Libere dados premium: até 50% de desconto InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

Volume de serviços no Brasil cresce em junho pelo 2º mês seguido com transporte de cargas

Publicado 11.08.2022, 09:06
Atualizado 11.08.2022, 10:41
© Reuters. Consumidores aguardam em fila de supermercado no Rio de Janeiro, Brasil
14/03/2020 REUTERS/Sergio Moraes

Por Camila Moreira e Rodrigo Viga Gaier

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) -O volume de serviços no Brasil chegou ao final do segundo trimestre em alta pelo segundo mês seguido e acima do esperado, ganhando fôlego mesmo diante de um cenário de inflação elevada no país graças principalmente ao setor de transportes.

O volume de serviços cresceu 0,7% em junho na comparação como mês anterior, mostrando aceleração ante a taxa de 0,4% de maio, embora esta tenha sido revisada para baixo de 0,9% informado antes.

Com isso o segundo trimestre fechou com ganho de 1,1% sobre os três meses anteriores, no oitavo trimestre seguido de alta, embora essa tenha sido a taxa mais fraca dessa sequência.

Os dados divulgados nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram ainda que, na comparação com o mesmo período do ano anterior, os serviços apresentaram ganho de 6,3% no volume.

O setor de serviços encontra-se 7,5% acima do nível de fevereiro de 2020, pré-pandemia, mas ainda 3,2% abaixo de novembro de 2014, o pico da série, de acordo com o IBGE.

As expectativas em pesquisa da Reuters eram de ganhos de 0,5% na base mensal e de 6,1% na anual.

O retorno da demanda presencial para os fornecedores de serviços tem ajudado a impulsionar o volume do setor, que por outro lado ainda enfrenta a inflação elevada no país.

As incertezas à frente também permanecem com o aperto nas condições monetárias e financeiras em um ano de eleição presidencial, embora medidas do governo de auxílio à renda e o enfraquecimento esperado da inflação possam dar impulso ao setor.

"Junho contava com 13º antecipado e liberação do FGTS. Acredito que uma parte deve ter sido direcionada para pagar dívidas, mas também está tendo claramente uma preferência para gastar com serviços, e não com varejo", avaliou Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos.

Na quarta-feira, o IBGE informou que as vendas varejistas no Brasil registraram contração de 1,4% em junho, maior queda mensal desde dezembro do ano passado.

"Comércio e indústria têm mais impacto de inflação, juros e mercado de trabalho. O setor de serviços vem crescendo desde o pós-pandemia em duas vertentes: uma delas é a retomada das atividades que dependem do consumo presencial", disse o gerente do levantamento no IBGE, Rodrigo Lobo, citando ainda o avanço do transporte de cargas.

CARGA

Entre as cinco atividades pesquisadas pelo IBGE, quatro apresentaram crescimento em junho, sendo que a maior influência positiva partiu do avanço de 0,6% de transportes, com destaque para o transporte dutoviário, rodoviário de cargas e coletivo de passageiros.

"O protagonismo veio de transporte, com destaque para cargas e transporte rodoviário de carga, que vem tendo bom desempenho por conta do agronegócio, para escoar a produção agrícola, e também por conta da produção indústria", disse Lobo.

Também se destacou o crescimento de 0,7% dos serviços profissionais, administrativos e complementares, graças ao aumento das atividades relacionadas a organização, promoção e gestão de feiras, congressos e convenções, entre outras.

Os serviços prestados às famílias tiveram alta de 0,6% no mês, mas seguem abaixo do patamar pré-pandemia. Já os serviços de informação e comunicação tiveram queda de 0,2%.

© Reuters. Consumidores aguardam em fila de supermercado no Rio de Janeiro, Brasil
14/03/2020 REUTERS/Sergio Moraes

O índice de atividades turísticas, por sua vez, mostrou recuo de 1,8% em junho sobre o mês anterior, interrompendo três meses seguidos de ganhos. O segmento ainda está 2,8% abaixo do patamar pré-pandemia.

“O que puxou as atividades turísticas para baixo esse mês foi o transporte aéreo, devido ao aumento do item passagens aéreas no IPCA em junho”, explicou o analista da pesquisa Luiz Almeida.

(Edição de Luana Maria Benedito)

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.