Garanta 40% de desconto
🚨 Os mercados estão em baixa. Descubra ações subvalorizadasDescubra ações agora mesmo

Americanas (AMER3): calote deve impactar resultados de bancos no 1º tri de 2023

Publicado 27.01.2023, 13:35
Atualizado 09.07.2023, 07:32

A derrocada da Americanas (AMER3) relacionada ao rombo financeiro de R$ 41,2 bilhões no balanço terá impacto no resultado dos grandes bancos.

A tumultuada lista de credores da Americanas apontou o Bradesco (BVMF:BBDC4), Santander (BVMF:SANB11) e BTG Pactual (BVMF:BPAC11)como os bancos brasileiros com maior exposição de crédito à empresa.

O adjetivo tumultuado só foi usado porque a lista de credores da Americanas também apresenta “inconsistência” nos dados.

O passivo da Americanas sujeito à recuperação judicial totaliza R$ 41,2 bilhões devidos a 7.720 credores, segundo o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. O dado diverge dos números apresentados pela Americanas no pedido de recuperação judicial, que apontava uma dívida estimada de R$ 43,1 bilhões com 16.300 credores. A informação é do Bloomberg Línea.

Lista com os principais bancos credores

  • Deutsche Bank: R$ 5,2 bilhões
  • Bradesco: R$ 4,8 bilhões
  • Santander: R$ 3,6 bilhões
  • BTG Pactual: R$ 3,5 bilhões
  • Banco Votorantim (BV): R$ 3,2 bilhões
  • Itaú (BVMF:ITUB4): R$ 2,9 bilhões
  • Safra: R$ 2,5 bilhões
  • Banco do Brasil (BVMF:BBAS3): R$ 1,3 bilhão
  • Daycoval: 509 milhões
  • Caixa: 501 milhões
  • ABC Brasil (BVMF:ABCB4): R$ 416 milhões
  • BNDES: R$ 276 milhões

Fonte: Lista de credores da Americanas

Neste momento, enquanto não temos um parecer preciso se a empresa terá que fazer ajustes na lista de credores, o cenário é este:

Deutsche Bank

Entre as instituições financeiras, o Deutsche Bank (BVMF:DBAG34)(ETR:DBKGn), que tem US$ 1 bilhão (R$ 5,2 bilhões) a receber da Americanas, aparece com a maior dívida.

No entanto, o banco alemão não é credor da varejista. De acordo com o mercado, o Deutsche atua como agente fiduciário (trustee) de dois títulos de dívida (bonds) que a Americanas emitiu no exterior no segundo semestre, de US$ 500 milhões cada, de acordo com uma fonte.

%AD-CONTAINER-0%

Ou seja, o banco alemão possui os títulos de dívida da companhia, mas os detentores desses títulos são os reais credores.

Bradesco

Outro montante expressivo é a dívida com o Bradesco (BBDC4) no total de R$ 4,8 bilhões.

A Americanas também possui um débito com a operadora de saúde Bradesco Saúde no valor de R$ 5,1 milhões.

Santander

Logo depois vem o Santander (SANB11), com R$ 3,6 bilhões a receber.

O “efeito Americanas” deve ter impactos limitados tanto para o Bradesco quanto para o Santander.

Imaginamos que os bancos terão a mesma atitude quanto ao reconhecimento das possíveis perdas e devem optar por provisionar esse valor no primeiro trimestre (1T23), com possível impacto para a linha de lucro líquido.

BTG Pactual

Na sequência, aparece o BTG Pactual (BPAC11) com R$ 3,5 bilhões a receber.

Na terça-feira, 24, a Americanas conseguiu uma liminar para reverter a decisão que autorizou o bloqueio de R$ 1,2 bilhão da varejista pelo banco. Na quarta-feira, 25, porém, o BTG usou a carta “Inversão” do UNO e conseguiu manter o bloqueio dos recursos retidos.

Em nota publicada na quinta-feira, 26, a varejista disse que o bloqueio do valor trata-se de um provimento parcial e que “o juízo de competência ainda será decidido pelo STJ”.

O BTG ainda conta com uma exposição de R$ 21 mil relativos a serviços prestados pela corretora.

O baque da Americanas no BTG


Uma estimativa feita pelos analistas da XP (BVMF:XPBR31) para calcular o nível de provisões considera um impacto nos lucros trimestrais dos grandes bancos de 10% a 30%.

%AD-CONTAINER-1%

Conversei com o time do BTG Pactual para entender a exposição a Americanas.

Com base nos últimos resultados divulgados, Lopes ressalta que o banco de André Esteves tem cerca de 30% da receita líquida em corporate lending (crédito) e uma carteira de crédito corporativo de aproximadamente R$ 130 bilhões.

Na verdade, o BTG possui uma exposição líquida (considerando que o caixa na data de hoje está sob avaliação) de R$ 1,9 bilhão líquido em Americanas. Com isso, acreditamos que o banco deve fazer, no 1T23, uma provisão de 30% (antes de taxas) desse valor, o que trará um impacto no lucro de cerca de R$ 330 milhões (a companhia está com histórico de lucro do último trimestre de 2,3 bilhões).

Acreditamos que o BTG deve fazer, no primeiro trimestre de 2023, uma provisão de 30%, com impacto no lucro de cerca de R$ 330 milhões
Dados do 3T22 ante o 3T21. Fonte: Reprodução/ RI BTG Pactual

Essa provisão representa um impacto médio de 13% no lucro, considerando que BTG não cresça, o que sabemos que é improvável, portanto, o impacto será menor (mercado estima na casa de -5%) da primeira provisão a ser feita. É claro, a briga de congelamento de caixa e próximas provisões está apenas começando.

Nossa recomendação

Dentre os grandes bancos, o BTG Pactual (BPAC11) tem o menor potencial de risco em proporção ao tamanho da sua carteira de crédito e à solidez das demais linhas de negócio.

O BTG tem crescimento, é altamente rentável e ainda assim suas ações negociam a apenas 8 vezes lucros.

BPAC11 é uma ação da nossa cobertura com recomendação de Compra

Recomendação: Comprar

Últimos comentários

Mais uma vez, os investidores minoritários formiguinhas pagam a conta. Até quando ?
A esta altura dos acontecimentos, os pequenos investidores só conseguem balbuciar uma frase: eu sifudi, kkkkkkkkkkkkkk.
Comparar Itub4 com Bpac11 é a mesma coisa de um fusquinha com uma Ferrari. Olhem o Roe e a Vpa. Itaú o maior banco da américa latina. Çêy
e agora como fica o pequeno investidor que tinha investido nas americanas
Fica lascado. Ou vende e assume o prejuízo, ou aguarda o fim do processo para ver o que ocorre.
comprei 37 ações a 15 reais dá uns 500 contos pode levar uma vida mas esses 500 daqui a 15 anos......
Serão muito diluídos. As ações vão virar pó.
Melhor recomendação, dentre todos os bancos, seria para o BBAS3, baixíssima exposição às Americanas, baixo preço em relação a todos fundamentos. Barsi tem total razão, não dá para perder dinheiro com o BB. Abração
Calma q o Lula pode arrebentar com os lucros do Banco do Brasil
não creio. Isso é conversa para afastar os investidores dos bancos públicos. No final o Barsi tem total razão.
Tambem nao me sinto seguro com o PT em se tratando de Bancos e empresas públicas.
Sei não em, mais está com cara que BNDS vai entrar nessa jogada. E joga nas costas do contribuinte bancar isso.
Também acredito nisso
Tomara que entre, assim ganha fôlego e nao demite os colaboradores. Contido ainda ajuda os micro acionista a recuperar o prejuijo, pois os qie mais ta sofrendo sao ele, que aposta o pouco qie tem de suas economias.
Boa tarde parabéns Danielle pela notícias bons negócios grande abraço
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.