Últimas Notícias
Garanta 40% de desconto 0
🔎 Invista igual ao Warren Buffett e lucre +174.3% acima do badalado S&P 500 Aproveite desconto de 40%

Renda Fixa: Perda de inclinação da curva de juros em semana de feriado e confilto

Por Luís LisboaRenda Fixa16.10.2023 09:33
br.investing.com/analysis/renda-fixa-perda-de-inclinacao-da-curva-de-juros-em-semana-de-feriado-e-confilto-200460238
Renda Fixa: Perda de inclinação da curva de juros em semana de feriado e confilto
Por Luís Lisboa   |  16.10.2023 09:33
Salvo. Ver Itens salvos.
Esse artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
 
USD/BRL
+0,01%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
LCO
-0,32%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
CL
-0,29%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
TYH24
+0,01%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 

A semana de feriado no Brasil e conflito geopolítico no Oriente Médio foi de alívio nos prêmios de risco nos DIs em linha com o movimento dos Treasuries, e perda de inclinação da curva de juros. O spread entre os contratos janeiro 25 e janeiro 29 saiu de 61 pontos-base na sexta-feira anterior (6), para 46 pontos.

Os principais vetores que influenciaram a queda das taxas foram:

  • o alívio na curva dos Treasuries amparado pelas declarações dovish de dirigentes do Fed no sentido de que os juros estão em níveis "suficientemente restritivos" para garantir o retorno da inflação à meta de 2%, e que o aperto monetário feito nos EUA até agora pode ser suficiente, bem como na corrida para a segurança dos títulos de longo prazo dos EUA em função do conflito entre Israel e o grupo Hamas. O yield da T-Note de 10 anos encerrou a semana aos 4,62% ante 4,80% na sexta-feira anterior (6), e o de 30 anos a 4,76% ante 4,97% no mesmo período,

  • a leitura positiva do IPCA de setembro, de 0,26%, bem abaixo da mediana das estimativas, de 0,32%, e com leitura benigna dos preços de abertura. A média dos cinco núcleos desacelerou a 0,22% em setembro, ante 0,28% em agosto, abaixo da mediana, de 0,26%. O índice de difusão, que mostra o porcentual de itens com aumentos de preços, passou de 53% em agosto para 43% em setembro. O resultado acumulado em 12 meses foi de alta de 5,19%, também abaixo da mediana, de 5,25%, 

  • e as informações de que a China está preparando uma nova rodada de medidas de estímulo para ajudar a economia.

Fizeram o contraponto ao fechamento da curva de juros:

  • a disparada de 7,46% (semanal) nos preços do petróleo refletindo o agravamento das tensões no Oriente Médio, com o barril do Brent voltando a superar a marca de US$ 90, e os potenciais efeitos na inflação doméstica e trajetória da Selic, caso o conflito perdure, 

  • a Ata da última reunião do FOMC (Comitê Federal de Mercado Aberto) indicando juros altos por mais tempo nos EUA. Dirigentes concordaram que o mercado já fez o próprio ajuste das condições financeiras tornando-as mais restritivas e que o aperto monetário no atual patamar é necessário para levar a inflação de volta à meta de 2%,

  • a piora do sentimento do consumidor americano e das expectativas de inflação nos EUA, segundo pesquisa da Universidade de Michigan,

  • o índice de preços ao consumidor (CPI) dos EUA subindo 0,4% em setembro ante agosto, um pouco acima da mediana do mercado que esperava alta menor, de 0,3%. O resultado atestou a resiliência da inflação nos EUA. Após o dado, houve pequeno aumento na chance de alta nos juros pelo Fed em sua próxima decisão, em 1° de novembro, mas, continua como majoritária a aposta em manutenção nos juros, conforme monitoramento do CME Group,

  • o índice de preços ao produtor (PPI) acima do esperado. Subiu 0,5% em setembro, ante mediana das estimativas de 0,3%,

  • e a suposta sinalização do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, no evento do Fundo Monetário Internacional (FMI), no Marrocos, quanto à desaceleração do ritmo de corte dos juros. O presidente do BC teria afirmado que, dada a piora do balanço de riscos no exterior, a probabilidade de ampliar a dose diminuiu e a de desacelerar aumentou.

Fatores que foram considerados de menor potencial para influenciar o movimento da curva de juros:

  • o IGP-M recuando 0,30% na primeira prévia de outubro, após queda de 0,50% na mesma leitura de setembro.

No Relatório de Mercado Focus (16), após a surpresa positiva na inflação de setembro, a projeção para a inflação oficial em 2023 passou de 4,86% para 4,75%. Um mês antes, a mediana era de 4,86%. Para 2024, foco da política monetária, a projeção permaneceu em 3,88%. Há um mês, a mediana era de 3,86%. A mediana supera o centro da meta (3,00%), mas está dentro do intervalo de tolerância superior, que vai até 4,50%. 


A conferir:

No Brasil

o volume de serviços na terça-feira (17), 

as vendas no varejo restrito e ampliado na quarta-feira (18),  

o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) na quinta-feira (19), 

a votação do projeto da tributação de offshores e fundos exclusivos entre terça-feira (17) e quarta-feira (18),

No Mundo

os desdobramentos da guerra no Oriente Médio e suas consequências para a inflação global e a política monetária dos bancos centrais,

Nos EUA

os dados de atividade econômica e discursos de dirigentes do Fed,

Na Zona do Euro e no Reino Unido

os índices de inflação ao consumidor (CPI), 

Na China

o Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro tri na terça-feira (17).

O dólar no mercado à vista encerrou a sessão da sexta-feira (13) cotado a R$ 5,0885, terminando a semana em baixa de 1,43%. Em outubro acumula valorização de 1,23%.

Os principais fatores que influenciaram o preço da moeda americana foram:

  • a perspectiva crescente de que não haverá alta de juros nos EUA em novembro após discursos de diversos dirigentes do Fed ponderando que a taxa básica americana já está em nível restritivo. Monitoramento do CME Group mostra mais de 90% de chances de que o BC americano mantenha a taxa básica inalterada em novembro,

  • os dados de inflação ao consumidor (CPI) americano de setembro com resultado ligeiramente acima do esperado para o número cheio e leituras de núcleo em linha com o esperado, o que gerou expectativas em parte do mercado sobre possível alta de juros neste ano pelo Fed, ainda que a aposta em manutenção siga majoritária para novembro e dezembro no monitoramento do CME Group,

  • a pesquisa da Universidade de Michigan mostrando a queda no sentimento do consumidor nos EUA abaixo do esperado na prévia de outubro e piora das expectativas de inflação para 1 e 5 anos,

  • o recuo das taxas dos Treasuries, que estavam no maior nível em quase 20 anos. O retorno da T-note de 10 anos, que chegou a atingir 4,80% recentemente, fechou a semana em 4,62%,

  • a alta firme do petróleo na esteira da guerra no Oriente Médio. O contrato do Brent para dezembro voltou a superar o nível de US$ 90, fechando a semana em alta de 7,46%, a US$ 90,89 o barril, o que pode provocar alta da inflação e ter impacto na atividade global, 

  • a fala do presidente da distrital do Fed da Filadélfia, Patrick Harker, que um "pouso suave na economia" tem se mostrado cada vez mais provável nos EUA, e que se não houver novos dados com mudanças drásticas, as taxas de juros do país não devem subir mais evitando uma recessão,

  • e as preocupações com a economia da China após o CPI estável e abaixo do esperado em setembro (+0,2%), além do recuo nas exportações e importações do país.

Agenda de eventos e indicadores econômicos de 16 a 20 de outubro

Segunda-feira (16): 

  • Brasil - FGV: IPC-S de outubro (2ª Quadri), BC: Boletim Focus, MDIC: Balança comercial semanal,

  • EUA - Fed de NY: índice de atividade industrial Empire State de outubro,  

  • Zona do euro - Eurostat: balança comercial de agosto, Reunião do Eurogrupo, 

Terça-feira (17): 

  • Brasil - FGV: IGP-10 de outubro e IPC-S Capitais de outubro (2ª Quadri), IBGE: Volume de Serviços de agosto, Tesouro: Leilão de NTN-B para 15/8/2026, 15/5/2033 e 15/8/2050 e de LFT para 1º/9/2026 e 1º/9/2029, 

  • EUA - Deptº do Comércio: Vendas no varejo em setembro, Fed: produção industrial de setembro, NAHB: Índice de Confiança das Construtoras em outubro, API: Estoques de petróleo na semana até 13 de outubro,  

  • Alemanha - ZEW: Índice de expectativas econômicas em outubro,  

  • China - NBS: Produção industrial, Vendas no varejo e PIB do 3º tri, 

Quarta-feira (18): 

  • Brasil - BC: Fluxo cambial na semana de 9 a 13 de outubro, Fipe: IPC de outubro (2ª Quadri), IBGE: Varejo restrito e ampliado em agosto,  

  • EUA - Deptº do Comércio: Construções de moradias iniciadas em setembro, DoE: estoques de petróleo na semana até 13 de outubro, Fed: Livro Bege,

  • Zona do Euro - Eurostat: CPI de setembro (Final),  

  • Reino Unido - ONS: CPI de setembro, 

Quinta-feira (19): 

  • Brasil - FGV: IGP-M de outubro (2º decêndio), BC: IBC-Br de agosto, Tesouro: Leilão de LTN para 1º/4/2024, 1º/10/2025 e 1º/7/2027 e de NTN-F para 1º/1/2029 e 1º/1/2033, 

  • EUA - Deptº do Trabalho: pedidos de auxílio-desemprego na semana até 14 de outubro e número de pedidos de auxílio-desemprego continuados na semana até 07 de outubro, NAR: vendas de moradias usadas em setembro,  

  • China - Banco do Povo da China (PBoC) define juros das LPRs de 1 e 5 anos, 

Sexta-feira (20): 

  • EUA - Baker Hughes: poços de petróleo em operação, 

  • Alemanha - Destatis: PPI de setembro,  

  • Reino Unido - ONS: vendas no varejo de setembro. 

Fonte: Broadcast 

Renda Fixa: Perda de inclinação da curva de juros em semana de feriado e confilto
 

Artigos Relacionados

Renda Fixa: Perda de inclinação da curva de juros em semana de feriado e confilto

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir esse gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por esse motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir esse gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar esse comentário

Diga-nos o que achou desse comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail