⌛ Perdeu a alta de 13% da ProPicks em maio? Assine agora e receba mais cedo as ações de Junho.Desbloquear ações

Dólar volta a superar R$ 5,00 e termina primeiro trimestre com ganho de 3,34%

Publicado 28.03.2024, 15:05
© Reuters Dólar volta a superar R$ 5,00 e termina primeiro trimestre com ganho de 3,34%
USD/BRL
-
DXY
-

O dólar à vista voltou a superar o nível técnico de R$ 5,00 nesta quinta-feira, 28, dia marcado por nova onda de fortalecimento da moeda americana tanto em relação a divisas fortes quanto emergentes. À espera de dados de inflação nos EUA e discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, amanhã, quando os mercados estarão fechados em razão do feriado da Paixão de Cristo, investidores adotaram uma postura cautelosa.

A divisa abriu em alta e superou a barreira psicológica dos R$ 5,00 ainda pela manhã, em meio à alta dos Treasuries curtos, mais ligados às expectativas em torno da condução da política monetária americana. Investidores assimilaram a fala dura do diretor do Fed Christopher Waller ontem à noite e o avanço de 3,4% na leitura final do PIB dos EUA no quarto trimestre de 2023, levemente acima das expectativas (3,3%).

Com máxima a R$ 5,1079 na última hora de negócios, o dólar à vista encerrou o dia em alta de 0,73%, cotado a R$ 5,0154. Operadores observam que, como é típico de fim de mês, os negócios foram muito influenciados pela rolagem de posições no segmento futuro e pela disputa em torno do fechamento da última taxa ptax do mês. O dólar termina março com ganhos de 0,86%, o que leva a valorização acumulada no primeiro trimestre a 3,34%. A divisa havia encerrado 2023 em baixa de 8,08%

Apesar de ruídos políticos locais, como o imbróglio envolvendo a retenção dos dividendos extraordinários da Petrobras (BVMF:PETR4), analistas observam que o principal indutor da depreciação do real foi à valorização global da moeda americana. Termômetro do comportamento do dólar em relação a seis divisas fortes, em especial euro e iene, o índice DXY também acumulou valorização de pouco mais de 3% no primeiro trimestre.

A moeda americana também avançou na comparação com a maioria das divisas emergentes e de países exportadores de commodities. Uma das poucas moedas que se destacaram foi o peso mexicano, com ganhos de cerca de 2% em relação ao dólar no trimestre. Principal par do real, a divisa mexicana se beneficia da postura mais conservadora do Banxico, o último grande banco central da região a embarcar em um ciclo de cortes da taxa básica, com redução de 0,25 ponto porcentual, para 11% ao ano, neste mês.

O economista-chefe da Western Asset, Adauto Lima, afirma que a formação da taxa de câmbio tem sido dominada pelo comportamento da moeda americana no exterior. Não se trata de falar de fraqueza do real no primeiro trimestre, mas de fortalecimento global do dólar. "A economia americana está crescendo mais e tem taxa de juros atrativa. É uma história de dólar forte no mundo, e não de riscos idiossincráticos domésticos", afirma Lima.

Analistas atribuem o fortalecimento global do dólar no primeiro trimestre ao rearranjo das apostas em torno do corte inicial de juros nos EUA e da magnitude de alívio monetário esperado para este ano. No fim de 2023, a projeção era de início de redução em março e corte total de 150 pontos-base em 2024. Dados fortes de atividade e inflação deslocaram as estimativas para o primeiro corte para junho, com alívio total de 75 pontos-base.

Para Lima, da Western, assim que o Fed começar a cortar os juros, é possível que haja um movimento de apreciação do real, com a taxa de câmbio voltando para perto de R$ 4,80, apesar do quadro de preços de commodities mais baixos. "O real deve se recuperar assim que houver mais certeza sobre a trajetória dos juros americanos", afirma o economista.

Em apresentação hoje do Relatório Trimestral de Inflação, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que o diferencial de juros entre Brasil e EUA segue elevado e que, portanto, não traz preocupação para a trajetória da taxa de câmbio. O presidente do BC também observou que as contas externas seguem bastante sólidas, com os superávits comerciais superando os US$ 80 bilhões.

À tarde, o BC informou que o fluxo cambial total no ano (até 22 de março) é positivo em US$ 5,335 bilhões, com entrada líquida de R$ 11,697 bilhões via comércio exterior mais do que compensando as saídas líquidas de US$ 6,362 bilhões na conta de capital.

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.