Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Atualize já

ENFOQUE-Brasil vê profusão de pesquisas eleitorais e encara diferenças nas metodologias

Política 10.08.2022 14:55
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters. Urnas eletrônicas em Curitiba 22/10/2018 REUTERS/Rodolfo Buhrer

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - A ampliação do número de pesquisas eleitorais divulgadas publicamente, algumas contratadas por corretoras de investimentos também em busca de visibilidade, intensifica o debate sobre as diferentes metodologias no momento em que alguns levantamentos mostram queda na distância entre Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) na corrida ao Palácio do Planalto.

Enquanto institutos como Ipec (sucessor do Ibope), Datafolha e Quaest --contratado pela corretora Genial Investimentos-- optam pelo modelo tradicional de entrevistas presenciais, também existem aqueles que optaram por entrevistas telefônicas, que tiveram seu auge na pandemia, e até pela coleta de respostas pela internet.

Ipespe, contratado pela XP Investimentos (BVMF:XPBR31), FSB Pesquisa, que faz levantamentos para o banco BTG Pactual (BVMF:BPAC11), e PoderData fazem seus levantamentos por telefone, por exemplo. Por outro, lado, o instituto AtlasIntel escolheu a coleta online.

Na mais recente rodada das principais pesquisas, todas divulgadas entre os últimos dias de julho até esta quarta-feira, a vantagem de Lula, que lidera a corrida ao Planalto, nos levantamentos telefônicos é de 7 pontos, na pesquisa BTG/FSB, e de 8 pontos na Poder Data. Em sondagens presenciais, Lula tem frente de 12 pontos, na Genial/Quaest, e 18 pontos, pelo Datafolha. Todas os levantamentos têm margem de erro de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Questionados pela Reuters, responsáveis por institutos veem todas as metodologias como válidas, desde que sejam utilizadas ferramentas para compensar a desvantagem de cada um dos modelos.

"Esse é um falso dilema", disse Felipe Nunes, CEO da Quaest. "O inimigo real da sociedade são as pesquisas falsas, as que são inventadas ou compradas para distorcer a realidade."

Márcia Cavallari, CEO do Ipec, explica porque seu instituto só divulga os resultados de pesquisas presenciais. "Preferimos divulgar apenas as pesquisas eleitorais de forma presencial porque entendemos que maximizamos as possibilidades para representar o eleitorado como um todo, além de podermos usar recursos visuais (discos, cartelas, simulação de urna, etc) que facilitam a tarefa dos entrevistados", disse ela à Reuters, por e-mail.

Entre os argumentos pró-modelo presencial estão o acesso à população de menor renda e a possibilidade de apresentar os nomes dos candidatos em um disco, o que elimina um possível viés de uma lista de um questionário online ou de uma voz listando os candidatos.

Ao mesmo tempo, há maior dificuldade em coletar dados de eleitores de renda mais elevada, que muitas vezes moram em condomínios que dificultam o acesso do entrevistador ou que raramente transitam por pontos de fluxo nas cidades, preferindo locomover-se de carro.

Mas, na avaliação do CEO da Quaest essa aparente deficiência pode até contar a favor do modelo presencial.

"Se a gente olha para o padrão de votação e de abstenção na sociedade brasileira, você vai ver que o eleitor que mais falta na eleição é o eleitor de renda média, de grandes cidades do Sudeste, e as pesquisas presenciais são justamente as que têm dificuldade de falar com esse público", disse.

"Ou seja, quando a gente opta por fazer a pesquisa domiciliar com essa metodologia, a gente garante uma alta cobertura no tipo de eleitor que tem mais chance de ir votar no dia da eleição", afirmou Nunes.

Na outra ponta, os adeptos das pesquisas telefônicas e pela internet apontam o alto custo dos levantamentos presenciais --com remuneração de entrevistadores e locomoção em um país continental-- e também argumentam que a coleta online ou telefônica --muitas vezes por robôs-- torna a entrevista mais impessoal.

"Não existe no último ciclo eleitoral no Brasil (pleito municipal de 2020) comprovação de que as pesquisas presenciais são mais precisas do que as pesquisas telefônicas ou que as pesquisas web", disse à Reuters o CEO da AtlasIntel, Andrei Roman.

"O que é mais importante não é a metodologia em si, mas a experiência que um instituto tem em usar bem e desenvolver essa metodologia, e isso é construído ao longo do tempo. Por isso que eu acho importante olhar a trajetória dos institutos e não simplesmente considerar que uma metodologia específica seria superior", avaliou.

Censo ausente e preferência pelas presenciais

À parte das diferenças metodológicas, um desafio aparentemente mais latente para os diversos institutos neste ano especificamente é a realização das amostras para as pesquisas, diante da não realização do Censo em 2020.

Embora alguns institutos apontem que os dados do eleitorado do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) Contínua permitam a formulação de amostras fidedignas, analistas ouvidos pela Reuters concordam que o Censo faz falta.

"Por ora digamos que estamos trabalhando com uma informação incompleta e potencialmente imperfeita", disse o analista político Rafael Cortez, da Tendências Consultoria.

Diante de várias possibilidades de coleta de dados, o modelo presencial parece ter uma ligeira vantagem, ao menos na preferência de analistas. O Eurasia Group, por exemplo, afirmou em relatório recente a clientes que as sondagens telefônicas têm um viés favorável a Bolsonaro.

Cortez, da Tendências, conta que acompanha todos os levantamentos independente da metodologia, mas vê a coleta presencial tem um peso maior.

"A presencial me parece que tem um peso por conta da amostragem pegando mais os vulneráveis, que é uma parcela importante do eleitorado."

O também analista e CEO da Dharma Political Risk, Creomar de Souza, aponta a proximidade com o eleitor, presente na modalidade presencial, como importante na coleta de dados.

"Para colher a opinião de uma pessoa, quanto mais próximo você está dessa pessoa, quanto mais neutro você apresenta aqueles dados, melhor você colhe as informações", disse.

Ainda assim, ele também opta por observar todos os levantamentos disponíveis quando realiza análises e traça cenários.

"Mesmo que do ponto de vista metodológico a gente possa ter uma ressalva com uma pesquisa ou outra, todas as pesquisas nos dão algum tipo de insight, porque as perguntas muitas vezes são diferentes."

Além das diferenças no método de coleta, é justamente na forma de perguntar que pode estar a explicação para algumas das diferenças de resultados vistas em algumas pesquisas, não necessariamente para o pleito presidencial ainda, mas já para as disputas estaduais, que ainda estão menos presentes no radar do eleitorado.

Por exemplo, as pesquisas divulgadas no mês passado por Quaest e AtlasIntel para o governo da Bahia. O primeiro apontou ACM Neto (União Brasil) com 61% à frente de Jerônimo Rodrigues (PT) com 11%. O segundo instituto apontou vantagem bem menor do ex-prefeito de Salvador: 39,7% a 32,6%.

"A nossa pesquisa colocou na lista de candidatos também os partidos de cada um. Quando você pergunta: 'você votaria no Jerônimo, do PT?' é totalmente diferente de você perguntar 'você votaria no Jerônimo'", disse Roman, da AtlasIntel.

"Na pesquisa Quaest eles colocaram os dois dados. Não colocaram 'candidato do PT', mas colocaram 'apoio do Lula'", disse.

No levantamento da Quaest, quando Rodrigues é apontado como candidato de Lula, ACM Neto aparece com 43% contra 38% do petista.

"Duas pesquisas que aparentemente são muito discrepantes, de fato não são nada discrepantes. É só uma questão de como você pergunta", disse Roman.

ENFOQUE-Brasil vê profusão de pesquisas eleitorais e encara diferenças nas metodologias
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (20)
Paulo Paulo
PauloXVVVVV 10.08.2022 18:30
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Metodologia tem uma definição: Eu contrato o seu Instituto de pesquisa mas você tem que colocar que estou em primeiro.  Como pode Lula estar em primeiro se a quantidade de pessoas em seus discursos não enchem nem um fusca?  Alguém acha que o dia que Bolsonaro estiver à frente nas pesquisas elas seriam divulgadas? Duvido!!!
felipe gomes
felipe gomes 10.08.2022 17:36
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O reflexo das pesquisas deve ser o público engajado nos eventos, bolsonaro leva multidões sem precisar pagar ninguém, Lula só tem pessoas no seus eventos se pagarem, onde bolsonaro vai ele é ovacionado, o Lula da tchauzinho para ninguém nos aeroportos, podcast do bolsonaro da o dobro das visualizações do Lula em um dia, redes sociais do bolsonaro batem nas redes sociais do Lula. Acabou para o lulalau.
Jovani Xavier
Jovani Xavier 10.08.2022 17:04
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Pelo jeito esses institutos nao tem nehuma credibilidade perante o povo, basta olhar nos comentarios abaixo!
Adriano Rocha
Adriano Rocha 10.08.2022 16:46
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
So desesperado. O choro é livre 🍻🎅🚀🥩✈️
César Ferreira
César Ferreira 10.08.2022 16:45
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Kkkkkkkkk todas esses institutos de pesquisa em 2017 previam que Bolsonaro n seria presidente em 2018 ahahahahahahahahahhah
Eduardo De Marchi Pires
Eduardo De Marchi Pires 10.08.2022 16:45
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Renato Del Bianco
Renato Del Bianco 10.08.2022 16:23
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Já pensou contratar uma pesquisa, pagar milhões e depois ela não vier do seu agrado!!! Eu nunca mais contratria aquele instituto…
Ivan zinho
Ivan zinho 10.08.2022 16:14
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
ESSES PILANTRAS DIVULGAVAM UMA PESQUISA ATRÁS DA OUTRA, AGORA QUE ESTÃO VENDO QUE O POVO NÃO CAI NESSA, VEM FAZER MATÉRIA REFLEXIVA. EU NÃO ACREDITO EM PESQUISAS, MUITO MENOS NA REUTERS .
academia Biofitness
academia Biofitness 10.08.2022 15:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
eu acredito no datapovo é só vc olhar nas ruas , essas pesquisas não tem credibilidade nenhuma
Pedro Pontes
Pedro Pontes 10.08.2022 15:43
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Lula e um defunto politico que tentaram ressuscitar para fazer frente ao honesto governo de Bolsonaro para que houvesse uma chance de voces voltarem a roubar os cofres publicos
Gleydson de oliveira leite Gleydson
Gleydson de oliveira leite Gleydson 10.08.2022 15:33
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
essa pesquisa de vocês e mentirosa lula não dar nem para o cheiro isso e porque vocês são pt e querem massificar isso na cabeça do povo até entendo que lula e melhor só para vocês mais não tem jeito pt já era .
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail