Junte-se a +750 mil investidores que copiaram as ações das carteiras dos bilionáriosAssine grátis

ESPECIAL-A história interna das demissões em massa de Elon Musk na equipe do Supercharger da Tesla

Publicado 15.05.2024, 16:55
© Reuters. Carregador Tesla Supercharger em Ann Arbor, no Michigan
07/12/2023
REUTERS/Paul Lienert
GM
-
F
-
TM
-
TSLA
-
005380
-

Por Chris Kirkham e Hyunjoo Jin e Abhirup Roy

(Reuters) - Um dia antes de Elon Musk demitir praticamente todos os funcionários da divisão de carregamento de veículos elétricos Supercharger no mês passado, eles estavam esperançosos com a reunião que a chefe do departamento, Rebecca Tinucci, teria com Musk sobre o futuro da rede de carregadores da Tesla (NASDAQ:TSLA), afirmaram quatro ex-funcionários da divisão à Reuters.

Após Tinucci cortar entre 15% e 20% da equipe duas semanas antes, em meio a demissões mais amplas na Tesla, eles acreditavam que Musk confirmaria planos para uma grande expansão da rede de carregadores. 

A reunião não poderia ter sido pior. Musk, segundo os ex-funcionários, não ficou satisfeito com a apresentação de Tinucci e queria mais demissões. Quando ela se recusou, dizendo que mais cortes prejudicariam os fundamentos do negócio de carregadores, ele reagiu demitindo-a e toda sua equipe com 500 membros.

As saídas deixaram de cabeça para baixo uma rede amplamente vista como uma conquista emblemática da Tesla e importante impulsionadora das vendas de veículos elétricos.

Os Superchargers (supercarregadores) da Tesla representam mais de 60% das portas de carregamento de alta velocidade dos Estados Unidos, segundo estatísticas federais, e a empresa foi a maior recebedora até agora de 5 bilhões de dólares de fundos federais para carregadores.

Esta reportagem, o mais detalhado relato até agora sobre as demissões na equipe do Supercharger e suas repercussões, é baseada em entrevistas com oito ex-funcionários da divisão de carregadores, um prestador de serviço e um e-mail da Tesla enviado a fornecedores externos.

Apenas Musk e Tinucci estavam na reunião descrita à Reuters. As quatro fontes com conhecimento da reunião transmitiram à Reuters o que ouviram de gerentes do programa Supercharger.

Tesla, Musk e Tinucci não responderam a pedidos por comentários da Reuters. 

Apesar da demissão em massa, Musk já fez publicações nas redes sociais prometendo continuar expandindo o departamento. Mas três ex-funcionários da equipe de carregadores disseram à Reuters que têm recebido ligações de fornecedores, prestadores de serviços e concessionárias elétricas, alguns dos quais gastaram milhões de dólares em equipamento e infraestrutura para ajudar a construir a rede da Tesla. 

Uma carta enviada neste mês por um gerente de fornecimento global da Tesla a prestadores de serviço e fornecedores do Supercharger os instruiu a “por favor, segurar o início de projetos de construção recém-concedidos” e interromper compras de material, segundo uma cópia analisada pela Reuters. “Eu entendo que este período de mudanças pode ser desafiador e que não é fácil ter paciência quando se espera ser pago”. 

A equipe de energia da Tesla, que vende produtos de energia solar e armazenamento de baterias para residências e negócios, recebeu a tarefa de assumir o Supercharger e ligar para alguns parceiros para fechar projetos de construção de carregadores em andamento, afirmaram três dos ex-funcionários da Tesla.

Um fornecedor disse que os funcionários da Tesla que entraram em contato com a empresa desde as demissões “não sabem de nada”. Ele afirmou que esperava que os projetos do Supercharger representassem cerca de 20% das suas receitas em 2024, mas agora planeja diversificar para evitar depender da Tesla. 

Tinucci era uma das poucas executivas de alto escalão da Tesla. Ela havia recentemente começado a responder diretamente a Musk, após a saída do chefe de Bateria e Energia, Drew Baglino, segundo quatro ex-funcionários do Supercharger. Eles afirmaram que, historicamente, Baglino supervisionou o departamento sem muito envolvimento de Musk. 

As demissões marcam o mais recente drama em um ano turbulento da Tesla, com Musk fechando ou adiando várias operações essenciais destinadas a impulsionar o crescimento rápido de vendas de veículos elétricos que os investidores esperavam. Ao contrário, Musk agora diz que a Tesla mudará seu principal foco para carros autônomos, um negócio ferozmente competitivo e mais arriscado, que pode demorar anos para ser desenvolvido. 

A empresa divulgou sua primeira queda em vendas de carros no primeiro trimestre desde 2020, em meio à competição forte de fabricantes de veículos elétricos chinesas e menos demanda mundial por veículos elétricos. A Reuters publicou em abril que a Tesla abandonou planos para um carro mais barato, e há muito tempo aguardado, conhecido como Model 2. Isso colocou em dúvida os planos da Tesla para novas fábricas no México e na Índia, para onde Musk viajaria no mês passado para se encontrar com o primeiro-ministro Narendra Modi, antes de cancelar de última hora. Além disso, vários executivos foram embora em meio a amplas demissões ao redor da empresa. 

 

EXPANSÃO MENOR DE CARREGADORES

A equipe de energia que foi alocada para a administração da rede de carregadores tem cargos similares, segundo dois ex-funcionários da Tesla. Mas os projetos de carregadores são fundamentalmente diferentes porque eles ficam em espaços públicos e exigem extensas negociações com concessionárias, governos locais e proprietários de terrenos, disseram.

A equipe de energia já estava com dificuldades para se manter em dia com sua carga de trabalho, afirmaram dois ex-funcionários da rede de carregadores. No entanto, quando as demissões ocorreram, em 30 de abril, Musk publicou que a empresa “ainda planeja ampliar a rede Supercharger, apenas em um ritmo menor”. Na sexta-feira, Musk publicou que a “Tesla gastará bem mais do que 500 milhões de dólares para expandir nossa rede Supercharger para criar milhares de NOVOS carregadores neste ano”. 

Dois ex-funcionários do Supercharger disseram que o orçamento de expansão de 500 milhões de dólares é uma redução significativa do que a equipe havia planejado para 2024 -- mas, ainda assim, um desafio que exige centenas de funcionários. Em uma análise entregue à Reuters, a empresa de pesquisa EVAdoption, de San Francisco, estimou que um investimento de 500 milhões de dólares neste ano se traduziria na Tesla construindo 77% menos portas de carregamento por mês nos EUA em comparação com o ritmo da fabricante até abril. 

 

"A VER NAVIOS"

A Tesla apresentou suas primeiras estações de Superchargers na Califórnia em 2012, com Musk dizendo que a rede era um “divisor de águas” para os veículos elétricos que permitiria viagens longas e conveniência “equivalente a carros movidos a gasolina”. 

O negócio de carregadores de veículos elétricos exige um investimento inicial substancial, e os analistas muitas vezes o consideraram não lucrativo. Mas a rede da Tesla era lucrativa antes das demissões, segundo quatro ex-funcionários da Tesla com conhecimento do desempenho financeiro do departamento. 

Isso acontecia por causa do controle de custos e análise extensa da Tesla para escolher locais que atrairiam clientes ao longo de todo o dia, não apenas em horários de pico, quando o preço da eletricidade dispara. Um ex-funcionário do Supercharger afirmou que os custos por porta de carregamento da Tesla eram tipicamente pelo menos 50% menores que os dos competidores. 

Ainda no mês passado, a Tesla afirmou em um comunicado ao mercado que precisava expandir os carregadores para “garantir uma disponibilidade adequada” aos consumidores, especialmente após fabricantes como Ford (NYSE:F), General Motors (NYSE:GM), Toyota e Hyundai anunciarem que começarão a fazer carros compatíveis com os conectores de carregamento da Tesla, dando aos seus veículos acesso aos Superchargers. 

Outro ex-funcionário disse que esse lançamento está “completamente comprometido” porque não haverá novos locais de carregamento suficientes em operação e que a empresa está apenas começando a implementar atualizações para permitir mais compatibilidade com os veículos de outros fabricantes. 

Três dos ex-funcionários disseram que as demissões são um grande revés para a expansão de carregadores nos EUA por causa dos relacionamentos que os funcionários da Tesla haviam construído com fornecedores e concessionárias elétricas. A Tesla havia se tornado uma das maiores clientes de grandes concessionárias ao redor do país e muitas contrataram novos funcionários e planejaram nova infraestrutura com base nos planos de expansão da rede da Tesla, segundo os ex-funcionários. 

© Reuters. Carregador Tesla Supercharger em Ann Arbor, no Michigan
07/12/2023
REUTERS/Paul Lienert

Outras empresas podem conseguir preencher a lacuna, de acordo com os ex-funcionários, mas será difícil replicar a boa vontade construída ao longo do tempo com as concessionárias e outros prestadores de serviço a partir dos investimentos de larga escala da Tesla.

“É simplesmente lamentável que eles agora estejam a ver navios em todos esses projetos diferentes”, disse um ex-funcionário. “É muito triste ver todos esses relacionamentos queimados e pessoas muito bravas -- e com razão”. 

(Reportagem de Chris Kirkham, em Los Angeles, e Hyunjoo Jin e Abhirup Roy, em San Francisco)

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.