😎 Promoção de meio de ano - Até 50% de desconto em ações selecionadas por IA no InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

Empresas Americanas Preveem um Caminho Longo e Doloroso Até a Recuperação

Publicado 13.05.2020, 08:27
DJI
-
BA
-
CVX
-
MSFT
-
GOOGL
-
AAPL
-
AMZN
-
XOM
-
GE
-
CL
-
USO
-
GOOG
-

Com a temporada de balanços do 1T2020 chegando ao fim, ficou claro que, se a pandemia de Covid-19 continuar gerando estragos na economia mundial, os executivos de algumas das maiores empresas norte-americanas não conseguirão fazer uma projeção dos seus resultados futuros.

Mesmo nos casos em que há um prognóstico feito por algum executivo corajoso, a indicação é a de um doloroso caminho até a recuperação, que em nada se parece com uma retomada em “V” esperada por tantos investidores. Uma pesquisa realizada pelo Federal Reserve (banco central dos EUA) neste mês, no intuito de compreender o impacto do vírus nos resultados, descobriu que as empresas estão mais cautelosas com o futuro do que na época da Crise Financeira de 2008.

Cerca de 42% das empresas públicas não financeiras dos EUA estão discutindo a redução de investimentos, 27% já estão falando no tamanho ou mesmo na sua capacidade de pagamento de proventos e 17% estão focadas em reduzir suas linhas de crédito, concluíram os economistas Andrew Y. Chen e Jie Yang. No pico da última recessão, os números eram de 25%, 11% e 7%, respectivamente,

“O aumento dramático na parcela de empresas que estão tomando essas ações indica que as preocupações financeiras diante da Covid-19 são ainda maiores do que em 2008”, escreveram os economistas.

Os resultados do primeiro trimestre das maiores empresas de tecnologia dos EUA mostraram sua considerável incerteza em relação ao crescimento e a lucratividade no futuro.

Histórica incerteza econômica

A Amazon (NASDAQ:AMZN), gigante do varejo eletrônico, apesar de ter registrado o maior salto no número de itens vendidos em sua rede em oito anos, está enfrentando uma escalada nos custos de entregas de produtos durante os confinamentos, ao mesmo tempo em que tenta evitar que seus milhares de colaboradores sejam contaminados pelo vírus.

Durante a teleconferência após seu balanço em 23 de abril, a empresa alertou que poderia perder US$ 1,5 bilhão no atual trimestre. “Se você é acionista da Amazon, talvez seja melhor se sentar um pouco”, declarou Jeff Bezos, CEO da companhia.

Em razão da histórica incerteza econômica e das baixas projeções de vendas dos seus iPhones, a Apple (NASDAQ:AAPL) recusou-se a fornecer números para seu atual trimestre. Essa é a primeira vez que isso acontece desde que a empresa começou a fornecer um prognóstico concreto de receita no final de 2003.

Não obstante o obscuro cenário econômico gerado pelo vírus, algumas empresas de tecnologia ganharam terreno, graças ao aumento das compras online, das interações pelas mídias sociais e da utilização dos serviços de nuvem por colaboradores remotos, aumentando sua liderança.

MSFT Weekly 2017-2020

Durante o trimestre, a Microsoft (NASDAQ:MSFT) registrou um excelente trimestre, graças ao crescimento da computação na nuvem, o que também impulsionou as receitas tanto da Amazon quanto da Alphabet (NASDAQ:GOOGL).

Cortes de despesas e redução de dividendos

Para as empresas da velha economia, o mais importante é sobreviver e preservar caixa. Desde gigantes industriais, como Boeing (NYSE:BA) e General Electric (NYSE:GE), até companhias aéreas e produtores de petróleo, seus executivos estavam convencidos de que os clientes não voltarão a realizar viagens e socializar como antes da pandemia no futuro próximo.

Em sua teleconferência, a Boeing apresentou um plano para sobreviver à pior queda na história da aviação. Entre as medidas adotadas estão a redução do quadro funcional em cerca de 10%, a desaceleração da produção, inclusive do seu 787 Dreamliner, cuja fabricação caiu pelo terceiro trimestre consecutivo.

Ao falar sobre as maiores preocupações dos investidores, o CEO da companhia, Dave Calhoun, ressaltou a força do balanço patrimonial da empresa e seu acesso a capital para resistir à pandemia e à recessão mundial.

BA Weekly 2017-2020

As ações da Boeing despencaram 62% neste ano, a pior queda entre todas as 30 ações listadas no índice Dow Jones.

O conglomerado industrial General Electric anunciou, no fim de abril, que suspenderia seu dividendo anual de US$ 1,52, bem como as recompras de ações. A expectativa do grupo é economizar mais de US$ 1,6 bilhão somente com o corte nos dividendos.

Os produtores de energia, que estão enfrentando preços catastroficamente baixos no petróleo devido a uma das maiores destruições de demanda na história recente, estão tentando sobreviver a essa recessão cortando orçamentos e, em alguns casos, seus sacrossantos dividendos.

A Exxon Mobil (NYSE:XOM) registrou seu primeiro prejuízo trimestral em três décadas, enquanto sua rival Chevron (NYSE:CVX) apresentou um cenário desolador da indústria petrolífera, sinalizando que o impacto da pandemia de coronavírus pode perdurar por boa parte de 2020.

A Exxon está cortando US$ 10 bilhões em seu dispêndio de capital previsto para 2020 e um corte de 30% no orçamento. “Nunca vimos algo como essa situação que o mundo está enfrentando atualmente”, declarou Darren Woods, CEO da empresa, em uma reportagem do Wall Street Journal.

Conclusão: Os próximos meses serão desafiadores, com um mercado extremamente volátil.

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.