Garanta 40% de desconto
🚀 6 ações que subiram +25% no 1º tri selecionadas pela nossa IA. Quais ações vão subir no 2º tri?Não perca a lista completa

Taxas futuras de juros caem no Brasil após alívio com IPCA-15 de fevereiro

Publicado 27.02.2024, 16:55
Atualizado 27.02.2024, 17:00
© Reuters. Notas de 200 reais
02/09/2020
REUTERS/Adriano Machado

Por Fabricio de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - As taxas dos DIs fecharam a terça-feira em baixa no Brasil, em especial entre os contratos com prazos mais curtos, refletindo a divulgação do IPCA-15 de fevereiro, melhor que o esperado, enquanto no exterior os rendimentos dos Treasuries se sustentaram em níveis mais altos durante boa parte do dia.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) subiu 0,78% em fevereiro, acelerando ante a alta de 0,31% de janeiro, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com isso, a taxa nos 12 meses até fevereiro passou a uma alta de 4,49%, pouco acima dos 4,47% do primeiro mês do ano.

O IPCA-15 é considerado uma espécie de prévia para o indicador oficial de inflação no Brasil, o IPCA.

Apesar da aceleração, o IPCA-15 ficou abaixo das expectativas dos economistas em pesquisa da Reuters, de 0,82% no dado mensal e de 4,52% em 12 meses.

“Este soluço inflacionário já era meio que esperado, mas a gente teve uma boa notícia, com o IPCA-15 um pouquinho abaixo do que se imaginava. Os serviços subiram para 1,13%, mas lá dentro a gente teve uma boa notícia dos serviços subjacentes, que são aqueles que oscilam menos, recuando para 0,65%”, afirmou o economista-chefe do Banco Master, Paulo Gala, em comentário enviado a clientes.

O alívio com o IPCA-15 abriu espaço para o recuo das taxas dos DIs (Depósitos Interfinanceiros), principalmente entre os contratos mais curtos, como os de janeiro 2026 e janeiro 2027, em meio à leitura de que a inflação no Brasil permitirá que o Banco Central siga cortando sua taxa básica Selic no ritmo de 50 pontos-base por reunião.

“Havia muita apreensão (com o IPCA-15). Víamos isso na timidez do Ibovespa nos últimos pregões”, pontuou Matheus Spiess, analista da Empiricus Research.

“Desde o início do ano havia pressão (de alta) na curva, muito por conta dos dados de inflação. Só que tivemos um dado (do IPCA-15) qualitativamente bom, o que alivia bastante, às vésperas de outros números lá de fora”, acrescentou.

No mercado brasileiro, alguns agentes especulavam, antes do IPCA-15, a possibilidade de o BC, na reunião de política monetária de março, alterar sua comunicação e passar a indicar a tendência de apenas mais um corte de 50 pontos-base -- no caso, na reunião de maio -- deixando aberta a possibilidade de redução menor, de 25 pontos-base, em junho.

Com o IPCA-15 melhor que o esperado, houve reforço das apostas de que o ritmo de corte de 50 pontos-base poderá ser mantido em junho.

Para o curto prazo, a curva a termo brasileira precificava, perto do fechamento, 100% de chances de o corte da taxa básica Selic em março ser de 50 pontos-base, como vem sinalizando o BC. Atualmente a Selic está em 11,25% ao ano.

No fim da tarde a taxa do DI para janeiro de 2025 estava em 9,98%, ante 10,032% do ajuste anterior, enquanto a taxa do DI para janeiro de 2026 estava em 9,815%, ante 9,912% do ajuste anterior.

Já a taxa para janeiro de 2027 estava em 10,015%, ante 10,107%, enquanto a taxa para janeiro de 2028 estava em 10,28%, ante 10,359%. O contrato para janeiro de 2031 marcava 10,71%, ante 10,767%.

No exterior, os rendimentos dos Treasuries se mantiveram em níveis mais elevados, muito próximos da estabilidade, durante boa parte da sessão, a despeito da divulgação de dados econômicos piores que o esperado.

O índice de confiança do consumidor do Conference Board caiu para 106,7 em fevereiro, ante 110,9 de janeiro. Economistas previam índice de 115,0.

© Reuters. Notas de 200 reais
02/09/2020
REUTERS/Adriano Machado

Já o Departamento de Comércio dos EUA informou que as encomendas de bens duráveis caíram 6,1% no mês passado, ante baixa de 0,3% em dezembro. Economistas projetavam queda de 4,5%.

Os yields se mantiveram travados enquanto investidores aguardam a divulgação na próxima quinta-feira do índice PCE de janeiro -- a medida de inflação preferida pelo Federal Reserve.

Às 16:44 (de Brasília), o rendimento do Treasury de dez anos --referência global para decisões de investimento-- subia 1,60 ponto-base, a 4,3151%.

Últimos comentários

0,78% é alivio ??? Quanta manipulacao !
alívio? kkkkkkkk um pouco acima kkkkkkk Aiai governo comunista cala a boca da mídia com dinheiro
E quem acredita nisso? Claramente manipulado levando em consideração a cida real..
A crença é livre, tem quem acredita no Burrossauro
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.