Garanta 40% de desconto
🚨 Mercados voláteis? Descubra joias escondidas para lucros extraordináriosDescubra ações agora mesmo

Haddad diz que Pacheco não sinalizou a ele intenção de mudança sobre desoneração dos municípios

Publicado 02.04.2024, 13:53
Atualizado 02.04.2024, 13:53
© Reuters Haddad diz que Pacheco não sinalizou a ele intenção de mudança sobre desoneração dos municípios

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta terça-feira, 2, que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), não sinalizou a ele a intenção de revogar a proposta de reoneração dos municípios, enviada pelo Poder Executivo no ano passado por meio de uma medida provisória. A medida, de acordo com Haddad, foi comunicada pelo ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, com quem ele se reunirá para avaliar a decisão tomada pelo Congresso.

Na segunda-feira, conforme o Broadcast Político (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) mostrou, Pacheco decidiu derrubar a reoneração da folha de pagamento dos municípios, que valeria a partir da própria segunda-feira de acordo com a medida provisória baixada pelo governo.

O texto aumentaria a alíquota de contribuição previdenciária das prefeituras de 8% para 20%. Em despacho, Pacheco prorrogou a MP por mais 60 dias, mas resolveu não estender o dispositivo específico sobre os municípios.

"Tenho reunião com Padilha para avaliar (a revogação da proposta de reoneração dos municípios). Já tem um projeto de lei tramitando na Câmara corrigindo o projeto aprovado no ano passado, limitando ele a algo que possa ser confirmado dentro do orçamento de 2024", disse Haddad aos jornalistas. "Já há compreensão que o projeto (aprovado pelo Congresso no ano passado) onera em mais de R$ 10 bilhões (os cofres da União)", emendou.

Na semana passada, o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), apresentou uma proposta alternativa à desoneração da folha de pagamento dos municípios, além do fim gradual do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse).

Anúncio de terceiros. Não é uma oferta ou recomendação do Investing.com. Leia as nossas diretrizes aqui ou remova os anúncios .

O novo texto limita esse benefício a cidades com até 50 mil habitantes e receita líquida (RCL) per capita de até R$ 3.895. Haddad disse acreditar na aprovação do projeto, mas reconheceu que será preciso negociação.

Questionado sobre uma eventual mudança na meta de resultado primário em meio às propostas discutidas no Congresso, Haddad disse que precisará fazer um balanço do que vai ser aprovado neste mês de abril. "Você fixa uma meta de resultado primário e encaminha as leis que vão dar consistência para essa meta. O trabalho que estamos fazendo junto ao Congresso é no sentido de convencer os parlamentares de que precisamos encontrar fontes de financiamento para as despesas criadas", disse.

O ministro citou, por exemplo, que o novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), o programa Bolsa Família e o piso da enfermagem foram criados sem fontes de receita compensatória.

Haddad enfatizou ainda que há um esforço grande sendo feito para pôr "ordem nas contas", mas ponderou que as perguntas sobre impactos fiscais não devem ser endereçadas apenas ao Executivo. "Precisamos de um pacto nacional dos Três Poderes para chegarmos aos objetivos pretendidos na área econômica. Não vai ser um ministério ou um poder da República que vai resolver a herança herdada do governo anterior", disse.

Últimos comentários

Esse congresso só tem CANALHA. Cortar as emendas NADA
A trupe só Golpe um atrás do outro
Nem precisa da Base Aeroespacial de Alcântara, o Governo Federal vai lançar ao espaço o equilíbrio financeiro dos municípios. Isso destruirá a Federação.
O governo já retornou com vários impostos que o Bolsonaro tinha reduzido. Segundo eles, a arrecadação nesse ano tem sido recorde. Então pq apertar mais os municípios que já estão quebrados? 30% deles fecharam 2023 com as contas no vermelho. Eu moro numa cidade de 65 mil habitantes no RS, e ontem teve aqui um protesto dos servidores municipais pedindo novos concursos pq está faltando servidores e quase 40% dos cargos atuais estão ocupados por estagiários ou CC´s. Quer dizer, a prefeitura não tem dinheiro pra aumentar o quadro e agora ainda teria que pagar mais imposto ao governo federal.
Este congresso tenta destruir o país, boicotando todas as medidas saneadoras enviadas. Lira e Pacheco comandam uma corja de aproveitadores.
Rsrs… fala sério. Se deixarem a corda correr solta com esse govermo, ja estariamos como a Venezuela e Cuba. So tem incompetentes nesse governo.
Neter a mão no meu bolso é medida saneadora? O que o Gov tem que fazer é reforma administrativa nos três poderes. Motorista ganhando mais que professor universitário com mestrado e doutorado, e por aí vai. Acabar com metade dos tribunais inúteis (TCU/ TCE/TCM/TRT/JUSTIÇA MILITAR), acabar com metade dos municípios brasileiros, e muito mais. Já basta de sustentar tanta inutilidade ou o que não deveria existir
É amigo, infelizmente o povo elegeu um monte de abutre. Pra essa corja quanto pior melhor.
Ok
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.