Últimas Notícias
Garanta 40% de desconto 0
👀 Invista igual ao Warren Buffett e lucre +174.3% acima do badalado S&P 500 Aproveite desconto de 40%

Renda fixa: Saiba o que movimentou a curva de juros na semana

Por Luís LisboaRenda Fixa02.10.2023 09:14
br.investing.com/analysis/renda-fixa-saiba-o-que-movimentou-a-curva-de-juros-na-semana-200459972
Renda fixa: Saiba o que movimentou a curva de juros na semana
Por Luís Lisboa   |  02.10.2023 09:14
Salvo. Ver Itens salvos.
Esse artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
 
USD/BRL
+0,01%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
CL
-0,13%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
ELET3
-0,48%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
PETR4
-5,16%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
EGRNY
0,00%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 

Principais Notícias para o Mercado de Renda Fixa

Semana de acúmulo de prêmios de risco na curva de juros doméstica refletindo a piora na percepção fiscal e a aposta em juros altos nos EUA por um tempo prolongado interferindo nas perspectivas para o ciclo de quedas da Selic. A inclinação medida entre os vértices para janeiro de 2029 e janeiro de 2025 fechou em 47 pontos, ante 54 pontos na sexta-feira anterior (22). No final de agosto, esse spread estava em 30 pontos.

Os principais vetores que influenciaram o desenho da curva de juros foram:

  • a perspectiva de taxas de juros persistentemente altas nas principais economias do mundo para aplacar as pressões inflacionárias,

  • a ata do Copom reforçando o tom mais conservador do comunicado, mantendo a avaliação de que é "pouco provável" uma intensificação do ritmo de cortes da taxa Selic, o que fez com que as chances de um corte de 75 pontos-base ainda este ano praticamente desaparecessem da precificação da curva,

  • a fala de Campos Neto na coletiva de imprensa do Relatório Trimestral de Inflação (RTI) reforçando que o entendimento do Copom é de que, mesmo iniciado o ciclo de afrouxamento, a taxa Selic precisa permanecer em patamar ainda contracionista para alcançar os objetivos inflacionários. Com isso, houve ajuste também nas projeções para a Selic terminal, com a possibilidade de que esteja em um dígito parecendo cada vez mais remota,

  • o impasse nas negociações para o orçamento dos EUA, com risco de paralisação das atividades do governo federal se não houver consenso. Porém, no sábado (30), a Câmara aprovou projeto, que agora segue para o Senado e evita a paralisação. O Projeto prevê acordo para funcionamento do governo por mais 45 dias,

  • o dólar acima de R$ 5,00, apontado por analistas como provável novo piso da moeda americana,

  • a expectativa de juros nos EUA no modo "higher for longer" e suas consequências para a economia mundial. O yield da T-note de 10 anos operou nos maiores níveis em 16 anos, e o do T-bond de 30 anos foi nas máximas em 12 anos,

  • a resistência dos juros dos Treasuries em níveis elevados. O presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, alertou para o risco de novas altas de juros, caso o aperto já aplicado não surta o efeito desejado na inflação. Previu mais 25 pontos-base, mas disse não descartar a possibilidade de um aperto ainda maior,  

  • os possíveis impactos no cenário fiscal da estratégia do governo em acionar o Supremo Tribunal Federal (STF) para mudar a forma de pagar os precatórios (dívidas judiciais da União) e contabilizar essa dívida no resultado primário, liberando espaço para mais gastos,

  • o IPCA-15 de setembro abaixo da mediana estimada mas com alguns itens, como serviços, apontando para um processo de desinflação mais lento, endossando a mensagem da ata de que o espaço para corte da Selic é mesmo limitado a 50 pontos,

  • e os novos sinais de fraqueza no setor imobiliário da China, após a incorporadora Evergrande (OTC:EGRNY) anunciar que está impossibilitada de emitir títulos e que deixou de pagar dívida no prazo.

Fizeram o contraponto à abertura da curva de juros:

  • o índice de preços dos gastos com consumo (PCE) nos EUA subindo ligeiramente menos que o esperado, tanto no índice cheio (0,4%) quanto no núcleo (0,1%), para os quais os consensos eram de 0,5% e 0,2%, 

  • e a pesquisa da Universidade de Michigan mostrando que as expectativas para a inflação em 12 meses caíram de 3,5% em agosto a 3,2% em setembro, o menor nível desde março de 2021.

Fatores que foram considerados de menor potencial para influenciar o movimento da curva de juros:

  • a Pnad Contínua mostrando que a taxa de desemprego no trimestre encerrado em agosto ficou em 7,8%, em linha com a mediana das estimativas. É o nível mais baixo desde o trimestre encerrado em fevereiro de 2015 (7,5%). Na comparação com o mesmo período de 2022, a taxa de desocupação caiu 1,1 p.p.,

  • o resultado primário do setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras (BVMF:PETR4) e Eletrobras (BVMF:ELET3)) registrando déficit de R$ 22,830 bilhões em agosto, de R$ 35,809 bilhões de julho, ficando menos negativo do que a mediana de -R$ 26,5 bilhões,

  • o IGP-M com alta de 0,37% em setembro, após deflação de 0,14% em agosto, em linha com a mediana (0,37%),

  • e a percepção de alguma melhora de clima após o encontro entre o presidente Lula e o presidente do BC, Roberto Campos Neto.

No Relatório de Mercado Focus (02), a projeção para a inflação oficial em 2023 continuou em 4,86%. Um mês antes, a mediana era de 4,92%. Para 2024, foco da política monetária, a projeção oscilou de 3,86% para 3,87%. Há um mês, a mediana era de 3,88%. A mediana supera o centro da meta (3,00%), mas está dentro do intervalo de tolerância superior, que vai até 4,50%. 

A conferir:

No Brasil

  • os dados da Pesquisa Industrial Mensal (PIM) de agosto na terça-feira (3),

Nos EUA

  • o relatório de emprego, o payroll, referente a setembro na sexta-feira (6), que pode ajudar a calibrar as expectativas sobre os rumos dos juros.

O dólar no mercado à vista encerrou a sessão da sexta-feira (29) cotado a R$ 5,0268, terminando a semana em alta de 1,91%, e setembro, com valorização de 1,53%.

Os principais fatores que influenciaram o preço da moeda americana foram:

  • a escalada das taxas dos Treasuries e fortalecimento global da moeda americana,

  • a rejeição da proposta orçamentária pela Câmara dos Representantes dos EUA, que equivale à Câmara dos Deputados no Brasil, que poderia evitar a paralisação parcial do governo americano. Porém, aprovou no sábado (30), um projeto de lei que libera provisoriamente o financiamento para as agências federais do país. A legislação evita que o governo norte-americano entre em “shutdown” a partir de 1º de outubro, data do início do ano fiscal de 2024,

  • a declaração do presidente do Fed de Nova York, John Willians, reforçando a visão de que os juros terão que ficar elevados por tempo mais prolongado, o chamado "higher for longer",

  • o resultado final do PIB dos EUA no segundo tri mostrando crescimento levemente abaixo do esperado, 

  • a leitura menos pressionada de inflação. O índice de preços de gastos com consumo (PCE), medida de inflação preferida do Fed, registrando alta de 0,4% em agosto na comparação com julho, levemente abaixo do esperado (0,5%). Já o núcleo do PCE, que exclui itens voláteis como alimentos e energia, subiu 0,1% em agosto ante o mês anterior, quando o mercado esperava avanço de 0,2%,

  • e o desconforto com o quadro fiscal doméstico, dado o ceticismo com o cumprimento da meta fiscal de déficit zero em relação ao PIB no próximo ano.

 

Renda fixa: Saiba o que movimentou a curva de juros na semana
 

Artigos Relacionados

Renda fixa: Saiba o que movimentou a curva de juros na semana

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir esse gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por esse motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir esse gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar esse comentário

Diga-nos o que achou desse comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail