Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Depois dos Bancos Centrais, a Inflação

Por Felipe SichelResumo do Mercado14.05.2022 21:44
br.investing.com/analysis/depois-dos-bancos-centrais-a-inflacao-200449485
Depois dos Bancos Centrais, a Inflação
Por Felipe Sichel   |  14.05.2022 21:44
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
 
Em nosso último comentário semanal discutimos as reuniões dos comitês de política monetária no Brasil e nos EUA, ambas finalizadas no dia 04/05 e com implicações relevantes para a projeção de taxas de juros. Uma semana depois, na quarta-feira, dia 11/05, foram divulgados os índices de preços ao consumidor no Brasil (IPCA) e nos EUA (IPC), ambos demonstrando o cenário atual desafiador.
 
Há vários meses que sustentamos os riscos associados à inflação. Por um lado, fatores relacionados às constantes rupturas nas cadeias logísticas e a questões geopolíticas no Leste Europeu têm pressionado os preços pelo lado da oferta. Por outro, taxas de política monetária ainda muito estimulativas e política fiscal expansionista contribuem para aceleração da inflação no lado da demanda.

 

A difícil tarefa dos bancos centrais no mundo está relacionada à necessidade de balancear o aumento dessas pressões de preços, o avanço das expectativas de inflação e a perspectiva de uma desaceleração econômica global (trataremos os motivos disso no post da próxima semana). Podemos afirmar que nem IPCA para o Banco Central do Brasil, nem o IPC para o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) mostraram dinâmica que dê qualquer tipo de alento.

O IPCA de março variou 1,06%, acima da mediana do mercado (1,01%). Pelas aberturas, os preços administrados ficaram acima do esperado (0,55% vs. 0,32% exp.). Nos preços livres (1,25% vs. 1,02% exp.), a surpresa altista ocorreu em todos os setores, com destaque para os bens industriais (1,21%, vs. exp. 0,94%), mas também em serviços (0,66%, vs. exp. 0,50%) e alimentação no domicílio (2,59%, vs. exp. 2,30%). Nas leituras subjacentes, os industriais mostraram alta de 1,15% (vs. 0,71% exp.) e os serviços subiram 0,79% (exp. 0,61%).

A média dos cinco núcleos acompanhados pelo Banco Central seguiu em patamar elevado, atingindo 0,95% e ficando ligeiramente abaixo dos 0,98% observados no mês anterior.

Por mais um mês, observamos o IPCA com composição bastante desfavorável tanto no índice cheio quanto na ótica subjacente. A continuidade da aceleração dos núcleos e os elevados índices de difusão indicam que a inflação é disseminada entre os setores.

Nos EUA, o IPC de abril subiu 0,3% (vs. 1,2% do período anterior), acima das expectativas do mercado (0,2%). A leitura subjacente volta a acelerar (0,6% vs. 0,3% anterior), com bens avançando 0,2% após ter caído 0,4% em março.

Em termos de serviços subjacentes, a abertura sobe de 0,6% para 0,7%. Em moradia (0,5% vs. 0,5% anterior), aluguel variou 0,6% (vs. 0,4%) e OER 0,5% (vs. 0,4%). Transportes seguem acelerando, indo de 2% para 3,1%, influenciados pelo forte resultado da abertura volátil de tarifas aéreas (18,6% vs. 10,7%), bem como manutenção e seguro (0,5% e 0,8%, respectivamente).

Vemos meses difíceis para a inflação global à frente. Riscos se acumulam nas commodities energéticas e também para alimentos. Sobre esses, fatores climáticos e escassez de fertilizantes já levam alguns indicadores globais (como o índice de preços de alimentos computado pelo FMI) a patamares recordes. Dadas as defasagens relacionadas ao ciclo de plantio, é muito razoável supor que preços de alimentos seguirão pressionados ao menos durante os próximos 12 meses. Ou seja, expectativas de inflação do consumidor também manterão viés altista no médio prazo.

Assim, sustentamos que, tanto aqui no Brasil como nos EUA, a tendência de aperto da política monetária segue amparada. Antevemos que a Selic chegará a 13,75% na reunião de agosto, patamar evidentemente elevado. Nos EUA, acreditamos que o FED subirá os juros em 0.5p.p. ao menos nas próximas duas reuniões e seguirá com altas de 0.25p.p. daí em diante até o primeiro trimestre do ano que vem. Logo, está claro que viveremos em um mundo de mais juros.

 
Depois dos Bancos Centrais, a Inflação
 

Artigos Relacionados

Larissa Quaresma
3 Motivos Para Vender Suas Ações Por Larissa Quaresma - 28.06.2022 11

Grande parte da literatura financeira é dedicada a saber quando comprar uma ação. Entretanto, saber quando vender é tão importante quanto a primeira questão. Fique comprado em uma...

Depois dos Bancos Centrais, a Inflação

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (2)
Antonio Ferreira
Antonio Ferreira 15.05.2022 21:42
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
A festa acabou.As bolsas vão demorar a subir.
João Jorge
João Jorge 15.05.2022 4:48
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
faz 13 anos que a semente foi plantada pelos bancos centrais do G7, a conta chegou e a culpa toda ficou na pandemia !
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail