Garanta 40% de desconto
⚠ Alerta de Balanço! Quais ações estão prontas para disparar?
Veja as ações no nosso radar ProPicks. Essas estratégias subiram 19,7% desde o início do ano.
Não perca a lista completa

Ações cujos dividendos tendem a ser mais atrativos num cenário de Selic em queda

Publicado 13.06.2023, 13:10
Atualizado 09.07.2023, 07:32

A perspectiva do mercado é de que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) comece a decidir pela queda gradual da taxa Selic. Em um cenário de redução da taxa básica de juros, é importante que o investidor passe a considerar as implicações desse movimento no mercado financeiro e busque oportunidades que possam oferecer retornos mais atrativos. 

Uma das formas de potencializar os ganhos é por meio do investimento em ações que apresentem dividendos mais interessantes nesse contexto. A taxa Selic, estabelecida pelo Banco Central, é utilizada como referência para o custo do dinheiro no Brasil e sua redução pode ter impactos significativos em diferentes setores da economia. Nesse sentido, algumas ações podem se beneficiar mais dessa queda de juros, aumentando a perspectiva de distribuição de dividendos mais atrativos aos acionistas. 

Considerando esta linha de raciocínio, alguns setores tendem a se beneficiar da diminuição da taxa de juros. Consequentemente, as empresas desses segmentos específicos passam a apresentar ações mais atrativas para os investidores. Como exemplos, podemos citar os setores financeiro, imobiliário, de consumo e de energia como beneficiários desse novo cenário. 

As instituições financeiras, como bancos, costumam obter vantagens com a queda da taxa de juros. A redução da Selic diminui os custos de captação dessas instituições, permitindo uma margem de lucro potencialmente maior. Essa condição pode viabilizar a distribuição de uma parcela maior dos lucros como dividendos, tornando as ações dessas empresas mais atrativas para investidores em busca de rendimentos. 

O mercado imobiliário, por sua vez, é fortemente influenciado pela taxa de juros. Com a redução da Selic, os financiamentos imobiliários se tornam mais acessíveis, estimulando a demanda por imóveis. Empresas do setor imobiliário, como construtoras e incorporadoras, podem experimentar um aumento nas vendas e, consequentemente, nos lucros. Esses resultados positivos podem ser repassados aos acionistas na forma de dividendos mais interessantes. 

O setor de consumo também tem um rendimento melhor em um ambiente de juros baixos. A queda da Selic impacta o comportamento do consumidor. Com empréstimos e financiamentos mais baratos, as pessoas tendem a buscar mais bens de consumo, impulsionando setores como varejo, alimentos e bebidas. Empresas nesses segmentos são beneficiadas pelo aumento da demanda e apresentam melhores resultados financeiros, proporcionando, da mesma forma, dividendos mais atrativos aos investidores. 

Por fim, as empresas do setor de energia, como distribuidoras e geradoras de eletricidade, são beneficiadas indiretamente. É que a redução dos juros estimula o crescimento econômico e aumenta a demanda por energia elétrica. Obviamente, esse cenário favorável reflete nos resultados financeiros dessas empresas e, consequentemente, na distribuição de dividendos mais atraentes. 

A verdade é que a taxa básica de juros em patamares menores beneficia todo o mercado, até porque ela é um indicativo de inflação sob controle. A renda variável fica mais atrativa do que a renda fixa gerando inúmeras boas oportunidades. Mas se considerarmos não só o ativo em si, mas o compromisso de distribuição de dividendos, vale ficar de olho nas empresas dos quatro setores citados acima. 

Últimos comentários

Dividendos: cereja do bolo financeiro.
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.