Últimas Notícias
Garanta 40% de desconto 0
🔎 Invista igual ao Warren Buffett e lucre +174.3% acima do badalado S&P 500 Aproveite desconto de 40%

Semana na Renda Fixa foi de devolução de prêmios de risco

Por Luís LisboaRenda Fixa06.11.2023 09:39
br.investing.com/analysis/semana-na-renda-fixa-foi-de-devolucao-de-premios-de-risco-200460640
Semana na Renda Fixa foi de devolução de prêmios de risco
Por Luís Lisboa   |  06.11.2023 09:39
Salvo. Ver Itens salvos.
Esse artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
 
USD/BRL
+0,01%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
CL
-0,38%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
B3SA3
-0,79%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 

A semana na Renda Fixa foi de devolução de prêmios de risco em toda a extensão da curva, apoiada na leitura de desaceleração do mercado de trabalho e de enfraquecimento do setor de serviços nos EUA, o que consolidou a aposta de que o Fed não deve mais subir os juros e fortaleceu a de queda em meados de 2024. A inclinação medida pelos contratos para janeiro de 2025 e janeiro de 2029 terminou em 34 pontos, ante 38 pontos na sexta-feira anterior (27).

Os principais vetores que influenciaram o fechamento da curva de juros foram:

  • o recuo em torno de 30 bps dos rendimentos dos títulos do Tesouro americano de longo prazo. A taxa da T-Note de dez anos fechou em 4,52%, de 4,84% na sexta-feira anterior (27),

  • o payroll de outubro mostrou criação de 150 mil vagas, abaixo do consenso de 183 mil. A taxa de desemprego subiu de 3,8% para 3,9%, contrariando a previsão de estabilidade, e o salário médio por hora trabalhada subiu 0,21%, contra estimativa de 0,30%. Os pedidos de auxílio-desemprego já haviam mostrado aumento além do estimado, 

  • a ideia de arrefecimento da economia, que tende a amenizar as pressões inflacionárias e sobre a política monetária, foi ainda reforçada pela queda do PMI medido pelo Instituto para Gestão da Oferta (ISM) de Serviços maior do que o consenso,

  • o resultado aquém do esperado do índice de gerentes de compras da indústria americana trazendo alívio à preocupação com a resiliência da economia americana e o impacto na inflação,

  • o aumento das emissões de títulos dos EUA divulgado no relatório trimestral de refinanciamento da dívida abaixo do esperado e menor do que havia sido recomendado pelo comitê consultivo. A necessidade de financiamento da dívida vinha gerando pressão recentemente e ajudando a impulsionar o prêmio da T-Note de 10 anos desde o último relatório,

  • as declarações do presidente do Fed, Jerome Powell, na entrevista após a reunião de política monetária, que manteve os juros entre 5,25% e 5,50%, e que foram interpretadas pelo mercado com um viés mais "dovish". Powell considerou sobre o mercado de trabalho que o avanço dos salários desacelerou bastante, para ritmo bem mais perto do necessário, e sobre as expectativas de inflação, que claramente estão em um bom lugar, além de dizer que o efeito total do aperto monetário já adotado ainda será sentido. Afirmou ainda que pode retomar as elevações nas taxas, mas que nada sobre dezembro foi decidido ainda,

  • o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central seguiu o plano de voo e reduziu pela terceira vez seguida a taxa Selic em 0,50 ponto porcentual, de 12,75% para 12,25% ao ano, em decisão unânime. No comunicado, o BC destacou que o Copom entende que "essa decisão é compatível com a estratégia de convergência da inflação para o redor da meta ao longo do horizonte relevante, que inclui o ano de 2024 e o de 2025, e manteve a sinalização de que esse ritmo deve continuar pelas próximas reuniões,

  • a expectativa de medidas de estímulo à economia da China, após queda do PMI abaixo de 50 pontos, 

  • o petróleo fechando em baixa diante da ausência de uma escalada dos conflitos no Oriente Médio. Passou de US$ 90,48 na sexta-feira anterior (27) para US$ 84,89,

  • e as leituras do PIB e da inflação na Zona do Euro reforçando a possibilidade do Banco Central Europeu (BCE) não mais elevar seus juros. 

Fizeram o contraponto ao fechamento da curva de juros:

  • a piora do risco fiscal refletindo a preocupação com a possibilidade de que a meta de zerar o déficit primário das contas públicas em 2024 poderá ser alterada para um déficit de 0,25% ou 0,50%.

Fatores que foram considerados de menor potencial para influenciar o movimento da curva de juros:

  • a produção industrial de setembro subindo 0,10% na comparação com agosto, contrariando a mediana das estimativas, de -0,10%,

  • a taxa de desemprego no Brasil ficou em 7,7% no trimestre encerrado em setembro, de acordo com a Pnad Contínua, em linha com as previsões,

  • o saldo do Caged acima da mediana das estimativas. De acordo com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o mercado de trabalho formal registrou um saldo positivo de 211.764 carteiras assinadas em setembro, acima da mediana que era de saldo positivo de 202.132 vagas,

  • e o IGP-M acelerando a 0,50% em outubro, ante 0,37% em setembro, abaixo da mediana das estimativas que apontava alta de 0,58%. No acumulado em 12 meses, o índice tem queda de 4,57%, ante contração de 5,97% registrada em setembro.

No Relatório de Mercado Focus (06), a projeção para a inflação oficial em 2023 seguiu em 4,63%. Um mês antes, a mediana era de 4,86%. Para 2024, foco da política monetária, a projeção piorou de 3,90% para 3,91%. Há um mês, a mediana era de 3,88%. A mediana supera o centro da meta (3,00%), mas está dentro do intervalo de tolerância superior, que vai até 4,50%. 

A conferir:

No Brasil

  • a divulgação da ata do Comitê de Política Monetária (Copom) na terça-feira (7), que dará detalhes sobre a decisão de reduzir a Selic em 0,50 ponto porcentual, para 12,25% ao ano, e sobre os próximos passos,

  • a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) de setembro na quinta-feira (9),

  • o IPCA de outubro na sexta-feira (10). É esperada uma desaceleração na comparação com setembro e também na taxa acumulada em 12 meses,

  • a possível votação do projeto de reforma tributária no Senado, tanto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) quanto no plenário.

Nos EUA

  • os discursos de vários dirigentes do Fed, incluindo o presidente da instituição, Jerome Powell.

Na China

  • a divulgação de dados do comércio exterior e inflação. 

No Mundo

  • os desdobramentos da guerra no Oriente Médio.

O dólar no mercado à vista terminou o pregão da sexta-feira (3) cotado a R$ 4,8963, encerrando a semana em queda de 2,33%. Em 2023, perde 7,27%.

Os principais fatores que influenciaram o preço da moeda americana foram:

  • o payroll informando que foram criados 150 mil empregos em outubro, bem abaixo dos 183 mil esperados pelo mercado, com aumento da taxa de desemprego a 3,9% no mês, também maior do que indicava o consenso de 3,8%, além do PMI de serviços no país abaixo das previsões em outubro. Esses números mostraram esfriamento do mercado de trabalho americano e consolidaram a avaliação de que o Fed já deve ter encerrado o ciclo de aperto monetário, 

  • as preocupações com o cenário fiscal doméstico, amparada em possível mudança da meta fiscal de 2024,

  • o comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom) de novembro considerando o risco fiscal e a preocupação com o ambiente externo, sugerindo risco de uma Selic terminal mais alta, o que levaria a uma diminuição menor do diferencial de juros entre Brasil e EUA. Algumas instituições financeiras já adicionaram ao cenário base a possibilidade de desaceleração do ritmo de cortes dos juros domésticos para 0,25 ponto percentual, a partir de março de 2024, 

  • a decisão do Fed de manter a política monetária inalterada neste mês, com discurso do seu presidente, Jerome Powell, acenando com a manutenção das taxas por mais tempo, 

  • e o corte de 0,50 ponto porcentual da taxa Selic, a 12,25% ao ano, e indicação de novos cortes, mas ressaltando que o governo deveria buscar metas fiscais já estabelecidas. Uma possível mudança na meta de déficit fiscal zero em 2024, pode mudar as expectativas para o mercado de câmbio.

Agenda de eventos e indicadores econômicos de 06 a 10 de novembro

Segunda-feira (6): 

  • Brasil - Início do horário de verão nos EUA; pregão à vista da B3 (BVMF:B3SA3) vai até 17h55, BC: Relatório Focus, BC/Setor Externo: CC e IDP de setembro, S&P Global: PMI Composto de outubro,  

  • Zona do euro - S&P Global /HCOB: PMI composto e PMI de serviços de outubro (final),

  • Alemanha - S&P Global /HCOB: PMI composto e PMI de serviços de outubro (final), 

  • Mundo - S&P Global/JPMorgan: PMI de serviços global de outubro,

 Terça-feira (7): 

  • Brasil - Tesouro faz leilão de NTN-B para 15/8/2028, 15/8/2040 e 15/8/2060 e de LFT para 1º/9/2026 e 1º/9/2029, BC divulga ata do Copom, FGV: Indicador Antecedente de Emprego em outubro, BC: Nota de crédito em setembro, Anfavea: Produção e venda de veículos em outubro, 

  • EUA - Deptº do Comércio: balança comercial de setembro, Fed: Crédito ao Consumidor em setembro,  

  • Zona do euro - Eurostat: PPI de agosto,  

  • Alemanha - Destatis: produção industrial de setembro,  

  • China - GACC: balança comercial de outubro: Importações e Exportações, 

Quarta-feira (8): 

  • Brasil - FGV: IGP-DI de outubro e IPC-S de novembro (1ª Quadri), BC: Setor público consolidado de setembro, IBGE: Vendas no varejo restrito e ampliado e Pesquisa Industrial Mensal Regional de setembro,  

  • EUA - Deptº do Comércio: Estoques no Atacado de setembro, DoE: estoques de petróleo na semana até 03 de novembro, 

  • Zona do euro - Eurostat: vendas no varejo em setembro,  

  • Alemanha - Destatis: CPI de outubro (final), 

  • China NBS: CPI e PPI de outubro,  

Quinta-feira (9):  

  • Brasil - Tesouro faz leilão de LTN para 1º/10/2024, 1º/10/2025 e 1º/7/2027 e de NTN-F para 1º/1/2029 e 1º/1/2033, FGV: IPC-S Capitais de novembro (1ª Quadri), 

  • EUA - Deptº do Trabalho: pedidos de auxílio-desemprego na semana até 4 de novembro e número de pedidos de auxílio-desemprego continuados na semana até 4 de novembro,  

Sexta-feira (10): 

  • Brasil - Fipe: IPC de novembro (1ª Quadri), FGV: IGP-M (1º decêndio) de novembro, IBGE: IPCA de outubro, INPC de outubro e INCC/Sinapi também de outubro,  

  • EUA - Baker Hughes: poços de petróleo em operação, 

  • Reino Unido - ONS: PIB do 3ºtri (preliminar) e produção industrial de setembro,  

Fonte: Broadcast 

Semana na Renda Fixa foi de devolução de prêmios de risco
 

Artigos Relacionados

Semana na Renda Fixa foi de devolução de prêmios de risco

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir esse gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por esse motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir esse gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar esse comentário

Diga-nos o que achou desse comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail