😎 Promoção de meio de ano - Até 50% de desconto em ações selecionadas por IA no InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

Bank of America sobe conta para IPCA e Selic em 2022, mas diz que Brasil é destaque em meio a risco geopolítico

Publicado 09.03.2022, 16:32
Atualizado 09.03.2022, 16:35
© Reuters. Moedas de reais
15/10/2010
REUTERS/Bruno Domingos
USD/BRL
-
IBOV
-

SÃO PAULO (Reuters) - O Bank of America (NYSE:BAC) aumentou acentuadamente sua projeção para a inflação do Brasil ao final deste ano devido ao impacto das tensões geopolíticas nos preços das commodities, o que levou a expectativa de maior agressividade do Banco Central no endurecimento da política monetária.

No entanto, o BofA afirmou que os mercados domésticos podem atrair fluxos estrangeiros à medida que a guerra na Ucrânia abala o sentimento de risco global.

O credor norte-americano espera agora que o IPCA encerre 2022 em alta de 6,5%, taxa bem acima do teto da meta oficial, contra previsão anterior de inflação de 5,0%. A conta para o ano que vem também foi revisada para cima, a 4,0%, de 3,5%.

Os centros dos objetivos de inflação perseguidos pelo Banco Central são de ​3,50% para este ano e de 3,25% para o próximo, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

A alta nos preços das commodities decorrente do conflito entre Rússia e Ucrânia "acrescentará pressão às dinâmicas de inflação já persistentes", disse o BofA em relatório com data de terça-feira.

Nesse contexto, o banco espera que a taxa Selic encerre este ano em 13,25%, após dois aumentos consecutivos de 1 ponto percentual em março e maio e uma alta final de 0,5 ponto em junho. Anteriormente, a projeção era de taxa de 12,25% para o fim do ano.

O BofA agora vê a Selic em 10,50% ao fim de 2023, contra estimativa anterior de 9,50%.

BRASIL COMO DESTAQUE

Apesar dos riscos inflacionários, o BofA ponderou que o salto global nos preços das commodities terá impacto positivo nos termos de troca do Brasil, com o setor agrícola devendo ser o principal beneficiário da alta das cotações das commodities.

Desta forma, o credor privado afirma enxergar "alguns riscos altistas" para suas projeções de crescimento deste ano, que estão em +0,5%.

Além disso, "acreditamos que as ações brasileiras superarão o desempenho do resto da região (latino-americana), pois o conflito Rússia-Ucrânia acelerou o reequilíbrio das carteiras globais para o Brasil", disse o banco no relatório.

© Reuters. Moedas de reais
15/10/2010
REUTERS/Bruno Domingos

O Ibovespa "é um lugar natural para estacionar o risco nesta conjuntura", disse o BofA, destacando o forte peso de ações financeiras e de commodities no índice, e afirmando que "os fluxos para ações contribuirão para a força do real".

Os ativos brasileiros têm mostrado bom desempenho neste início de ano, com o Ibovespa acumulando alta de mais de 8% em 2022. No mesmo período, o dólar cai mais de 10% ante o real, deixando a moeda brasileira com a melhor performance global no ano.

(Por Luana Maria Benedito)

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.