Últimas Notícias
Investing Pro 0
OFERTA Cyber Monday: Até -54% no InvestingPro+ GARANTA A OFERTA

Dívida pública federal cai 0,4% em agosto e custo dos títulos recua com inflação menor

Dados Econômicos 28.09.2022 15:55
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters. Moedas de reais 15/10/2010 REUTERS/Bruno Domingos

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - A dívida pública federal do Brasil caiu 0,40% em agosto sobre julho, a 5,781 trilhões de reais, informou o Tesouro Nacional nesta quarta-feira, em mês com melhora em indicadores do endividamento do governo por causa do recuo da inflação.

Já a participação dos investidores estrangeiros no estoque da dívida caiu ao menor nível em quase 13 anos, com o país perdendo atratividade relativa em meio à alta dos juros nas grandes economias.

No mês passado, a dívida pública mobiliária interna teve recuo de 0,42%, a 5,536 trilhões de reais.

De acordo com o Tesouro, a redução do estoque da dívida foi explicada por um resgate líquido de 56,6 bilhões de reais e uma apropriação positiva de juros no valor de 33,6 bilhões de reais.

Segundo o órgão, agosto foi marcado pela melhora do mercado externo, com dados econômicos mostrando inflação mais contida nos Estados Unidos, o que impulsionou o apetite por ativos de países emergentes.

O custo médio do estoque da dívida pública federal acumulado em 12 meses caiu, passando de 10,76% ao ano em julho para 10,63% no mês passado.

Na dívida interna, o custo do estoque recuou de 11,00% ao ano para 10,89%. A dívida externa, por sua vez, registrou redução de 5,31% para 4,53% ao ano.

Em relação às novas emissões de títulos da dívida interna, o custo médio também caiu, indo de 12,09% para 11,88% ao ano.

De acordo com o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública do Tesouro, Luís Felipe Vital, esse barateamento da dívida foi causado principalmente pelo recuo da inflação, que é usada como indexador de títulos.

"Ao ter variações negativas na inflação, a gente vê o custo do estoque caindo", disse.

No período, também houve um alongamento do prazo médio de vencimento dos títulos brasileiros para 3,96 anos, ante 3,90 anos registrados em julho.

Em relação ao colchão de liquidez para pagamento da dívida pública, houve uma redução de 2,69% em agosto, a 1,146 trilhão. O montante ainda é suficiente para quitar 10,24 meses de vencimentos de títulos, valor considerado confortável --em julho, estava em 9,49 meses.

ESTRANGEIROS

Ainda de acordo com os dados do Tesouro, investidores estrangeiros reduziram em 11,3 bilhões de reais a participação na dívida interna, caindo de 9,0% do total para 8,8% em agosto --nível mais baixo desde dezembro de 2009.

Vital afirmou que os meses anteriores vinham registrando variações pequenas entre os não residentes, com saída um pouco mais forte agora. Ele afirmou que o cenário de alta nos juros em economias avançadas prejudica a entrada de recursos no país, mas, por outro lado, o ciclo de aperto monetário próximo ao fim no Brasil favorece investidores estrangeiros.

"Equilibrando os dois pontos, a gente não vê um cenário negativo de não residentes, pelo contrário. À medida que caminhamos para a continuidade da melhora fiscal, teremos um fluxo mais constante e positivo de não residentes", disse.

Para o mês de setembro, o Tesouro vê cenário com persistência inflacionária global, "o que fez com que bancos centrais realizassem apertos monetários adicionais, elevando a probabilidade de recessão global".

"O ajuste nas taxas de juros de países centrais gerou movimento de aversão ao risco, o que penalizou economias emergentes", disse em nota.

No período, o CDS (credit default swap) do Brasil, que mede o risco relacionado ao país, subiu 11,25%, a 292 pontos base. Por outro lado, o Tesouro informou que a curva de juros futuros do país perdeu nível e inclinação "refletindo a sinalização de encerramento do ciclo de aperto monetário no Brasil".

Dívida pública federal cai 0,4% em agosto e custo dos títulos recua com inflação menor
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (3)
Samdro Machado da Costa
Samdro Machado da Costa 28.09.2022 16:18
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Já a participação estrangeira na dívida caiu para o MENOR nível em 13 anos, olha o treze aí gente.... E ainda não é considerado os juros da dívida... no início do ano eram R$ 550 bilhões... Como o BC é independente o risco é menor...
Andollinni Magalhães
Andollinni Magalhães 28.09.2022 16:03
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Chora left 🇧🇷😎
Manuel Netto
Manuel Netto 28.09.2022 15:09
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Mas em reais? É inacreditável pois pagamos o juros e ainda sobra!
Ivo Dleizer
Ivo Dleizer 28.09.2022 15:09
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
o roubo era exagerado, agora sobra dinheiro
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail