😎 Promoção de meio de ano - Até 50% de desconto em ações selecionadas por IA no InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

Guilherme Mello: Há cenário para talvez retomar redução sustentada da Selic no começo de 2025

Publicado 10.07.2024, 11:48
Atualizado 10.07.2024, 15:11
Guilherme Mello: Há cenário para talvez retomar redução sustentada da Selic no começo de 2025

O secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Guilherme Mello, destacou nesta quarta-feira, 10, a "surpresa positiva" do IPCA de junho e avaliou que, aliado a possibilidade de início de corte das taxas de juro americanas em setembro, o Banco Central brasileiro teria um cenário propício para "talvez" retomar um caminho de "redução sustentada" da Selic no começo de 2025.

"O BC americano está mantendo a taxa elevada por mais tempo, o que também cria limites para o nosso Banco Central reduzir a taxa aqui. Mas também há sinais de que o FED a partir de setembro vai começar a reduzir a taxa de juros. Reduzindo lá, abre espaço também para reduzirmos aqui", disse Mello em live realizada pelos jornais O Globo e Valor Econômico e pela Rádio CBN.

"Então temos cenário propício, para que, em breve, talvez no começo do próximo ano, nós retomemos um caminho de redução sustentada na taxa de juros, com inflação convergindo para a meta, taxa de câmbio razoavelmente estável e esse cenário externo possibilitando maior espaço para nosso BC reduzir a Selic aqui", afirmou o secretário.

Sobre o índice de preços de junho, que fechou em 0,21%, Mello lembrou que o IPCA veio "significativamente abaixo" das expectativas do mercado e que isso demonstra que o processo de contenção e controle de preços no Brasil continua sua trajetória de "maneira sustentável". "Há espaço para reduzir a taxa de juros para um patamar mais próximo do neutro. Para que consigamos fazer essa redução de maneira consistente, é preciso de duas coisas fundamentais: a primeira é a inflação dar sinais de que está convergindo para o centro da meta, de 3%", disse Mello para em seguida citar a "surpresa" do índice de junho.

O secretário pontuou ainda que a expectativa é de que, neste ano, a inflação seja mais baixa que a fechada em 2023, "mais perto de 3,9%, 4%". "E que isso continue nessa trajetória de redução para se aproximar dos 3% nos próximos anos. Mais importante que isso, a inflação em 2022 só não foi maior porque o governo, durante o período eleitoral, desonerou combustíveis, abrindo mão de receita que não refletia exatamente o preço do combustível", disse. "Então, temos um caminho a frente, onde a inflação está convergindo para a meta", avaliou.

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.