Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Últimas Notícias

Baleias movimentam US$ 1,74 bilhão em Bitcoin (BTC) e Ethereum (ETH) e agitam o mercado

Trigo: Geadas em Julho Não Prejudicaram a Maior Parte das Lavouras

Por CepeaCommodities11.08.2021 12:32
br.investing.com/analysis/trigo-geadas-em-julho-nao-prejudicaram-a-maior-parte-das-lavouras-200443917
Trigo: Geadas em Julho Não Prejudicaram a Maior Parte das Lavouras
Por Cepea   |  11.08.2021 12:32
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Agentes consultados pelo Cepea apontam que as geadas que ocorreram no Brasil na primeira semana de julho não prejudicaram de forma intensa a maior parte das lavouras de trigo, já que estas ainda estavam em período inicial de desenvolvimento. Diante disso e também do avanço do cultivo da nova temporada, novos dados oficiais reforçam as expectativas de safra recorde no País. Segundo dados de julho da Conab, a área com trigo em 2021 deve crescer 12,3% frente à anterior, atingindo 2,62 milhões de hectares – a maior desde 2014. A produtividade está estimada para ser recorde, em 3,23 t/ha, sendo 21,1% acima da registrada em 2020. Se os números se confirmarem, a produção nacional pode chegar ao recorde de 8,48 milhões de toneladas, expressivo aumento de 36% em comparação com a safra anterior. Com isso, foi prevista queda na importação do cereal entre agosto/21 e julho/22, para 6 milhões de toneladas, 9,1% a menos que na safra atual (de agosto/20 a julho/21). Mesmo assim, a disponibilidade interna (estoque inicial + produção + importação) seria de 14,6 milhões de toneladas, 11,7% acima da safra anterior e a maior desde 2016. Apesar disso, as baixas temperaturas no fim do mês causaram perdas em parte das lavouras de trigo nos estados do Paraná, Santa Catarina e São Paulo, especialmente nas que estão em estágio de desenvolvimento mais avançado, quando são mais vulneráveis ao frio intenso. As condições climáticas nos próximos dois meses, pelo menos, devem ser fundamentais para se calcular a produção nacional.

MERCADO INTERNO – A baixa disponibilidade nacional do grão e o comportamento do clima afastaram agentes do mercado na maior parte de julho. No mês, o preço médio do trigo no mercado disponível de Santa Catarina foi de R$ 1.536,68/tonelada, recuo de 2,6% frente a junho/21, mas elevação de 20,0% em um ano. No Paraná, a média em julho foi de R$ 1.534,07/t, queda de 2,3% no mês, mas alta de 25,1% em um ano. No Rio Grande do Sul, a média de julho fechou a R$ 1.482,27/tonelada, recuo de 1,6% frente à de junho/21, porém, avanço de 23,4% em relação à de julho/20. Já em São Paulo, a média foi de R$ 1.603,43/t, elevação de 0,8% frente à de junho/21 e 26,9% maior que a de julho/20.

IMPORTAÇÕES – De acordo com os dados preliminares da Secex, em julho, foram importadas 534,83 mil toneladas de trigo, contra 508,98 mil toneladas em julho/20. Em relação ao preço de importação, a média de julho/21 fechou a US$ 274,0/t FOB origem, 22,15% acima da registrada no mesmo mês de 2020 (de US$ 224,3/t).

PREÇOS E SAFRAS EXTERNOS – Nos Estados Unidos, considerando-se as médias de junho e de julho, o primeiro vencimento do contrato Setembro/21 do Soft Red Winter da Bolsa de Chicago (CME Group) se desvalorizou leve 0,30%, a US$ 6,6512/bushel (US$ 244,39/t). Na Bolsa de Kansas, o contrato de mesmo vencimento do trigo Hard Winter avançou 2,25%, a US$ 6,3456/bushel (US$ 233,16/t). Nos Estados Unidos, o USDA indicou que, até 1º de agosto, 91% da área total do trigo de inverno havia sido colhida. Para o trigo de primavera, as condições das lavouras seguem piorando devido à seca, com 64% entre condições ruins e muito ruins, 26%, em médias, e apenas 10% da área, entre condições boas e excelentes. Quanto à Argentina, a Bolsa de Cereales indicou que a semeadura do trigo havia atingido 99% da área até 28 de julho, com 55% das lavouras em excelentes condições, 39%, em normais, e apenas 6% em situação ruim. Dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Pesca da Argentina informam que, na safra de trigo 2021/22, a área será de 6,95 milhões de hectares, alta de 3,7% em comparação à temporada anterior.

OFERTA E DEMANDA MUNDIAIS – Dados divulgados pelo USDA em julho reduziram a estimativa de produção mundial da safra 2021/22 para 792,39 milhões de toneladas, com menores ofertas dos Estados Unidos, do Cazaquistão, do Canadá e da Rússia. Todavia, continua 2,1% superior à temporada 2020/21, principalmente devido às elevações no Reino Unido e na Ucrânia. Para o Brasil, a expectativa do USDA é de que a produção seja 10,4% maior que a da safra 2020/21, atingindo 6,9 milhões de toneladas. Quanto ao consumo, o USDA indica aumento de 0,8% entre 2020/21 e 2021/22, a 790,89 milhões de toneladas. Os estoques mundiais recuaram 1,7% frente ao relatório anterior, mas ainda devem subir 0,5% frente à safra 2020/21, indo para 291,68 milhões de toneladas. A relação estoque/consumo permanece em queda, saindo de 37,5% para 36,9%. m relação às exportações da safra 2021/22, o USDA prevê 205,47 milhões de toneladas, elevação de 4% em comparação à safra anterior. Os aumentos mais significativos nas vendas externas devem ocorrer por Ucrânia (21 milhões de toneladas) e Argentina (13 milhões de toneladas), com altas expressivas de 36,8% e de 25,4%, respectivamente, entre as temporadas 20/21 e 21/22. Porém, os maiores exportadores continuam sendo Rússia e União Europeia. Do lado das compras mundiais da safra 2021/22, os maiores importadores são Egito (13,2 milhões de toneladas), Indonésia (10,75 milhões de toneladas) e Turquia (10,25 milhões de toneladas). A previsão para o Brasil é de que o volume importado seja 12% superior ao da temporada 2020/21.

DERIVADOS – As negociações de farelo de trigo seguem aquecidas, influenciadas pela maior demanda pelo derivado. No mercado de farinhas, por outro lado, a procura é considerada baixa; porém, alguns moinhos, na tentativa de repassar custos, elevam os preços pedidos, devido à valorização do cereal. No mês de julho, a maioria das farinhas apresentou alta nos preços, com valorização de 3,69% para bolacha doce, 1,8% para massa integral, 1,23% para massas em geral, 1,19% para massas frescas e 0,5% para panificação. Já as farinhas destinadas para bolacha salgada e pré-mistura se desvalorizaram 1,1% e 0,1%, respectivamente. Ambos os farelos avançaram de forma expressiva em julho, 5,6 % para o a granel e 5,2% para o ensacado.

Trigo: Geadas em Julho Não Prejudicaram a Maior Parte das Lavouras
 

Artigos Relacionados

Trigo: Geadas em Julho Não Prejudicaram a Maior Parte das Lavouras

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail