Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

IGP-M Agressivo Intensifica Percepção de Inflação Pelo “Pass-Through” no Varejo!

Por Sidnei NehmeResumo do Mercado21.09.2020 07:01
br.investing.com/analysis/igpm-agressivo-intensifica-percepcao-de-inflacao-pelo-passthrough--no-varejo-200437417
IGP-M Agressivo Intensifica Percepção de Inflação Pelo “Pass-Through” no Varejo!
Por Sidnei Nehme   |  21.09.2020 07:01
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

E que não se diga como o COPOM que é “temporário”, pois os preços estão mudando já no varejo para patamares preocupantes e o índice oficial, o IPCA, continua inerte na percepção.

Não precisa recorrer aos índices oficiais, basta ir ao supermercado e no “dia a dia” há a clara e inquestionável confirmação de que a inflação está de volta de forma voraz e exterminadora dos rendimentos assalariados, além, evidentemente, dos impactos do IGP-M nas contas administradas de consumo obrigatório e os contratos, em especial o de alugueres.

Enfim, a velha conhecida brasileira, há certo tempo afastada da cena, está de volta e num momento de busca de retomada da atividade econômica bastante claudicante,  num cenário altamente afetado pela crise da pandemia do coronavírus, seja pelo brusco choque redutor de renda da população, seja pelo desemprego (IBGE/agosto; 14,3% 13,7 mm de desempregados) que ainda é soberbo e não dá sinais de retomada com dinamismo, muito pelo contrário.

E na raiz do problema, por mais que se divague sobre o fato elencando inúmeros fatores, está a questão do “câmbio alto e juro baixo”, que por ser uma postura dogmática deste governo, a partir de ideia do Ministro da Economia, é evitado a todo custo para não ser posto na mesa de discussões.

Deu muito pouco certo e muito, muito mesmo, errado e voltando a colocação do ex-Ministro Simonsen, “o juro aleija e o câmbio mata”, e o Brasil convive exatamente com este diagnóstico.

O IGP-M aponta para 16% ao final do ano, e a magnitude do mesmo inviabiliza quaisquer justificativas que não passe pelo “câmbio alto” como causa maior da exacerbação.

E,  inexoravelmente devolve ao país intensa inflação, que sendo culturalmente memória brasileira, enseja movimento “bola de neve” e a contaminação generalizada dos preços da economia, mas não dos salários que segue o IPCA o que fragiliza o consumo, e, desta forma recrudescem as perspectivas de retomada da atividade econômica, pois sem demanda a economia não ganha dinamismo.

Então, a nova moda é apontar todas as posturas de observação com maior acurácia de “negacionismo”, o que parece um equívoco,  pois se não houver rigor e ações pró-ativas por parte do governo, em especial COPOM,  a deterioração poderá ocorrer de forma desorganizada e, o mercado financeiro que clama por maior redução na SELIC será o primeiro a migrar para o juro de curto prazo o que já é perceptível no juro de médio/longo prazo.

Há também um fato novo que ainda não foi corrigido nos conceitos típicos das análises no Brasil, a dívida fiscal preocupante desta vez não deve exercer pressão de apreciação do dólar, visto que não há pressões legítimas de demanda da moeda no país, que tem posição credora nas contas externas e por isso deveria ter um CDS a 150 pontos e não 200 pontos,  tem reservas cambiais robustas e mercado de derivativos sofisticado para proteção de riscos.

A pressão previsível será sobre o juro que deverá repercutir o desajuste fiscal do país e que pressionará o financiamento da dívida pública brasileira.

A correção efetiva da equação atual é apreciar o real e elevar o juro, única forma de impactar na evolução incontida do IGP-M, e o fator relevante é o país recompor a atratividade do mercado de renda fixa para os investidores estrangeiros e com isto intensificar o fluxo cambial que impactaria sobre o câmbio apreciando o real.

A ideia do “câmbio alto e juro baixo” é uma estratégia, mas está com seus parâmetros fora da curva e causando efeitos altamente negativos na economia como um todo.

Se o BC, responsável pela política monetária e cambial, não impulsionar e implementar os ajustes, os mesmos acabarão acontecendo de forma abrupta e desorganizada e será pior.

O comportamento estressado do dólar na sexta feira foi significativo “clamando” pela incompatibilidade do juro no mercado.

O BC precisa assumir o protagonismo!

IGP-M Agressivo Intensifica Percepção de Inflação Pelo “Pass-Through” no Varejo!
 

Artigos Relacionados

IGP-M Agressivo Intensifica Percepção de Inflação Pelo “Pass-Through” no Varejo!

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (15)
Magno Azevedo
Magno Azevedo 21.09.2020 11:35
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Mais uma vez parabéns por descrever a economia real. me pergunto como se faz política monetária com juros negativos. Inflação manipulada com novos modelos absurdos de apuração.
Andre Bomilcar
Andre Bomilcar 21.09.2020 11:33
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
gostei colega nesta estou em 100% com você . brilhante
Romulo Pariz Galon
Romulo Pariz Galon 21.09.2020 10:37
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Artigo ignora completamente a COVID19 e os 600tão, como se fosse irrelevante para uma análise de inflação. COVID19 não diminuiu o consumo, apenas redirecionou, setor de material de construção está vendendo como nunca... Aqui região falam de um aumento de 50% de faturamento...
Romulo Pariz Galon
Romulo Pariz Galon 21.09.2020 10:33
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Em nenhum momento no texto o autor fala de COVID19 que fechou algumas industrias por um tempo significante, ou dos quase 900 bilhões de déficit primário devido na maior parte aos inúmeros auxílios injetados no sangue da economia. Parece que isso não tem relevância nenhuma... afinal o aumento do preço em 30% da lajota feita nos fornos aqui do meu bairro é por causa do dólar...
Priscilla Wagner
Priscilla Wagner 21.09.2020 10:02
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Excelente analise! O Brasil eh exportador de commodities e, entre elas, alimentos. Desde q baixaram os juros na marra e o dolar disparou, ficou obvio q a inflacao dispararia.
Luiz Ferreira Santos
Luiz Ferreira Santos 21.09.2020 9:39
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
S política económica deste governo está completamente errada. Primeiro terism que reduzir as estatais e os custos do governo para depois reduzir os juros. Agora a vaca foi pro brejo.Uma solução seria a saida imediata do Guedes e do maluquinho do BC, ou dar uma canetada no Real, valorizsndo uns 30% e voltar ao sistema de bandas.
rob hunter
rob hunter 21.09.2020 9:30
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
ta aí o resultado do "BC independente" que o mercado (entenda-se banqueiros) tanto clamavam. att
joão carlos nique de azevedo Azevedo
joão carlos nique de azevedo Azevedo 21.09.2020 9:05
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Na conferência da CSN de janeiro já se anunciava a necessidade de aumentar preços para adequar custos. Não se vislumbrava Coronavirus, apenas câmbio. O repasse de custos e o incentivo a exportação, com privilégios de taxas, contribuem.
Isaias Melo
Isaias Melo 21.09.2020 8:47
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Infelizmente nao concordo , essa "bolha " de inflacao vai ser combatida pela lei da oferta e da procura . Com o fim do abono emergencial , a renda dos trabalhadores vai sofrer um forte achatamento - consequente - trara os precos para niveis mais civilizados . Deve-se levar em conta que as empresas estao muito reticentes na concessao de reajustes , pelo contrario estao demitindo ! Ao mesmo tempo um numero muito grande de trabalhadores informais ainda nao conseguiram retomar atividades , ou seja menos renda circulando . Se analisaarmos pela otica da lei Shumbert nao ha qualquer consistencia que sinalize para reposicao da inflacao . Caso o governo se utilize de alguma estrategia "heterodoxa" vai comprometer mais ainda a tenue possibilidade de crescimento e respeito ao teto.
Mostrar respostas anteriores (1)
Cícero RP
Cícero RP 21.09.2020 8:47
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Verdade Isaias, qdo acabar a farra dos 600+300 o consumo desenfreado (gerador de inflação) se estabilizará pela lei básica da oferta/procura.
José C Neto
Neto863 21.09.2020 8:47
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Tem doutrinado aqui que acha que entende de economia porque utiliza jargões aprendidos no Whatsapp. A demanda por alimentos é praticamente inelástica. Assim, a oferta é que determina os preço e com o dólar alto, é melhor exportar. Quer que eu desenhe?
Romulo Pariz Galon
Romulo Pariz Galon 21.09.2020 8:47
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
José C Neto  Demanda por alimentos é, mas o tipo de alimento muda
Cícero RP
Cícero RP 21.09.2020 8:47
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
José C Neto  Quando acabar o dinheiro extra e ainda com preços altos, as vendas irão despencar e terão que reduzir os preços naturalmente.
Alfredo Guisulfo
Alfredo Guisulfo 21.09.2020 8:47
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Olha, como ja dizia uma tirinha do Armandinho, já vi o pacotinho de salgadinho diminuir de tamanho para manter o preço do produto. Mas nunca vi o produto simplesmente voltar a precos anteriormente praticados.
Claudio Andre Andrade Couto Andrade
Claudio Andre Andrade Couto Andrade 21.09.2020 8:36
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Artigo bastante esclarecedor!Concordo plenamente e posso dizer que é um alento finalmente me deparar com um economista que coloca essa discussão tão necessária na mesa . Desequilíbrio esse que afasta a atratividade de se financiar a divida pública brasileira , míngua o rendimento mais conservador tão necessário pra quem tem poupança nesse país, e por consequência pressiona a inflação como mencionada pelo Sr Sidnei Nehme por causa da equação , juros absurdamente baixos que corrobora em câmbio acima do aceitável num ambiente de desemprego altíssimo e economia fragilizada.O desequilíbrio dessa política de juros é nítida , vamos ajustar essa equação enquanto há tempo Sr Ministro, senão o remédio sera muito mais amargo !
Helio Jose Pamplona
Helio Jose Pamplona 21.09.2020 8:06
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Ha uma inécia no BC, o efeito câmbio vai ser devastador para inflacão.
Manuel Gomez
Manuel Gomez 21.09.2020 7:40
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O BC "independente" errou a mão no câmbio ao alinhar-se ao discurso de Guedes.
Bartolomeu Barbichovski
Bartolomeu Barbichovski 21.09.2020 7:34
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Perfeito! Faltava alguém que dissesse isso. Estamos num barco à deriva, infelizmente. E alguém precisa assumir o controle do leme.
Ottorino Cetti Brasileiro
Ottorino Cetti Brasileiro 21.09.2020 7:34
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Simplesmente não há alternativas. Tem que fazer uma VERDADEIRA reforma aministrativa, acabando com auxílio terno, auxílio moradia, auxílio beija meu cool etc. Tem que que atualizar a tabela de IR para permitir que os setores mais pobres dinamizem a economia (porque não vão ser os de classe alta que vão fazer isso), tem que subir essa Selic para pelo menos 7-8% de uma cacetada só para dar choque no mercado, tem que desonerar a folha de pagamento mediante contratos individuais governo-empresa com metas de empregabilidade, e emitir títulos do tesouro APENAS denominados em dolares.
Valmir Barreto
BarretoV 21.09.2020 7:21
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Grande Sidnei, b. diaSituação delicada da economia brasileira.abs
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail