Garanta 40% de desconto
🚀 6 ações que subiram +25% no 1º tri selecionadas pela nossa IA. Quais ações vão subir no 2º tri?Não perca a lista completa

Petrobras desvaloriza R$ 29,9 bilhões após Prates indicar possível redução em dividendos

Publicado 29.02.2024, 10:53
Atualizado 29.02.2024, 14:10
© Reuters.  Petrobras desvaloriza R$ 29,9 bilhões após Prates indicar possível redução em dividendos

A uma semana da apresentação dos resultados da companhia em 2023, as ações da Petrobras (BVMF:PETR4) dividiram as atenções dos investidores com os papéis da Vale (BVMF:VALE3) nesta quarta-feira, 29, na Bolsa de Valores, a B3 (BVMF:B3SA3), depois de declarações do presidente da companhia, Jean Paul Prates, sobre mudanças na política de dividendos da estatal. A sinalização dada por Prates, de que os recursos que serão distribuídos podem diminuir, fez desabar as ações da estatal.

Os papéis ON (ordinárias, que dão direito a voto) recuaram 5,39%, e os PN (preferenciais), 5,16%. Como resultado, a empresa, desvalorizou R$ 29,9 bilhões em um único dia.

Pouco antes do fechamento do pregão da Bolsa, a estatal divulgou nota dizendo não haver "qualquer decisão em relação à distribuição de dividendos", e que o tema será tratado em assembleia de acionistas dia 25 de abril, "com base na nova Política de Remuneração aos Acionistas, aprovada pelo conselho de administração em julho de 2023".

Em entrevista à Bloomberg, Prates disse que Petrobras deve ser mais cautelosa em relação à "remuneração dos acionistas" à medida que busca se tornar uma potência em energia renovável. "Os acionistas vão entender. Eu seria mais conservador do que agressivo. Estamos no meio dessa grande decisão de nos tornarmos uma empresa de petróleo em transição."

A declaração surpreendeu os investidores. "Essa fala pegou o mercado de surpresa. A empresa é uma baita geradora de caixa, e no plano estratégico a Petrobras não dizia nada sobre possível impacto de dividendos anteriormente", disse Rodrigo Moliterno, sócio da Veedha Investimentos.

Retornos menores

A mesma percepção teve o analista independente Hulisses Dias. Segundo ele, as declarações de Prates "desanimam" os investidores, que esperavam dividendos maiores da empresa. "O eventual direcionamento do fluxo de caixa para investimentos em energia renovável faz com que a ação caia baseado nos retornos menores que esses projetos apresentam no curto prazo", disse Dias.

Neste mês, a Petrobras bateu recordes de valor de mercado por seis vezes, muito em razão da percepção de que o seu plano de investimentos não foi tão agressivo como o mercado esperava, o que reanimou os investidores, tendo em vista a possibilidade de manutenção de boas cifras em dividendos distribuídos aos acionistas.

Bancos como Goldman Sachs (NYSE:GS) e BTG Pactual (BVMF:BPAC11) avaliaram na época haver espaço para que a companhia continuasse pagando proventos extraordinários, o que repercutiu positivamente sobre as ações.

Sem mudanças

Em um evento da Petrobras no final de janeiro, em Nova York, a direção da empresa havia reiterado sua política de dividendos, aplicada trimestralmente, e mencionou que o dividendo extraordinário deve ser pago apenas uma vez por ano.

"Vemos espaço para um anúncio de até US$ 7 bilhões, mas reconhecemos que o valor a ser pago poderá ser menor dependendo de como a administração conservadora estará na gestão de caixa", afirmaram os analistas do Goldman Sachs, na época. Já o BTG Pactual destacou, também naquela ocasião, que a estatal havia dito que prosseguiria a transição energética "sem abandonar o seu negócio principal nem a sua responsabilidade financeira".

Agora, com a fala de Prates, o ruído em relação aos dividendos da Petrobras volta à cena, segundo o analista Rafael Passos, sócio da Ajax Asset. "Como a Petrobras foi uma das principais distribuidoras de proventos na Bolsa recentemente, o mercado tem muita atenção a isso. E a maior parte das vendas do papel agora é de corretoras estrangeiras", disse Passos.

Entre esses vendedores estrangeiros, estavam Goldman Sachs, UBS BB (BVMF:BBAS3) e Merrril Lynch para as ações ordinárias, e de UBS, Goldman Sachs e CM Capital Markets para as ações preferenciais.

Para Pedro Galdi, analista da Mirae Asset, Prates sinalizou que o valor dos dividendos deve ser menor, já que sua fala ocorreu próximo da divulgação do balanço de 2023 - a estatal divulga os resultados no dia 7 de março.

Últimos comentários

Esse Prates deve ser especulador do mercado de acoes. Devia ser responsabilizado por essas palavras insanas. Ele devia estar no governo bolsknarista e nao no de LULA. A servico de quem um presidente faka isso apos 15 dias de latetizacao das acoes?????
Mentem sem nem piscar é a especialidade dessa cambada !!!
Agora quem vai pagar o pato pelas canetadas do governo são os que recebem dividendos da Petrobrás!!
e ainda não começou o saque.. foi só abrir a boca
Mas, antes, valorizou 300 bilhões com o Lula 🇧🇷 !
Ele queria comprar, mas o preço estava esticado, então soltou está pérola. vou às compras, algum dividendo vêm.
Somente o Haddad sabe falar direito nesse governo. Ele sabe a sua importância e mede as palavras. O resto…calados já estão errados. Só ficar quieto.
ABRASILEIRANDO!!!
Saudeades do ladrão golpista trocando os generalecos da PBR até terminar com um tecnico de TI na presidência... Roubalheira regularizada, o resto não importa para o miliciano...
Petrobras perde R$ 102,5 bi em valor de mercado após intervenção de Bolsonaro
Oh CEO Por que non te callas?
Gleisi curtiu isso🤩
Saiam antes que seja tarde! Ja quebraram a empresa do governo mais corrupto da história, hoje ele ta de volta com mais vontade ainda
E ainda não comecarsm a roubar como no passado. Fujam de ações brasileiras
Começaram
Já começaram..mas de forma legalizada. Veja matéria sobre “multa bilionária do CARF”..estão usando a empresa para pagar o descontrole dos gastos públicos.
como é fácil enganar os incautos
Cada declaração, uma porrada no papel.
Pergunta se ele está preocupado com isso.
E mico
É! Vão quebrar novamente a Petrobras. Jeito PT de administrar as estatais, questão de time.
Governo corrupto
faz o L
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.