunidade enorme de ALPHA  !
Belo cartao de visitas BILHOES!parabens!
Excelente, as informações estão concatenação com perfeição!!!
Ótimo artigo, muito esclarecedor.
não sou muito Bom com comunidades ... porém amigo ... esse post tem uma relevância gigantesca .... fiquem atentos ... vislumbramos tudo oq esse mercado move ... e aí teremos uma noção do impacto da notícia ... obrigado amigo por deixar mais claro oq já estava ... atente-se ao preço do ouro ... eh um sinal de novos ciclos econômicos gigantes .. abraços
não sou muito Bom com comunidades ... porém amigo ... esse post tem uma relevância gigantesca .... fiquem atentos ... vislumbramos tudo oq esse mercado move ... e aí teremos uma noção do impacto da notícia ... obrigado amigo por deixar mais claro oq já estava ... atente-se ao preço do ouro ... eh um sinal de novos ciclos econômicos gigantes .. abraços
li só até a parte que falou que os chips são feitos de silicone. Os que uso são de silicio.
dá um desconto ao cara. em inglês, silicon (silício), esse erro é recorrente em quem está longe das ciência exatas
dá um desconto ao cara. em inglês, silicon (silício), esse erro é recorrente em quem está longe das ciência exatas
li só até a parte que falou que os chips são feitos de silicone. Os que uso são de silicio.
Excelente conteúdo e lógica textual!Qual etc negociada nos EUA de semicondutores?
Excelente conteúdo e lógica textual!Qual etc negociada nos EUA de semicondutores?
fantástica a elaboração do conteúdo simplesmente tecnologia de ponta no domínio do mercado....Pecas pequenas mas com grandiosidade nos futuros mercados da tecnologia.....
Parabéns pelo artigo.
Muito legal ! Otimo artigo
interresante ...
comprei tsmc34 futuro promissor para a empresa.
Muito bom artigo, gostei
Andrey parabéns, que venham muitos outros textos como esse trazendo informações que ajudam pessoas comuns entender o mercado e a investir. Quais suas redes sociais para te seguir?
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.