Últimas Notícias
0

FMI vê país crescendo pouco, com dívida alta, e cobra ajuste fiscal e reformas

Economia12.07.2018 09:40
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
FMI vê país crescendo pouco, com dívida alta, e cobra ajuste fiscal e reformas estruturais

Arena do Pavini - Uma leve recuperação apoiada por políticas monetárias e fiscais acomodatícias está em andamento no Brasil. Mas a economia está com desempenho ruim em relação ao seu potencial, a dívida pública é alta e crescente e, mais importante, as perspectivas de crescimento a médio prazo permanecem sem inspiração na ausência de reformas estruturais. A avaliação é do Comitê Executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI). No contexto de aperto das condições financeiras globais, colocar o Brasil em um caminho de crescimento forte, equilibrado e durável requer uma busca comprometida de consolidação fiscal, reformas estruturais ambiciosas e um fortalecimento da arquitetura do setor financeiro.

O fundo também destacou a importância do câmbio flutuante, e deixou claro que o Banco Central (BC) só deve intervir se o dólar influenciar as expectativas de inflação ou para equilibrar o mercado. O FMI destacou ainda o impacto negativo das incertezas com a continuidade das reformas, por conta da eleição presidencial.

Dívida pública acima de 90% em 2023

O FMI lembra que após a grave recessão em 2015-2016, o PIB real cresceu 1% em 2017. O crescimento deverá ser de 1,8 e 2,5% em 2018 e 2019, respetivamente, impulsionado por uma recuperação do consumo e investimento internos.

Mas, mesmo que as despesas federais permaneçam constantes em termos reais em seu nível de 2016, conforme exigido pela regra constitucional do teto dos gastos, o FMI espera que a dívida pública aumente ainda mais e chegue ao pico em 2023, acima de 90% do PIB. O ajuste fiscal, portanto, é fundamental para manter a confiança na sustentabilidade da dívida, alerta o fundo.

O Brasil também é vulnerável a um aperto nas condições financeiras globais e possíveis interrupções no comércio, mesmo que os efeitos do desvio do comércio para outros países possam atenuar o impacto. Esses riscos podem ser agravados se não houver continuidade na agenda de reformas.

Dívida pública crescente

O déficit fiscal diminuiu, admite o FMI, mas a dívida pública está crescendo e as reformas mais profundas estão atrasadas. A dívida do setor público aumentou de 78,3% do PIB para 84% entre 2016 e 2017. O déficit fiscal primário caiu para 1,7% do PIB em 2017, abaixo da meta das autoridades, refletindo a contenção de despesas.

O governo pretende restaurar a sustentabilidade fiscal por meio de um ajuste fiscal mais rápido do que o implícito no teto das despesas, dependendo do desempenho da receita. Para 2018, a meta é reduzir o déficit primário mantendo gastos discricionários sob controle, contendo aumentos salariais e otimizando a elegibilidade aos benefícios sociais, quando possível.

Inflação em níveis muito baixos

A inflação diminuiu para níveis recordes, destaca o FMI. Durante 2017, a inflação diminuiu de 6,3% para 2,9%, um pouco abaixo da meta do Banco Central (BC), devido principalmente à fraqueza da economia, a uma queda notável nos preços dos alimentos devido a uma safra excepcional e expectativas bem ancoradas. Prevê-se que a inflação aumente para o ponto médio de 4,25 da meta de inflação em 2019, à medida que o choque do preço dos alimentos se dissipa e a capacidade ociosa da economia dimininui. Desde o início do ciclo de flexibilização dos juros, em setembro de 2016, o Banco Central reduziu a taxa básica em 7,75 pontos percentuais para o nível recorde de 6,5%.

Déficit externo deve crescer

O déficit em conta corrente encolheu de 4,2% do PIB em 2014 para 0,5 em 2017, com as importações diminuindo com o colapso do investimento privado. À medida que a recuperação ganha força, a recuperação do investimento compensará os efeitos da consolidação fiscal e levará a uma deterioração da conta corrente para cerca de -2% do PIB no médio prazo, estima o FMI.

Em média, em 2017, a posição externa foi amplamente consistente com os fundamentos de médio prazo e políticas desejáveis. O Brasil continuou a atrair entradas consideráveis ​​de capital, especialmente investimentos estrangeiros diretos.

Bancos sólidos

Os bancos têm sido amplamente sólidos, observa o fundo. Apesar das grandes perdas durante a recessão de 2015-16, estudo recente mostrou que os bancos brasileiros estavam bem capitalizados, lucrativos e líquidos, em grande parte refletindo altas margens e taxas de juros. A recuperação econômica levou a um declínio nas perdas com empréstimos, o que impulsionou os lucros. Os retornos de capital estão acima dos mínimos regulamentares. A análise do risco sistêmico sugere que a solvência e a liquidez do banco são amplamente resilientes a choques macrofinanceiros mais severos, diz o FMI.

Risco por conta da incerteza com continuidade das reformas

Os diretores executivos do FMI concordaram que a recuperação econômica do Brasil está em andamento, mas continua sujeita a riscos de queda significativos decorrentes da incerteza em relação à continuidade das reformas e ao atual aperto das condições financeiras globais. Os diretores incentivaram as autoridades a continuar seus esforços para garantir a sustentabilidade fiscal e remover os impedimentos estruturais para um crescimento forte e duradouro.

Ajuste fiscal deve conter massa de salários de servidores

Os diretores ressaltaram que, dado o alto nível de dívida pública, a consolidação fiscal contínua é de suma importância. Eles lamentaram que algumas medidas para o orçamento de 2018 não pudessem ser aprovadas, mas notaram positivamente o compromisso das autoridades de economizar qualquer sobra de receita. Os diretores concordaram que a reforma da previdência é fundamental para garantir a sustentabilidade do sistema e melhorar a equidade. Medidas adicionais de cortes de gastos poderiam incluir esforços decisivos para conter a massa salarial pública, ao mesmo tempo em que protegem o investimento público e os programas sociais. As reformas para simplificar os impostos devem ser consideradas e o quadro fiscal deve continuar a ser fortalecido.

Os diretores saudaram a redução da inflação e a ancoragem das expectativas de inflação. Eles concordaram que a atual postura da política monetária é apropriada e deve permanecer incentivando o crescimento com juros baixos para ajudar o país a reduzir a capacidade ociosa, mas deve estar atenta às fontes internas e externas de pressões inflacionárias.

Câmbio flutuante e intervenção somente para equilibrar desajustes

Os diretores ressaltaram que o regime de taxa de câmbio flutuante e os grandes amortecedores de reserva são importantes pedras angulares do arcabouço de políticas e devem ser preservados. Eles recomendaram que a intervenção no mercado de câmbio seja limitada a ajustar condições de desequilíbrio. A política monetária deve responder a movimentos na taxa de câmbio apenas na medida em que haja riscos para as expectativas de inflação. Nesse contexto, os diretores ressaltaram a importância da independência do banco central.

Setor financeiro precisa reduzir custos altos da intermediação

Os diretores concordaram que o sistema financeiro é amplamente resiliente. No entanto, eles concordaram com a recomendação do Programa de Avaliação do Setor Financeiro (FSAP na sigla em inglês) de que ações adicionais são necessárias para fortalecer as estruturas microprudenciais, macroprudenciais e de rede de segurança. Os diretores ressaltaram a importância de melhorar a eficiência do sistema financeiro, especialmente reduzindo os altos custos de intermediação.

Redução na intervenção do Estado no crédito

Os diretores saudaram as recentes reformas no mercado de trabalho e o crédito subsidiado. No entanto, eles pediram às autoridades que prossigam com reformas estruturais prioritárias adicionais, que são essenciais para aumentar a produtividade e o crescimento potencial. As reformas devem se concentrar na redução da intervenção do Estado nos mercados de crédito, no aprimoramento da integração comercial e na melhoria da infraestrutura pública. Os diretores ressaltaram que os esforços contínuos para combater a corrupção e a lavagem de dinheiro são vitais para garantir um crescimento forte e inclusivo.

Por Arena do Pavini

FMI vê país crescendo pouco, com dívida alta, e cobra ajuste fiscal e reformas
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias ou ataques pessoais dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários
Elisandro Saldanha
Elisandro Saldanha 12.07.2018 14:40
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Eu corri para ver a data na matéria porque achei que era um erro, matéria antiga.mas é verdade!!.esta economia liberal está fazendo regredir o país para o passado!.Já estamos nos anos 90 e 2000.a meta é chagar por 1900 mais ou menos, aonde nao existia regra nenhuma!.viva as idéias inivadoras
Responder
0 0
Ale CG
Ale10 12.07.2018 8:12
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Dívida pública equivalente a 90% do PIB em 2023 !!! Catastrófico!!!
Responder
0 0
Gilberto Luiz
Gilberto Luiz 12.07.2018 8:12
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Estamos com muitos representantes na Câmara e no Senado. A despesa deles é altíssima. Contamos com eles pra prosseguir com as reformas, mas em muitos, casos estão aprovando projetos que contribuem para agravar o aumento dos custos públicos. Espero que estejam fazendo as contas pra equilibrar as contas públicas.
Responder
0 0
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Registrar-se com Google
ou
Registrar-se com o e-mail