🚀 Ações escolhidas por IA em alta. PRFT com alta de +55% em 16 dias. Não perca as ações de junho!Acessar lista completa

Desvendando a alta do dólar: 3 fatores por trás da valorização da moeda em 2024

Publicado 24.04.2024, 10:00
USD/BRL
-
LCO
-

Recentemente, temos testemunhado uma notável valorização do dólar em relação a diversas moedas globais, inclusive o real. Essa tendência traz questionamentos sobre os fatores impulsionadores deste movimento e seu impacto nos mercados financeiros e na economia mundial.

Desde o desenvolvimento econômico dos Estados Unidos até os desafios fiscais enfrentados pelo Brasil e os acontecimentos geopolíticos no Oriente Médio, cada um desses tópicos acarretam em repercussões na dinâmica do mercado cambial. Por isso, compreender esses elementos oferece uma percepção valiosa sobre o futuro do câmbio e as estratégias para lidar com ele.

Crescimento dos EUA

O câmbio é uma dinâmica complexa, mas, se há algo que tende a valorizar a moeda de um país, é a percepção positiva que o mundo tem sobre ele. Dessa forma, uma aversão ao risco internacional ou uma maior confiança na economia dos Estados Unidos costumam fortalecer o dólar, considerado globalmente um refúgio seguro.

Nas últimas semanas, tanto o Índice de Preços ao Consumidor quanto os números do mercado de trabalho norte-americano têm ultrapassado as projeções realizadas até então. Segundo o Federal Reserve (Fed), esses dados apontam para a necessidade de manter as taxas de juros elevadas por um período prolongado. 

Inicialmente, previa-se que o Banco Central do país estaria reduzindo as taxas de juros no começo do ano. Atualmente, a taxa está entre 5,25% e 5,5%, o nível mais alto desde o início do século. No entanto, dados econômicos surpreendentes nos Estados Unidos alteraram essa expectativa; atualmente, a taxa está entre 5,25% e 5,5%, o nível mais alto desde o início do século, e cortes só devem ocorrer em setembro. 

Aliás, essa visão tem encontrado apoio entre os diretores da instituição financeira, que sinalizam a importância de manter a política monetária restritiva por um período prolongado. Na prática, isso reflete nos juros futuros dos Estados Unidos e, por conseguinte, no aumento dos rendimentos dos títulos do Tesouro norte-americano, contexto que tende a impulsionar o dólar globalmente.

Desafio fiscal no Brasil

Com os recentes indicadores da atividade econômica nos Estados Unidos continuando a superar as expectativas, é possível que haja uma pressão adicional sobre a política monetária e cambial brasileira. A lentidão do país norte-americano em iniciar o ciclo de cortes de juros, além da redução da taxa Selic realizada pelo Banco Central do Brasil (Bacen), diminui o diferencial de juros entre as duas economias. Assim, a atratividade do chamado "trade de carrego", ou carry trade, cai, o que tende a enfraquecer a moeda local.

A deterioração da percepção fiscal no território brasieiro também acentuou o avanço do dólar em relação ao real. Na revisão das metas fiscais na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), as estimativas de um superávit primário de 0,5% em 2025 foram substituídas pela eliminação do déficit no próximo ano. Já a projeção de 1% para 2026 foi reduzida para 0,25%, chegando a 0,5% em 2027 e retornando a 1% em 2028. 

Recentemente, o presidente do Bacen, Roberto Campos Neto, também destacou que o custo da política monetária precisará ser elevado devido à diminuição da confiança fiscal. Diante dos riscos em jogo, uma redução adicional das taxas de juros poderia resultar em uma depreciação ainda mais acentuada do real e aumentar as pressões inflacionárias.

Por outro lado, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, destacou que a maior parte da depreciação cambial decorre do contexto internacional, o que não é infundado. O aumento do risco global e uma abordagem mais cautelosa da política monetária pelo Fed possuem um efeito significativo. 

No entanto, não podemos ignorar que as preocupações internas têm contribuído para a recente deterioração.

Escalada de tensões no Oriente Médio

Por fim, o envolvimento direto do Irã nos conflitos com Israel têm reacendido a preocupação dos investidores com um possível ressurgimento da inflação. Embora as incertezas estejam concentradas na região, os impactos desses eventos são globais, tanto em termos diplomáticos quanto econômicos. O principal risco para os mercados reside na possibilidade de uma escalada do embate afetar o preço do petróleo, pois qualquer interrupção na logística regional deve interferir na oferta dessa commodity crucial.

Nas últimas semanas, os valores do produto já ultrapassaram a marca de US$ 90 pela primeira vez desde outubro, impulsionados por preocupações relacionadas ao ataque iraniano ao território israelense. Apesar da baixa letalidade da investida, a apreensão quanto a uma potencial retaliação mais incisiva é latente. 

Não à toa, especialistas alertam que um conflito aberto entre Irã e Israel poderia elevar os preços do petróleo para cerca de US$ 120, exacerbando a inflação global. Este cenário, por sua vez, reduziria as chances de cortes de juros nos Estados Unidos.

Precauções para o futuro do dólar

Em meio às complexidades do cenário econômico global, é evidente que a recente valorização do dólar tem implicações profundas e multifacetadas. Ao compreendermos os agentes causadores dessa alta e suas interconexões, podemos vislumbrar os possíveis desdobramentos no mercado cambial e na economia mundial.

Diante disso, é essencial adotar uma abordagem cautelosa e adaptativa para navegar pelos desafios e oportunidades que se apresentam. À medida que avançamos em 2024, permanece crucial monitorar de perto esses fatores e ajustar estratégias conforme necessário para apaziguar riscos e capitalizar sobre as projeções existentes.

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.